Novo modelo competitivo

As Associações distritais aprovaram hoje, em Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Futebol, o novo modelo competitivo das II e III Divisões, destacando-se as alterações nas "poules" de subida e descida de escalão, a aplicar na próxima época. O novo modelo, aprovado com 331 votos a favor, 12 contra e 128 abstenções, mantém quatro séries na II Divisão e seis na III, - a primeira fase continua igual -, mas altera a fórmula da fase final de subida (seis equipas, em mini-campeonato, por cada série) e descida (oito equipas, divididas em duas sub-séries, também por cada uma). "As que ficarem na zona de subida, conservam 50 por cento dos pontos obtidos na primeira fase e disputam entre si, em duas voltas, o campeonato. As que descem ficam também com metade dos pontos e são agrupadas em duas sub-séries, a duas voltas, descendo as duas últimas equipas de cada uma delas e o pior segundo classificado das duas", explicou o presidente da Associação de Futebol de Leiria, Júlio Vieira, mentor da proposta, criada em parceria com 19 Associações. As sub-séries de descida terão em conta o coeficiente de pontos obtidos na primeira fase, sendo que de um lado estarão as equipas que se posicionarem em 8º., 10º., 12º. e 14º. lugares e do outro as que ficarem no 7º., 9º., 11º. e 13º. postos.
Ler Texto Completo

Adrien Silva


Nome: Adrien Sébastien Perruchet da Silva
Data de nascimento : 14 de Junho de 1989 (18 anos)
Local de nascimento: Angoulême (França)
Posição: trinco/médio interior
Clubes: Bourdeaux, Paçô, Sporting (desde 2001)

Adrien Silva é um jogador que tem andado nas “bocas do mundo”. Em 2005 esteve com um pé no Chelsea mas o Sporting conseguiu resgatá-lo. Já este ano foi o único português chamado à selecção europeia que disputou a Meridian Cup mas acabou por não actuar uma vez que uma arreliadora lesão o impossibilitou de marcar presença. Esse mesma lesão fez com que este talentoso jogador falhasse vários jogos da temporada júnior leonina mas acabou a época em grande o que lhe valeu a chamada para fazer a pré época com o plantel sénior comandado por Paulo Bento.
Adrien Silva pode fazer qualquer uma das posições do meio campo preferindo no entanto actuar na posição de trinco onde a sua combatividade salta mais á vista. Classe, visão de jogo, passes apurados, muita entrega, incansável na recuperação da bola, tenta sempre levar a equipa para a frente, são estes os adjectivos que são atribuídos a mais esta esperança leonina. Adrien Silva define-se como “um lutador que nunca baixa os braços e que trabalha sempre para a equipa”. Veremos como decorre a pré época mas este jogador tem as características necessárias para agradar a Paulo Bento e aos adeptos do Sporting. Com a saída de Custódio restam os trincos Miguel Veloso e Paredes, Adrien pode ser a “terceira via” e todos sabemos que Paulo Bento aprecia jogadores polivalentes como o luso francês é.
Ler Texto Completo

"Enquanto for presidente Idalino de Almeida será treinador"

António Albino, empresário, 60 anos, é o novo presidente do Académico de Viseu. Assume o clube com a vontade de o ver regressar à II Divisão, mas apostando numa gestão de rigor, sem "loucuras" nem "excessos" financeiros que possam hipotecar o futuro

O que o levou a avançar para a presidência do Académico de Viseu?
Quando vim para o Académico, ainda como antigo CAF, tentei evitar a sua falência, o que não foi possível devido às razões mais que conhecidas, nomeadamente o "caso Paulo Ricardo". Como tal não foi possível, tivemos de enveredar por outros caminhos e o que nos pareceu mais viável e correcto foi fazer o protocolo com o Farminhão. Entendemos, então, que tínhamos de subir o mais rápido possível à III Divisão e, de seguida e porque não, à II Divisão B. É com essa missão que aqui estou, com espírito de sacrifício, e empenhado num orçamento de rigor.

Na actual conjuntura, a II Divisão B é um objectivo realista?
É. Foi na divisão em que "apanhei" o Académico e é onde gostaria de o deixar.

Quanto custa uma época do Académico de Viseu?
Estamos a fazer um orçamento de rigor, sem loucuras nem derrapagens. Estamos a tentar equilibrar as finanças para que cheguemos ao fim da época sem qualquer dívida. Não vamos gastar mais que aquilo que temos.

Onde vai o Académico buscar dinheiro, sabendo-se que tem apenas cerca de 400 sócios? De facto 400 sócios não chegam. Gostaríamos de atingir um número mais significativo entre os 1500 a 2000 sócios, o que seria o ideal para uma gestão equilibrada. A tarefa não é fácil mas também não é impossível.

Ou seja, sem dinheiro de quotas, são os subsídios da autarquia uma fonte importante de receita.
Na época passada, pouco apoio recebemos da câmara, mas também já sabíamos que havia mais três clubes na mesma divisão e que os apoios teriam que ser divididos. Em algumas conversas que mantive com o presidente da autarquia, Fernando Ruas, tive a garantia que na III divisão o apoio será maior.

Haverá já uma identificação dos viseenses com o clube que vos permita triplicar o número de sócios?
Penso que, com o tempo, as gentes de Viseu e das Beiras vão aderir a este projecto, que não tenho dúvidas, tem pernas para andar. É um clube sem dívidas, e assim é mais fácil pensar em futuro, em subidas de divisão e, quem sabe, chegar um dia à I Liga.

A gestão de rigor que defende ajudará a essa credibilidade?
Um clube sem dívidas é prioridade, daí defender a alteração dos estatutos que obrigue qualquer direcção a não deixar dívidas para as direcções seguintes. Isso parece-me fundamental, até para que o argumento das dívidas não impeça os academistas de integrar futuras direcções.

Idalino Almeida é o seu treinador?
Enquanto for presidente, Idalino de Almeida será treinador do Académico.

E do plantel para a nova época, o que está já definido quanto a reforços?
Quanto ao plantel, e ao contrário do que por vezes se diz e se escreve, não andamos, nem queremos, guerra com qualquer clube por causa de jogadores. Só fazemos as aquisições que estão ao nosso alcance e não equeremos jogadores à força. Quem vier para o Académico, virá de livre vontade. Quero manter uma boa relação com todos os clubes. Confirmados estão o Lopes e o Mégane, que estavam no Penalva. O caso do Rodrigo, da Desportiva de Sátão, foi uma falsa questão. Tirando uma simples abordagem, nunca houve nada de concreto. No que se refere a mais reforços, estamos em negociações avançadas com jogadores fora da região e, muito em breve, haverá mais novidades. Queremos três ou quatro jogadores que façam a diferença, e que sejam, de facto, reforços.

O Académico vai continuar a ter futebol, andebol e natação?
Na natação a professora Irene Frias tem feito um bom trabalho, assim como no andebol, o professor João José. São secções com gestão autónoma, mas sem derrapagens, porque a contabilidade passa sempre pelo clube.

No futebol, vai apostar na formação?
Na formação, três equipas subiram aos nacionais. Penso que há condições para voltar-mos a ser uma referência ao nível dos escalões de formação.

Entrevista publicada no Jornal do Centro, ed. 276, 29 de Junho de 2007
Ler Texto Completo

Académico de Viseu em Genève


Sabia que há um Académico de Viseu em Genève?
Se não sabia fique sabendo que este Académico é composto “por um grupo de pessoas que trabalha sem olhar a meios, sem interesse financeiros mas com bom espírito de sacrifício que luta para manter o nome de Viseu activo por terras helvéticas…”.
A história deste Académico de Viseu começa numa palavra tão portuguesa… a saudade! A saudade de tudo o que se deixou para trás, família, amigos, tradições, Viseu e claro está o Académico. Uma saudade que eu tão bem compreendo embora more a pouco mais de uma hora da terra que me viu nascer. Voltando à história do Académico de Viseu de Geneve, que é para isso que eu resolvi fazer este post, essa reza que tudo começou a 17 de Dezembro de 1991 onde “21 academistas e viseenses” – “Os Carolas” -, resolveram fundar o Académico de Viseu de Geneve, bem à moda portuguesa, ou seja, reunidos a uma mesa de restaurante. Em 1996 tiveram a presença do então vice-presidente do CAF Rui Mello num dos seus convívios. A 29 de Outubro de 1997 inauguraram a sede e esteve presente, entre outros, o presidente da Câmara Municipal de Viseu. De lá para cá nada mais reza a história o mesmo será dizer que desconheço se o presidente lá voltou ou alguém do CAF.
Uma coisa é certa, muita coisa mudou neste tempo o CAF acabou a realidade actual é o AVFC mas atrevo-me a dizer que o amor ao Académico continua. Basta para isso ver os links que o site do Académico de Viseu de Genève disponibiliza, está lá a referência ao AVFC logo em primeiro plano, já o contrário não é verdadeiro pois não há no site do AVFC referência ao link do Académico de Geneve. O desafio que vos lanço é que passem pelo site deles e vejam as suas actividades.
Depois de vermos isto uma pergunta fica: que podem fazer estas pessoas pelo Académico da cidade de Viseu? Mas antes de respondermos a esta pergunta penso que temos que responder antes a esta: que pode o Académico da cidade de Viseu fazer pelo de Geneve? É que um amor tão grande à cidade e ao clube não pode passar despercebido aos responsáveis.
Vem aí Agosto e com ele o regresso dos nossos emigrantes. O ano passado um tio meu - emigrante - perguntava-me se o Académico tinha acabado. Com muita paciência lá fui explicando toda a história. No fim ele afirmou: se não falam do clube às pessoas elas também não vão perguntar por ele! Como disse o nosso amigo Lumago (permita-me Sr. Lumago que o trate por amigo) “obriguem” as pessoas a ouvir falar do Académico!
Saudações academistas!
Ler Texto Completo

Até onde chega a estupidez?


Não costumo perder tempo a ler o jornal Público, apenas descobri esta história “graças” ao blogue Leão da Estrela. O citado jornal, qual macaquinho de imitação, aproveitou o facto de se falar nas sete maravilhas de Portugal para propor aos seus leitores que elegessem os 7 horrores de Portugal. Até aqui nada demais. O jornal podia, por exemplo, ir á procura, por este nosso país afora, dos horrores que se vão fazendo no que ao meio ambiente diz respeito e por certo encontraria muitos. Mas não, decidiu-se de escolher para um dos horrores o Estádio José Alvalade. É seguramente uma atitude que merece o repúdio de todos os sportinguistas e espera-se uma tomada de atitude enérgica - o sócio 85378 do clube espera pelo menos – dos dirigentes do clube. Mas que dizer desta atitude se no mesmo “concurso” inserem, por exemplo, a Basílica do Santuário de Fátima e o Cristo Rei?
Como pergunta, e bem, o autor do Leão da Estrela será que esta atitude do Público tem algo a ver com o facto de o jornal ter perdido recentemente uma acção com o Sporting em tribunal?
Isto tudo para gáudio dos adeptos dos outros clubes, felizmente que não será para todos será apenas para aqueles que vêm no futebol uma maneira de arranjar guerras e inimizades, ou seja, tudo o que o futebol não devia ser.
Ler Texto Completo

Outras entrevistas

Numa inciativa que eu, obviamente, aplaudo, o blogue dedicado às camadas jovens do Académico de Viseu, superiormente elaborado pelo nosso amigo e colega de A MAGIA DO FUTEBOL Jorge Sá, está a efectuar entrevistas aos jovens atletas do clube. São já três as entrevistas publicadas e mais se seguem, garanto-vos!
Fiquem com os links:
André Melo (juvenis)
Bruno Regueira (iniciados)
Filipe Costa (juniores)
Ler Texto Completo

Sporting perde com dignidade


Perder com o Benfica não agrada a nenhum sportinguista que se preze nem que o jogo seja a feijões ou mesmo que a modalidade se chame Futsal. O Benfica – glória aos vencedores – sagrou-se campeão nacional de Futsal, mas o Sporting – honra aos vencidos – saiu de cabeça bem erguida demonstrando ser - na minha opinião e por isso mesmo é criticável - melhor equipa que a do Benfica que por sua vez é dotada de excelentes individualidades.
Eu considero mesmo que o grupo do Sporting em futsal é composto por heróis: é uma equipa de tostões, em relação aos milionários vermelhos, e não têm as mesmas condições que os benfiquistas, porque não será certamente a mesma coisa jogar numa casa que se possa considerar sua do que jogar em Loures um pavilhão que por muito que se tente não será certamente o “covil do leão”.
No final o 7º melhor jogador do mundo falou de algo sobre saber ganhar ou saber perder, ou seja, um assunto em que não lhe reconheço autoridade para falar. Passei por alguns blogues benfiquistas hoje, devia ser a eles que o tal jogador se referia. Abraço Zezito!
Para finalizar, e por mais que me expliquem, não consigo entender porque se recorre ao play-off para se apurar o campeão: futsal não é basquetebol!
Parabéns ao Benfica!
Ler Texto Completo

A direcção eleita já está no site

No dia em que decorreram as eleições, A MAGIA DO FUTEBOL divulgou a lista completa dos novos dirigentes do Académico de Viseu Futebol Clube. Hoje foi a vez do site confirmar o que havíamos dito.
Ler Texto Completo

Izmailov chegou, e foi almoçar com... Miguel Veloso.

Segundo o diário Maisfutebol, Izmailov, chegou a Portugal e teve uma surpresa á hora de almoço. Foi convidado para almoçar em casa do seu futuro colega de equipa, Miguel Veloso.

Segundo reza a noticia, Izmailov ficou encantado com a comida portuguesa, e até provou a famosa "bica", depois do pai Veloso o ter descansado quanto aos efeitos da cafeína.

Foi um gesto muito cordial da familia Veloso, a provar que nem só o Apito Dourado faz parte do desporto em Portugal.

Obrigado Miguel Veloso, por este gesto tão nobre de quereres, integrar fácilmente o teu novo colega, no quotidiano português. Esperemos que seja um bom pronuncio para a época que aí vem, e esperemos que estes dois grandes jovens talentos tragam MAGIA ao futebol do Sporting.
Ler Texto Completo

Sporting Tetracampeão Nacional de Juvenis

Pizarro, Ricardo (Jussane 66), Hugo, Carlos, Gonçalo, Cristiano, Fausto (Bruno, 73 ), Dinis, Lucas, Gaspar (Rafael 52 ) e Diogo Lamelas (Capitão).



Pedro Miranda, Cedric Soares, Pedro Mendes, Nuno Reis, Bruno Simões, Diogo Amado (Capitão), Diogo Viana (Luís Andrade 71 ), André Martins , Wilson Eduardo (Joshua Silva 66), Diogo Rosado e André Gonçalo (André Sousa 45).
Golos: Wilson Eduardo 41 (0-1), Wilson Eduardo 59 (0-2), André Sousa 66 (0-3)
Foto:Sporting.pt
Links:









Ler Texto Completo

Notícias da pré época

O Académico de Viseu irá participar no 5º Torneio Nelas Coração do Dão que irá decorrer nos próximos dias 18 e 19 de Agosto. Tondela, Oliveira do Bairro e – como é lógico – Nelas serão os adversários. A MAGIA DO FUTEBOL se tudo correr como previsto irá lá estar para vos contar tudo.

Fonte: Jornal A Bola
Ler Texto Completo

Simon Vukcevic




Vukcevic é apontado insistentemente como possível reforço do Sporting. Será bom reforço?

“19 anos de técnica, agressividade e bom futebol, lutando por cada bola com alma e, depois, iluminando o jogo ofensivo do onze com excelentes passes ou entradas de trás. Este é o projecto exibicional de um dos mais talentosos médios do novo futebol eslavo: Simon Vukcevic, esquerdino, carácter de nº10 que joga com o nº1 nas costas na condução do jogo do Partizan. Por ser canhoto tem tendência a cair para o lado esquerdo. O seu estilo é, porém o de um típico organizador de jogo. Já é internacional «A» pela Sérvia.” (Luís Freitas Lobo in Planeta do Futebol em 18 de Fevereiro de 2005)
Esta observação tem mais de dois anos altura em que Vukcevic jogava no Partizan. Um talento que está incompatibilizado com o actual treinador. Tal como Carlos Martins. Como lidará Paulo Bento com ele?


Ler Texto Completo

Académico de Viseu na imprensa

O novo presidente do Académico de Viseu não perdeu tempo. Mal foi eleito, anteontem, à noite, António Albino fez alterar de mediato os estatutos do clube em assembleia-geral. A partir de agora, as direcções serão responsabilizadas pelas dívidas que fizerem. " Se deixarem dívidas ou se entrarem em loucuras serão chamadas a pagar", realçou António Albino ao DIÁRIO AS BEIRAS. O novo presidente dos academistas defende também uma gestão transparente e rigorosa. "Será assim durante o meu mandato, para que não voltemos a ter problemas", adiantou. O mesmo responsável, que liderava a única lista concorrente às eleições da direcção do Académico, considera que se o clube não apresentar dúvidas, tornar–se-á mais fácil encontrar candidatos. "Assim, ninguém terá medo de assumir a direcção do clube", realça o dirigente, que garante já ter pago, do próprio bolso, algumas dívidas, enquanto tesoureiro na anterior direcção do Académico. Para o clube, que esta época subiu à III Divisão Nacional, António Albino planeia voos mais altos. "Quero levar o clube à II Divisão B", realçou. O novo líder dos academistas quer manter na equipa o treinador Idalino Almeida e tem como principais objectivos para o mandato de dois anos elevar o número de sócios para 1.500, já que actualmente não ultrapassam os 400 associados. Na assembleia-geral ficou também decido actualizar o valor das quotas de sócio para cinco euros mensais, o dobro que estava estipulado. "O valor das quotas não era actualizado há muitos anos", justificou o novo presidente do Académico.
Ler Texto Completo

Parabéns Tiago!


A 22 de Junho de 1988 nascia em Viseu Tiago Pina. Hoje faz 19 anos! A MAGIA DO FUTEBOL deseja as maiores felicidades possíveis ao Tiago. Um dia destes lançámos um desafio ao Mister José Pipo para nos falar um pouco do Tiago e ele aceitou:

O Tiago Pina, além de ser um jogador de Grande qualidade, é um Grande Homem. Foi o verdadeiro capitão de equipa, mesmo estudando em Lisboa, teve a preocupação de diariamente estar a par do que se passava com a equipa, para que quando chegasse ao jogo estar completamente integrado, foi de um espírito de sacrifício impressionante ao longo da época, ter que vir de Lisboa todos os fins de semana, principalmente na fase final onde realizou 6 jogos em 2 semanas. Ao longo da época foi um jogador importantíssimo, porque na posição em que ele jogava, foi sempre o jogador que marcava o ritmo do jogo ofensivo.
Parabéns pela educação que os teus pais te deram, obrigado pela tua dedicação a esta equipa, foi um prazer enorme ter-te como meu jogador e felicidades para o teu Futuro !!!Grande Abraço do teu Mister e Amigo

José Pipo


Ler Texto Completo

Novo Presidente do AVFC

António da Silva Albino, é desde hoje o novo presidente do Académico de Viseu Futebol Clube. O novo presidente foi eleito com 49 votos a favor, e 4 votos em branco.

Lista dos corpos gerentes do Académico de Viseu Futebol Clube para o biénio 2007/2008 e 2008/2009:

Mesa da Assembleia Geral

Presidente: Dr. António de Almeida Gomes
1º Secretário: Prof. Carlos Manuel Sabino Antunes
2ª Secretária: Dulce Paula Figueiredo Nogueira

Conselho Fiscal

Presidente: Dr. Luis Filipe Rui Oliveira Caetano
1º Vogal: Drª Célia Maria da Costa Sérgio
2ª Vogal: Alfredo Monteiro Costa

Direcção

Presidente: António da Silva Albino
Vice-Presidente: Dr. António Nuno Mendes Marques de Oliveira
Vice-Presidente: José Manuel Ferreira Cabido
Vice-Presidente: Eng. Paulo Jorge Santos Silva
Secretário: Manuel Filipe Marques
Tesoureiro: Adérito Pais Cardoso
Vogal: Fernando Monteiro
Vogal: Carlos Silva e Sousa

A Magia Do Futebol deseja as maiores felicidades ao Sr. António Albino e á sua equipa, nestas suas novas funções. E disponibiliza desde já este blog, para fazerem chegar as informações que desejarem aos sócios e simpatizantes do Académico.
Ler Texto Completo

Em dia de eleições


É uma falha imperdoável para um blogue, como o nosso, deixar passar em claro uma notícia publicada na net sobre o Académico de Viseu. Foi o que aconteceu a 3 de Junho no Jornal As Beiras com as palavras do único (?) candidato à presidência do Académico de Viseu. E que disse António Albino? Coisa pouca mas vejamos:
Quer levar o clube à 2ª Divisão e proibir que as direcções deixem dívidas para as direcções vindouras. O que António Albino não diz é como se proíbe alguém de deixar dívidas. Terão, os candidatos a directores, que fazer um depósito de uma caução de modo a garantir o pagamento das dívidas?
A 3 de Junho, à jornalista Sandra Ferreira, António Albino dizia ter a lista completa mas não revelava os nomes que a compunham. A poucas horas das eleições ainda não se sabe – eu pelo menos não sei -, que nomes são esses. Eu sei que estão afixadas na sede... Viseu é a cidade que me viu nascer mas infelizmente não é a cidade onde vivo ou trabalho e na minha situação há outros. Ontem houve Assembleia Geral mas os ecos da reunião magna não estão, de momento, na net.
“O Académico tem potencial” é uma das suas frases. Acho que não há dúvidas quanto a esse aspecto mas já agora dava jeito saber como tencionam explorar esse potencial.
“Queremos chegar aos 1500 sócios”. Por enquanto são apenas 400. 1500 não é um número inatingível mas... como vão fazer para chegarem a esse número?
Idalino de Almeida será o seu treinador. Fui crítico do trabalho do técnico academista, no início, mas faço mea culpa, Idalino de Almeida merece continuar apesar de dizer que não recebia dinheiro do clube e de alguém o ter desmentido.
Hoje entre as 20H00 e as 22H00 realizar-se-ão as eleições. O silêncio tem sido ensurdecedor. Os sócios vão votar tendo por base o quê?
Ler Texto Completo

Dizem que é uma espécie de Sporting B!

Esta época foi Beto na próxima será Carlos Martins e Silvestre Varela. Se o Bourdeaux estiver pelos ajustes, Beto poderá continuar. O Recreativo de Huelva torna-se assim numa espécie de Sporting B o que fará com que muitos de nós, sportinguistas, olhem com atenção para esta equipa que acaba de alcançar um excelente 8º lugar no campeonato espanhol.
As exibições de Beto durante a época foram elogiadas a ponto de os adeptos sonharem com a continuidade do ex capitão leonino e Paulo Barbosa diz que Beto em Espanha só joga no Recreativo
Carlos Martins chega agora e forma com Beto o “clube dos proscritos” de Paulo Bento. As expectativas são imensas a ponto de o jornal Marca comparar Martins a ... Deco!
Silvestre Varela (ele sai e Derlei chega? À primeira vista não dá para perceber!) é apresentado como uma das grandes esperanças do futebol português.
As expectativas dos espanhóis em relação a estes “nossos” leões são grandes por mim fica a “promessa” de seguir atentamente o que fará este Recreativo de Huelva na época 2007/2008. A seguir ao Atlético de Madrid este será o meu clube em Espanha.

Nome Completo: Real Club Recreativo de Huelva, SAD
Presidente: Francisco Mendonza
Nome do Estádio: Nuevo Colombino
Ano de fundação: 1889

Links:
Site do Clube
ForoRecre


Ler Texto Completo

Derlei... Sim, Não, Bom ou Mau ?

O Jornal ABola, faz hoje manchete com uma imagem de Derlei, e dá como quase certa a sua mudança para Alvalade.
Esta hipótese já aconteceu em Dezembro, mas o avançado brasileiro, acabou por assinar pelo Benfica.
Nessa altura achei um mau negócio para o Benfica. E porquê?
Porque Derlei é um jogador extremamente caro para o futebol português, e porque veio em má forma fisica e mental, e completamente desmotivado.
Será Derlei uma boa contratação para o Sporting?
Só o tempo o dirá. Segundo o que tem sido dito pela imprensa, o Sporting só estará interessado, caso o jogador, se consiga desvincular do actual clube, o Dinamo de Moscovo. Caso a rescisão com o Dinamo aconteça, Derlei tem todo o interesse em voltar a Portugal, e de preferência a um clube "grande", e com ambições ao titulo. Mas o jogador também sabe que vai ter de baixar bastante o seu salário mensal, porque só assim terá alguém interessado nos seus serviços.

Entendo que um jogador não deixa de ser bom de um momento para o outro, e neste momento persiste a duvida se Derlei ainda consegue ser o jogador que alinhou pelo Porto, ou se é o jogador que nunca se impôs no Benfica, e em 12 jogos apenas marcou 1 golo. Fica o beneficio da duvida...
Derlei abdicou da carreira, em troca pela estabilidade financeira. Agora que as saudades apertam, quer acima de tudo relançar a carreira, que se encontra na fase final.
A ver vamos...
Ler Texto Completo

Marat Izmailov


Será Izmailov um bom reforço Sporting? Tomando por referência o que diz Luís Freitas Lobo (LFL), no Planeta do Futebol, é.Desde 2001 que LFL segue Marat Izmailov. O russo, segundo LFL, joga do meio campo para a frente, pode jogar como ala ou segundo avançado, desempenhou o papel de vagabundo no Lokomotiv campeão russo em 2004 e move-se bem nas costas dos avançados. LFL não lhe regateia elogios, inteligência com a bola nos pés e sempre em movimento, virtuoso, imaginação, técnica refinada, características que fizeram com LFL o considerasse em Dezembro de 2004 como um dos jogadores de que se falariam nos próximos dez anos. Mas também há senões, necessita de consistência física, competitiva e nas compensações defesa ataque.Se o Sporting garantir este reforço parece-me uma boa solução. O russo quererá por certo mostrar de uma vez por todas que não é uma esperança adiada do futebol russo e europeu – o Lokomotiv em tempos rejeitou uma oferta de 10 milhões € proveniente do Liverpool – mas aqui salta à vista as parecenças com a promessa adiada... Carlos Martins! Curioso o facto de Izmailov utilizar como número fetiche, o 7, que tem sido proscrito em Alvalade pela razões que todos conhecemos. Izmailov tem sido perseguido por algumas lesões, quererá o 7?!
Ler Texto Completo

Recados

Chegou à nossa caixa do correio e aqui está para os interessados o programa do II Encontro de Veteranos de Viseu, uma organização da Secção de Veteranos do Académico de Viseu Futebol Clube, que vai decorrer no próximo dia 30 de Junho de 2007. É uma excelente oportunidade de revermos as “velhas” glórias do saudoso CAF. Clique na imagem para aumentar o tamanho.

A Casa do Benfica de Castro Daire também fez chegar á nossa caixa do correio uma indicação a informar que estão abertas as inscrições para o II Torneio 24 horas de Futsal a realizar no próximo dia 7 e 8 de Julho de 2007. E para provar que nada nos move contra o clube que equipa de vermelho aí está o panfleto. Clique na imagem para a aumentar.
Ler Texto Completo

Chegou o zagueiro!


Nome: Gladstone Pereira Della Valentina
Data de nascimento: 29 de Janeiro de 1985
Posição: defesa central
Percurso: Cruzeiro, Juventus, Verona e Cruzeiro

Há muito anunciado mas apenas
agora confirmado, chega a Alvalade Gladstone. É mais um que chega por empréstimo mas com uma opção de compra exorbitante que será por certo inatingível para os depauperados – apesar do encaixe com Nani – cofres leoninos. A sua passagem pela “Vechia Signora” confere-lhe um estatuto de jogador interessante apesar de não ter actuado com a camisola da Juventus. Com a ajuda deste blogue dedicado ao Cruzeiro ficamos a saber que há quem o considere dispensável outros há – a maioria -, que o consideram um jogador com enorme brio, que deixa tudo em campo em suma um lutador. Pelo que dá a entender Gladstone não estava em grande no Cruzeiro porque “a cabeça” pedia uma nova aventura. Essa aventura chegou e é meu desejo que faça do Sporting um clube ainda melhor. Bem-vindo zagueiro!
Ler Texto Completo

O capitão dos juniores em entrevista



NOME: Tiago Jorge Laires Fraga Morais de Pina
DATA DE NASCIMENTO: 22 de Junho de 1988
LOCAL NASCIMENTO: Viseu
MORADA: Mangualde
POSIÇÃO: Médio centro
UM CLUBE SEM SER O ACADÉMICO: Sport Lisboa e Benfica
CLUBE ESTRANGEIRO DE SONHO: não tenho

Há quanto tempo estás no Académico?
Completei este ano a 5ª época de Académico.

Conta-nos como tem sido a tua carreira até aqui:
Comecei a jogar no Grupo Desportivo de Mangualde quando tinha 9 anos de idade. Joguei neste clube durante 5 anos. Na passagem do 1º para o 2º ano de iniciados vim para o Académico pela mão do Mister Vasco. Fiz no Académico os restantes escalões de formação. De referir também o regresso ao Grupo Desportivo de Mangualde por empréstimo, que se concretizou devido à situação que o clube viveu há cerca de um ano e meio.

Qual o melhor momento da tua carreira até agora? E o Pior?
O pior penso que é previsível. A situação que vivemos há ano e meio foi má demais. Por tudo, mas essencialmente no que me tocou a mim, pelo grande grupo de bons amigos que tínhamos e que foi “obrigado” a desmembrar-se e a resignar-se à impossibilidade de lutar pelo objectivo que tínhamos em comum.
Como melhor momento, entre as duas épocas que mais me marcaram no Académico, que foram a primeira (2º ano de iniciados) e a última, elejo a última. A primeira foi uma época em que chegámos à 2ª fase do campeonato nacional de iniciados, apurando-nos em primeiro na nossa série que contava com equipas como a Académica de Coimbra, a União de Coimbra ou o Feirense e jogando na 2ª fase com o FC Porto, o Vitória de Guimarães e o Leixões. Marcou-me pela grandeza das equipas contra quem joguei, mas principalmente pela grande equipa que tínhamos onde jogavam jogadores que ainda agora, tal como eu, estão no clube como o Marcelo Pais, o Zé Luís, o Carlos Marques ou “Carlitos”, o Rafael, o Micael, o Joel ou o João Aguiar, e outros que já não estão no clube como o Fábio Santos ou o Alexandre.
A última foi a época que acabou agora. E são muitas e boas as razões para a considerar marcante. Apesar de não termos jogado com clubes de topo em Portugal, como o já tínhamos feito noutras alturas, considero que o nível de dificuldade associado à nossa missão esta época não fica abaixo, muito pelo contrário, do nível de dificuldade duma época como a minha primeira de Académico. É complicado conseguir reunir as condições necessárias para se poder, nas circunstâncias em que nos encontrámos, realizar uma época como a que realizámos. Não o digo em termos desportivos, porque aí nós conhecíamo-nos e sabíamos que éramos os mais fortes, como ficou mais que comprovado: fomos campeões, sem derrotas, com mais golos marcados e menos golos sofridos que qualquer outra equipa. A dificuldade de que eu falo é a de juntar um grupo com a qualidade do nosso num campeonato distrital, é a de fazê-lo entrar para cada jogo com a motivação de quem joga a final da Liga dos Campeões, é a de jogar contra equipas super-motivadas que faziam dos jogos contra o Académico os jogos das suas vidas (relembro jogos como o de Penalva ou o de Lamego), é a de gerir um grupo que tem elementos a estudar e a viver fora e que não puderam treinar com a equipa durante todo o ano (eu o Marcelo Pais e o Carlos Marques ou “Carlitos”). São dificuldades que não se encontram quando se joga a um nível mais alto e que só com a dedicação e competência do nosso grupo onde englobo jogadores, treinadores, directores e todos aqueles que estiveram por detrás do trabalho destes, a darem todo o apoio necessário, se conseguem ultrapassar. Não falo de ninguém em específico porque não faz sentido, uma vez que o objectivo dessas pessoas não foi o de serem reconhecidas, foi o de ajudarem e elas sabem que ajudaram. Assim evito esquecimentos escusados. Por tudo isto, como já disse, elejo a última época como o meu melhor “momento” de Académico.

Qual o treinador que mais te marcou até agora?
São os treinadores que me treinaram nas duas épocas para mim mais marcantes. Na primeira o mister Vasco, porque foi o treinador que me trouxe para o Académico e porque fiquei admirador da forma de treinar e de liderar. O mister Pipo e a restante equipa técnica, da qual fazem parte o mister Carlos Moreira e o mister Filipe Pipo, porque para além de ter sentido prazer em treinar sob as suas orientações, são técnicos que mantém uma relação fortíssima com o todo o grupo o que permitiu contornar algumas dificuldades que mencionei na resposta anterior.

Como foi viver por dentro o fim do CAF?
Foi mau demais como já disse. Penso que é fácil de perceber a frustração que invade um grupo que de um momento para o outro, por razões completamente alheias porque em nada contribuiu para o que aconteceu, deixa de poder fazer o que mais gosta. O ficarmos privados de defender o nosso grupo e o Académico em campo, o percebermos, mais do que o nosso sofrimento, o sofrimento do que está ao nosso lado, o constatarmos que as pessoas que sentem o Académico acabam da forma como acabaram sem culpa nenhuma, revolta.

CAF e AVFC são para ti a mesma coisa? Porquê?
Absolutamente. Para mim, o que era o Clube Académico de Futebol continua-o a ser o Académico de Viseu Futebol Clube. Pode-se dizer que o CAF morreu em corpo mas não em alma. A alma do CAF continua viva no AVFC. E isso deve-se àqueles que sempre estiveram no Académico de forma desinteressada. Falo de jogadores, treinadores, directores e adeptos que continuaram e fizeram renascer o CAF como AVFC.

Se fosses tu a escolher, optavas pela “fusão” do CAF com o Farminhão ou começavas do zero?
Não me compete a mim julgar esse tipo de decisão. Acredito que quem decidiu fê-lo considerando o melhor para o Académico e por isso fico descansado. No que a mim diz respeito nunca senti “fusão” nenhuma. Fui sempre jogador do Académico.

Na tua opinião que características deve ter um atleta para ser o capitão?
Acima de tudo penso que deve ter uma noção de grupo, de equipa, de colectivo muito e bem definida. Não se espera dum capitão que seja o melhor jogador da equipa, nem que marque mais golos. Espera-se que seja a cara do que o treinador pretende da equipa dentro de campo. Quando se está a jogar, é tão importante sentir a liderança do treinador como a de alguém que se encontra nas mesmas condições de quem está a jogar. Quem joga sente o jogo duma maneira, quem está fora sente doutra completamente diferente. A barreira que se pode estabelecer dentro da cabeça dum jogador entre aquilo que o treinador pretende e o que ele consegue fazer dentro de campo compete ao capitão ajudar a derrubar. Por isso é que digo que este tem de ter a perfeita noção daquilo que são os interesses da equipa, tem de ter a perfeita noção do que é o melhor para a equipa em cada momento e tem de estar preparado para em qualquer momento sacrificar o individual em prole do colectivo, seja esse individual o próprio ou outro elemento da equipa. Ao capitão compete a missão de transportar a racionalidade para cada momento, para cada situação do jogo e transmiti-la à equipa.
Penso ser isto o mais importante num capitão. Depois existem uns capitães mais efusivos do que outros. Não encontro, de forma descontextualizada, qualquer vantagem dum tipo em detrimento do outro. Penso antes que essa efusividade, essa emotividade deve ser definida pelas características dos elementos que compõem o grupo. Por exemplo na nossa equipa penso que o meu papel podia pôr um bocado de parte essa componente, graças ao papel que o Marcel desempenhava no grupo. É claro que em alguns momentos a equipa precisa de ouvir “berros” de vozes que não está costumada a ouvir para perceber que determinado comportamento ou situação é mesmo importante, mas isso são casos mais pontuais. Aí o capitão volta a ser preponderante.

Tens essas características?
Creio que reúno características que me tornam num possível capitão de equipa. Depois a decisão cabe ao treinador e àquilo que ele pretende que seja a equipa.

O capitão é apenas mais um ou deve dar o exemplo?
Não creio que as duas coisas sejam incompatíveis. Aliás, penso mesmo que é fundamental que as duas estejam reunidas no capitão. Se o capitão é a cara do que se quer que a equipa seja, ele tem que dar o exemplo sendo apenas mais um, porque é exactamente isso que se pretende para a equipa.

Como vais ser o teu futuro em termos futebolísticos?
Neste momento sei muito pouco a esse respeito. Terei de falar com as pessoas do Académico para decidir o que fazer. Estando a estudar fora há uma série de condições que se impõem. Essa questão será tratada na altura certa e com as pessoas certas. O que posso dizer é que a minha prioridade neste momento é o curso de Ciências do Desporto que frequento em Lisboa. Como gosto de jogar futebol pretendo conciliar uma coisa com a outra, mas isso, para além de ter que ser bem ponderado, não depende só de mim. Vou decidir o que seja melhor para mim.

Como se sente um jogador das camadas jovens do clube ao ver tantos jogadores nos seniores que passaram pelos escalões mais novos?
Sente-se motivado e encorajado a trabalhar para um dia atingir o que outros já conseguiram. Se a aposta em jogadores jovens no Académico não for apenas uma consequência da situação que se viveu e for para continuar, penso que o Académico está no caminho certo, até porque na minha opinião há gente competente à frente das camadas jovens. Políticas que privilegiam a contratação de jogadores de fora do clube em detrimento do aproveitamento dos recursos humanos que advém das camadas jovens são completamente descabidas, a meu ver. Principalmente quando o motivo mais vezes mencionado é a falta de qualidade. Se não existe qualidade nas camadas jovens de um clube é porque o trabalho a esse nível não está a ser bem feito. E se o trabalho não está a ser bem feito isso é uma falha do clube que tem de ser colmatada, não pela compra de jogadores caríssimos, mas pelo investimento nas camadas jovens, de forma a que o trabalho seja bem feito e dê frutos para que o clube possa ser auto-suficiente. Utopia? Sim, até alguém o conseguir fazer.

Tens algum jogador que possas considerar o teu ídolo?
Não conheço nenhum suficientemente bem para o considerar como ídolo mas creio que se conhecesse o Rui Costa não ficaria desiludido. De resto, como ídolo tenho o meu pai.
Ler Texto Completo

Próximas entrevistas na MAGIA DO FUTEBOL

Depois de acabar a época tínhamos algum receio que o blogue parasse por falta de informação para aqui colocar, no que ao Académico de Viseu diz respeito. No entanto graças a muita boa gente – eles sabem quem são, não é preciso referi-los -, as coisas por aqui não param. Sendo assim podemos anunciar que na próxima segunda-feira teremos aqui a entrevista ao Tiago Pina, capitão da equipa júnior que se sagrou campeã distrital. Garanto-vos que é uma entrevista bem interessante. Mas não vamos ficar por aqui, brevemente teremos também neste espaço uma entrevista ao novo jogador do clube... Lopes!
Lanço aqui o desafio: façam perguntas ao Lopes – deixem-nas nos comentários a esta postagem ou então enviem-nos um mail – e nós faremos chegar essas perguntas ao destinatário.
Ler Texto Completo

As Contratações confirmadas do AVFC.

O Académico já concretizou duas contratações para a próxima época. Tratam-se de Lopes e Vitor "Mégane", dois atletas que curiosamente, alinharam a época passada no Penalva do Castelo, e ambos foram jogadores das camadas jovens do Académico.

Para já não se confirmam as possiveis vindas de Nuno Simões, e de Rodrigo Moura ambos do Sátão, conforme foram noticiadas há uns dias atrás pelo Jornal de Noticias.
Ler Texto Completo

Teimosia ou falta de jeito?


Dizem que Scolari é teimoso mas Couceiro bate-o aos pontos. Em 2004 o seleccionador brasileiro da selecção nacional “necessitou” de perder o primeiro jogo para apostar na espinha dorsal do Campeão Europeu com os resultados que todos sabemos. Em 2007 José Couceiro com um elenco de luxo e com três jogadores como Nani, Miguel Veloso e Moutinho que foram o motor do meio campo do Sporting tão elogiado, até por adversários, resolve começar o Euro de Esperanças com um 4-3-3 absolutamente ridículo e só deu um ar da sua graça quando optou pelo 4-4-2. Quando todos pensávamos que teria aprendido a lição eis que o técnico resolve de novo inventar. Porque não aproveita(ou) Couceiro o trabalho de Paulo Bento no Sporting? Veloso a trinco, Nani na esquerda, Moutinho na direita, depois só lhe faltaria arranjar um dez e aí parece-me que tanto Organista como Paulo Machado são boas opções... que não são aproveitadas. A teimosia – ou quem sabe a falta de jeito – de Couceiro pode já ter deitado tudo a perder e não lhe fica bem se ter atirado ao árbitro – apesar de ter alguma razão – e não ter assumido os seus erros.
Ler Texto Completo

Eleições no AVFC

A Magia do Futebol, informa todos os Academistas que já está oficialmente confirmada a data e local das eleições do Académico de Viseu Futebol Clube.
A informação já está disponivel no site oficial do clube.
Ler Texto Completo

Os testemunhos...

A Magia do Futebol, pediu o testemunho de dois antigos juniores do Académico, que foram treinados pelo Mister Pipo, e que são actualmente atletas dos séniores. São dois bons exemplos do trabalho realizado pelos técnicos, directores e responsáveis pelas camadas jovens do clube. O futuro começa na formação, e o futuro é já amanhã.

"O Mister Pipo é um treinador com grandes qualidades tanto humanas, como técnico-tácticas, é um treinador que consegue sempre formar boas equipas e que tem vindo a realizar um trabalho notável nas camadas jovens do nosso Académico. Se hoje temos 5 jogadores, na equipa sénior, formados recentemente no clube, ele tem a sua quota parte de responsabilidade. È um mister amigo, que sabe gerir um grupo e ter uma relação fantástica com os jogadores. Tive muito prazer em ser treinado por ele, e sei que cresci muito com a sua ajuda. Obrigado Mister, um grande abraço."
Fábio Santiago ( Ex -Junior CAF/AVFC, atleta do AVFC)

"Mister, obrigassímo por tudo... consigo aprendi muito.. aprendi que cada lance é o ultimo das nossas vidas... que em campo são onze contra onze! Consigo passei grandes momentos como, a fase final do Campeonato Nacional de Juniores e um ano e meio na 1ª Divisão de Juniores, em que o "nosso" Académico estava no meio daqueles "tubarões". Para além de um grande treinador é um grande amigalhaço, que me ajuda sempre que necessário. Parabéns pelo campeonato. Abraço enorme."
Calico ( Ex -Junior CAF/AVFC, atleta do AVFC)
Ler Texto Completo

Entrevista a José Pipo ( treinador de Juniores do AVFC )

Quando e como começou o futebol?
Comecei a jogar futebol aos 8 anos, nos Infantis dos Pupilos da Avenida, em torneios que a Câmara Municipal e a A.F.V. organizava. Na altura, fui recrutado pelo agora, meu amigo, Fausto Formoso que na altura era o treinador da equipa. Mais tarde, tornei-me jogador federado e o meu 1º clube foi o Viseu Benfica, em Iniciados.

Qual foi o momento desportivo mais importante da sua carreira futebolística? E o Pior?
O melhor foi, sem dúvida, a minha 1ª convocatória para seniores, na altura ainda na 1ª Divisão Nacional, em que fiz a minha estreia durante alguns minutos num jogo com o Portimonense. Vivi um ambiente fantástico com o estádio do Fontelo cheio. O pior foi, sem dúvida nenhuma, quando vivi a descida de divisão do Lusitano de Vildemoinhos, clube pelo qual joguei e sinto um carinho muito especial.

Fale-nos um pouco da sua carreira de jogador, quais os clubes por onde passou…
A minha carreira começou no distrital como iniciado no Viseu Benfica. Fui para o Repesenses, onde estive 2 anos no Nacional de juvenis e participei numa fase final fazendo parte de uma equipa fantástica com jogadores como Paulo Sousa, Rebelo (estes transferidos para o Benfica), Feijão, guarda-redes que ingressou a equipa do Sporting, o Coelho para a Académica, entre outros com muita qualidade.
Nos juniores, passei para a Académico de Viseu onde estive 6 anos. No meu último ano de júnior já era convocado e jogava com alguma regularidade nos Seniores, contribuindo na altura o CAF a subir à, então criada, Divisão de Honra. No ano seguinte, foi criado o Viseu Futebol Clube (equipa satélite do CAF). Fui Capitão de equipa nos 2 anos que o clube viveu, e nessa fase foi-me proposto um novo contrato que tive de recusar, visto ter que passar a treinar de manhã e de tarde, e isso era incompatível com o meu trabalho. Foi uma fase decisiva da minha vida futebolística, em que recebi inclusivamente várias propostas para sair de Viseu, pela mão do Saudoso Álvaro Carolino. Devo dizer que a minha cabeça falou mais alto do que o meu coração e, sob orientação dos meus pais, fiquei por aqui, optando por jogar no Lusitano de Vildemoinhos, que na altura disputava a 3ª Divisão.
Permaneci neste clube 7 fantásticos, tive o prazer de ser capitão de equipa 6 anos, fiz grandes amigos neste grande clube, com um treinador especial, Mister Joca, que foi a pessoa que me incutiu o gosto pelo treino, bem como a outros que estão a orientar equipas, como por exemplo, Silvério (Lusitano), Paulo Chaves (juniores do Viseu Benfica) Zé Chaves (Viseu Benfica) Santana (Lamelas), entre outros.

Fale-nos um pouco da sua carreira de Treinador, quais os clubes que já treinou?
A minha carreira de treinador começou nas Escolinhas do CAF, onde no 1º ano fomos Campeões Distritais. No 2º ano, acumulei os Juniores do Lusitano de Vildemoinhos com as Escolas do CAF. Foi um ano de loucos: aos sábados tinha jogo de Escolas e aos domingos os Juniores. Foi, no entanto, uma fase da minha vida que me deu muito prazer e proporcionou-me experiências a todos os níveis. No ano seguinte, recebi o convite para treinar os Juniores do CAF, que disputavam o Campeonato Nacional. É como se sabe um campeonato exigente, com um nível e qualidade de jogo fantásticos, mas conseguimos no 1º ano a manutenção a 2 jogos do fim. Depois veio uma época histórica para o clube, em que fomos à Fase Final com equipas como: o F. C. Porto, o Boavista, o S. C. Braga e o Leixões. No campeonato apenas perdemos um jogo e empatámos os dois jogos com o F. C. Porto: um em casa, no campo de Ranhados com o estádio a abarrotar, e o outro no Centro de Estágio de Gaia. Alcançámos 11 vitórias consecutivas e foi nesta fase que tive o prazer de ver convocados dois atletas para a Selecção Nacional, o Tiago Gonçalves e o Luís Costa, onde se tornaram internacionais pela 1ª vez.
No ano seguinte foi criada a 1ª liga de Juniores, onde só figuravam os melhores. Equipas como o F.C. Porto, o Boavista, o V. Guimarães, o SC. Braga, o Rio Ave, o Gil Vicente, o Leixões, a Académica, o Beira-mar, o Penafiel, Leiria entre outras grandes equipas. Nessa época tive o orgulho e a alegria de ver sair da minha equipa para o S. L. Benfica dois jovens jogadores, o Fábio Santos e o Filipe (ainda com idade de juvenis, embora fossem titulares nos juniores).
Na época 2004/2005, uma equipa inexperiente e muitos jogadores novos, começámos mal o campeonato e na penúltima jornada da 1ª volta éramos últimos, com apenas 8 pontos. Tivemos uma recuperação fantástica com 8 vitórias consecutivas, que nos projectou para o 7º lugar, tendo descido de divisão nessa época as equipas da U. Leiria, Penafiel, Beira-mar e Famalicão.
Na época seguinte, 2005/2006, veio a período dramático do clube, que culminou com o fim do CAF. Tínhamos uma boa equipa em construção mas aconteceu o pior…

Como foi viver por dentro o fim do CAF?
Foi o pior momento na minha curta carreira. Foi horrível, foi dramático o dia em que comunicámos aos atletas o fim do Clube. Vivi momentos difíceis, testemunhei a infelicidade e a angústia de mais de 100 crianças e jovens, que nada contribuíram para aquele triste desfecho, mas que se viam repentinamente impossibilitados de fazer aquilo que mais gostavam: jogar futebol e representar o clube do seu coração.
Devo realçar e acima de tudo agradecer a confiança que alguns jogadores manifestaram no novo projecto que é hoje este clube, na firmeza e até atrevimento ao desafiarem o “provável” fim do CAF e acreditarem no novo desafio que já se esboçava, mantendo-se de pedra e cal.
Quero, ainda referir jogadores que foram jogar noutros clubes até acabarem o campeonato e que na época seguinte regressaram ao clube: Marcelo Pais, Tiago Pina, assim como Zé Luís, Carlitos, Mika, Márcio entre outros, que esperaram que começasse o campeonato,

Com o fim do CAF porque é que aceitou abraçar o projecto AVFC?
Aceitei, acima de tudo, porque a estrutura e os jogadores das camadas jovens se mantiveram praticamente todas e assim poderíamos dar continuidade ao nosso trabalho. Embora competindo no Campeonato Distrital, foram-me dadas garantias, por parte da direcção, que a equipa seria preparada com as mesmas condições que tínhamos no Nacional.

Do que é que mais gosta na carreira de treinador? O que é que o motiva?
O que mais me dá prazer é de facto todos os anos construir praticamente uma equipa nova e ver no final a forma como os atletas evoluíram dentro da organização Táctica/Técnica, física e psicológica em equipa.

Treinar uma equipa sénior é um objectivo?
Ainda estamos a festejar o sucesso do nosso clube, para mim, como treinador e na afirmação do que quero ser. Para já, a minha grande opção para os próximos anos passa apenas por uma aposta clara e firme na formação. Quanto ao futuro… esse apenas a Deus pertence.

Como e onde é que descobriu os jogadores brasileiros que reforçaram o plantel júnior, já com a época a decorrer?
Esses dois atletas, depois de tentarem integrar outros planteis, viram as suas aspirações frustradas. Foram-me apresentados por um amigo. Treinaram com a equipa durante duas semanas, vimos o potencial que tinham e integrámo-los no plantel. Revelaram-se ao longo da época determinantes no sucesso da equipa júnior. O Marcel, inclusivamente, tornou-se bicampeão uma vez que também esteve praticamente em todos os jogos dos Seniores, marcando até um importante golo no jogo em Cinfães. São dois jogadores de qualidade, sei que o Professor Idalino gosta destes jovens e penso que estes, assim como outros atletas deste plantel, podem ser úteis num futuro próximo.

Depois de empatar em casa com o Vale de Açores passou-lhe pela cabeça não subir de divisão?
Penso que terá sido esse o jogo-chave para o nosso sucesso. Nesse jogo, os meus atletas perceberam e aprenderam que numa fase final nunca se deve facilitar e não pode haver margem para erro. É obvio que ficámos todos muito tristes e apreensivos, mas tornou-nos mais fortes e determinados, vencendo todos os jogos até ao final do campeonato, tendo alcançado, também, o melhor ataque e a melhor defesa.

Qual o segredo para não sofrer uma única derrota em toda a época?
Foi de facto um campeonato estupendo acabando sem derrotas, para isto não há segredo, é o resultado de muito trabalho desenvolvido por todos: atletas, directores, equipa técnica, massagistas e até pais de alguns jogadores. É óbvio que esse situação não nos estava a passar ao lado e a determinada altura passou a ser um objectivo a alcançar pela a equipa. Quero aqui agradecer ao meu “Adjunto e preparador físico” Prof. Carlos Moreira com o seu profissionalismo, competência, carácter e espírito de sacrifício. De facto, não é fácil morar em Fornos de Algodres, treinar 3 vezes por semana em Viseu, jogar aos Sábados, sem nunca ter faltado. Juntamente com o Filipe formamos uma equipa técnica que encara todos os treinos e jogos com muita seriedade, humildade e respeito pelo adversário.

Olhando para o plantel júnior acha que existem muitos jogadores que podem vingar nos seniores?
Sem qualquer duvida. Há jogadores que podem aparecer já na próxima época e outros que terão que rodar mais um ou dois anos para que possam estar preparados para a equipa sénior. Acredito, e viu-se nesta época, que um dos objectivos da direcção e da equipa técnica dos seniores, passa por apostar em jogadores da formação, que acima de tudo são jogadores que adoram o Clube.
Esperamos que este trabalho conjunto possa ter continuidade e que não se verifiquem erros cometidos no passado em que muitos dos nossos atletas foram dispensados e esquecidos, ficando por outros clubes adversários aqui tão próximos

Como é a sua relação profissional com a equipa técnica sénior?
Sempre foi uma relação normal, falei muitas vezes com o Prof. Idalino sobre os jogadores dos Juniores e sei que esteve atento ao nosso campeonato. O Prof. Idalino o Prof. Raposo assistiram a muitos jogos, o que certamente contribuiu para a convocatória de vários jogadores do plantel Júnior para alguns jogos da equipa sénior. Foram, por exemplo, convocados o Marcel, o Carlitos, o Celso e o Márcio, sendo motivo de grande satisfação e orgulho para todos nós, já que é para isso que trabalhamos todos os dias. Fiquei satisfeito por, no último jogo, o Prof. Raposo ter se dirigido ao balneário e ter dito que a equipa técnica, para a próxima época, contaria com todos os atletas que passariam a seniores, o que os deixou mais tranquilos e confiantes para o futuro.

Sentiu por parte dos dirigentes do Académico, todo o apoio necessário para cumprir os objectivos desportivos?
Nós, treinadores, queremos vitórias e sucesso nos jogos que disputamos, mas sabíamos que este seria um ano difícil, o chamado “ano zero” na formação. Tivemos diariamente o apoio do Sr. Nelson e do Sr. Neves que foram pessoas extraordinárias e, desde já, deixo aqui uma palavra de agradecimento aos dois.

Que podemos esperar da próxima época dos juniores?
Como é de conhecimento público, vão realizar-se eleições no Clube. Depois veremos o que a nova direcção quererá para o futuro. A equipa terá que ser composta com alguns jogadores recrutados a outros clubes para que possa ter um plantel mais equilibrado e possa fazer um campeonato Nacional tranquilo.

Como se sente ao ver jogadores que passaram pela formação serem tão importantes na subida do clube à III Divisão Nacional?
É de facto uma alegria, um orgulho e uma sensação de missão cumprida apercebermo-nos que o nosso trabalho deu frutos. Foi evidente o empenho e o interesse desta Direcção do clube e da equipa técnica dos Seniores na aposta nestes atletas, sabendo à partida que era um ano importante para o clube e que o objectivo a alcançar era a subida de divisão. Não cometeram os erros do passado, apostando em contratações de jogadores caros, mas com qualidade duvidosa, e esquecendo-se destes nossos jovens atletas que têm este Clube no coração e que são 100% profissionais. Foram sem dúvida importantes na subida e nos próximos anos poderão ser símbolos da equipa Sénior. Desde já, um grande e especial abraço ao Álvaro, ao Simões, ao Santiago, ao André e ao Calico.

Vamos lançar-lhe um desafio: elabore um onze de jogadores que “passaram pelas suas mãos”, e pelo CAF, e que agora são seniores.
Esta é sem duvida a pergunta mais difícil e acredito que possa ser injusto com alguns Atletas, em vez de um onze, vou elaborar um plantel:

Guarda Redes. - Batista e André
Defesas Direitos - Fabiano e Zé luís
Defesas Esquerdos - Bruno Gouveia e Fábio Santos
Defesas Centrais - Tiago Gonç. Simões, Santiago e Marcelo
Medios Defensivos - André Baixote, Calico e Miguel Ângelo
Médios - L. Costa, Bruno Madeira, Álvaro, Tiago Pina
Alas Direito - Ito, Márcio e Titá
Alas Esquerdo – Lopes, Carlitos
Pontas de Lança – Jardel (Parma), Caudio, Filipe, Marcel e Celso

Este seria um plantel de sonho e teria, com certeza, grandes dores de cabeça para fazer a equipa!!!

Qual é a sensação de ver os seus filhos entrar em campo com a camisola do Académico vestida?
A sensação é fantástica, o Gonçalo disputa o campeonato de Infantis e o João irá pela 1ª vez, na próxima época, disputar o campeonato de Escolas. São muito diferentes um do outro, futebolisticamente falando: o Gonçalo, no campo, é um jogador mais preocupado em fazer jogar a equipa, mais tecnicista e o João é um jogador mais agressivo e rápido. No entanto, neste momento da vida deles, a minha principal preocupação é fazer todos os possíveis para que eles se sintam bem no futebol, que pratiquem desporto e que se desenvolvam como atletas, independentemente do jeito que tenham ou não. O envolvimento dos meus filhos ajudou-me também a perceber melhor as reacções dos pais dos meus atletas, quando não concordam com as minhas opções.

Sabemos que é um leitor assíduo dos blogs que falam do futebol em Viseu, acha que estes são úteis no desenvolvimento do desporto do distrito?
É um meio de informação desportiva para todos, onde diariamente nos actualizamos e podemos dar a nossa opinião acerca de todas as informações que vocês nos proporcionam sobre o futebol nacional e distrital. Como todos nos sabemos, no nosso distrito, a informação desportiva não é muita, principalmente a escrita, assim, os blogs vieram colmatar essa falha.

Que acha do Blog A Magia do Futebol?
Sou um leitor assíduo da Magia, é um blog que acompanha os acontecimentos futebolísticos mais relevantes e dá preferência ao futebol do Académico de Viseu e do Sporting. Quero aqui dar-vos os parabéns pela qualidade do blog. Em relação ao Académico de Viseu têm tido um acompanhamento estupendo, quanto ao “outro Clube”, meus amigos, na vida nem tudo é perfeito!!! PARABÉNS e um Grande Abraço.
Ler Texto Completo

A Magia do Futebol, na Revista J do Jornal OJogo.

Clicar na imagem para ampliar

Foi com grande satisfação, que os autores deste blog, viram o seu trabalho reconhecido, pela Revista J de 10 de junho de 2007. Esta revista é parte integrante do Jornal OJogo, um dos três maiores diários desportivos do nosso País.

A Magia do Futebol, recebe mais um prémio, no espaço de duas semanas, uma vez que a semana passada, conseguimos chegar ás 20.000 visitas no prazo de um ano de vida, este domingo fomos considerados O Blog Da Semana, para esta revista.
Ler Texto Completo

SPORTING 2 Boavista 1 (Juniores)




Rui Patrício, João Gonçalves, Tiago Pinto, Marco Lança e Daniel Carriço, João Martins (André Pires 45), Marco Matias (Sebastião Nogueira 55), Yannick Pupo (Vivaldo 60), Ricardo Nogueira, Adrien Silva e Alison Almeida.


Trigueira; Ivan Dávila, Victor Brun, Rui Raínho, Diogo Oliveira, Carneiro (Alex Cruz 77), Jaime Machado, Moreira, Julien (Hugo Silva 69), Ivan Santos, (Nóbrega 80) e Magalhães.
Golos: Victor Brun 40 g.p. (0-1), André Pires 66 (1-1), Daniel Carriço 90+4 (2-1)

Vitória “insuficiente” do Sporting uma vez que o FC Porto venceu por 1-0 e sagrou-se campeão nacional. Na última jornada o Sporting recebe o líder campeão. Parabéns ao FC Porto.
Ler Texto Completo

Benfica 1 SPORTING 1 (Juvenis)

Hugo Figueiredo, Pedro Eugénio, Abel Pereira, João Pereira, Ricardo Caetano, Leandro Pimenta, Vitor Pacheco, Toumany (R. Ferreira 61), Lassana Camará, David Simão (Nelson Oliveira 68), André Soares (Valdo 79)



Pedro Miranda, Filipe Paiva (A Sousa 74), Pedro Mendes, Nuno Reis (André Gonçalo 53), Bruno Simões, Diogo Amado, Diogo Viana, André Martins, Cedric Soares, Wilson Eduardo (L. Andrade 64) e Diogo Amado.


Golos: David Simão 15 (1-0), Pedro Mendes 80+3 (1-1)

Com este empate Sporting e Benfica comandam com 8 pontos com vantagem para os vermelhos no goal-avarage. Em 3ª lugar está o Guimarães com 6 pontos que bateu o Boavista por 1-3. A dois jogos do fim do campeonato os axadrezados ainda não pontuaram.
Ler Texto Completo

Boavista 1 SPORTING 1 (Iniciados)




Cavadas, João Viana (Roberto 61), Bruno Valente, João Paulo e Alexandre (Daniel 44), Miguel, Eduardo, Rafael, Ruben, Kaby e Bruno Cunha


João Santos, Flaviano (Albano 70), Miguel Serôdio, André Oliveira, Rui Coentrão, Daniel Pereira, Altair Júnior, Diogo Freitas (Diogo Serrano 54), Luís Carlos (Peter Caraballo 36), Mauro Antunes e Tiago Cerdeira (Ricardo Esgaio 36).
Golos: Kaby 49 (1-0), Miguel Serôdio 70+2 (1-1)

O FC Porto goleou o Benfica por 6-0 e afstou os vermelhos do título. O Porto é líder com 10 pontos o Sporting atrasou-se tem 8 pontos. Se vencer na última jornada o líder sagra-se campeão
Ler Texto Completo

Lopes no Académico de Viseu?

O jornal O Jogo na sua edição de ontem informa, numa coluna assinada por SCC, que Lopes do Penalva do Castelo deverá sair para o Académico de Viseu. A acontecer será o regresso de um jogador que passou pelas camadas jovens do CAF. No Record, também na sua edição de ontem, numa notícia assinada por JLA – presumo que seja José Luís Araújo – refere-se também ao Penalva do Castelo mas nada diz de uma hipotética transferência de Lopes para o Académico. Sabem mais sobre isto? Contem-nos...
Ler Texto Completo

As entrevistas de Paulo Bento e Abel

Ontem Paulo Bento (A Bola) e Abel (Record) concederam entrevistas. Vamos analisar o que disseram começando por Paulo Bento:
  • O técnico leonino começou por abordar a arbitragem. Não sendo hipócrita, como muitos treinadores o são, Paulo Bento acha-se no direito, e bem, de "atacar" quem quer que seja para defender o interesses do Sporting. Nem quando o jornalista José Manuel Freitas o "picou", falando de erros que favoreceram o Sporting, o treinador leonino perdeu a compostura mostrando que não se esconde.
  • O tema Nani fez parte da entrevista. Paulo Bento diz que sentiu que o jovem talento não esteve de corpo inteiro no Sporting pois havia muita coisa que era soprada aos ouvidos do ex nº18. Tal facto só vem provar uma coisa: os sportinguistas não são estúpidos, também eles perceberam isso - e ao contrário de Paulo Bento não conviviam com o jogador - e por isso o assobiaram algumas vezes.
  • Miguel Veloso: esta é uma opinião muito pessoal, o Sporting não fez uma época melhor porque Veloso não jogou toda a época na posição de trinco. Paulo Bento acaba por me dar razão ao afirmar que Miguel Veloso entrou no plantel para suprir a vaga de central. O treinador leonino não percebeu, após o jogo com o Nacional, que era na posição de trinco que o miúdo devia continuar e quando percebeu- depois das opções falhadas com Custódio e Paredes -, já era tarde. Este foi no meu entender o grande erro de Paulo Bento em 2006/2207.
  • Custódio: terá sido boa opção a de o escolher para capitão? O que se passou dentro do balneário ninguém saberá, mas uma coisa é certa o capitão não é um jogador querido em Alvalade - o seu jogo para trás e para o lado não é digno de um clube como é o Sporting - e Paulo Bento deixa transparecer que só percebeu isso quando ouviu os assobios mal o médio tocava na bola. Informaram mal o técnico!
  • Toranzo: Paulo Bento confirma que já o viu actuar portanto parece-me que vamos ter que nos habituar a este nome. Vejo muito histerismo por este jogador actuar na II Divisão da Argentina. Vivemos num país que raramente olha para os jogadores das divisões inferiores e parte-se do princípio - mau na minha opinião -, que não há qualidade nas divisões inferiores. Aguardemos...
  • Numa extensa entrevista muita coisa foi repetida pois Paulo Bento já havia dado uma entrevista ao Trio de Ataque. E lá voltou à baila o jogo da Luz. Os "fazedores de opinião" no dia seguinte a esse jogo disseram que o Sporting estava contente com o empate e por isso retirou um dez (Romagnoli) e colocou um defesa (Tonel). Paulo Bento explicou pela enésima vez que o modelo de jogo não alterou com a substituição. Perceberam agora? E tal como Paulo Bento disse o Sporting não era o único clube com responsabilidades, do outro lado estava uma equipa (e as palavras agora são minhas) que tinha mais a perder com o empate.


A entrevista de Abel foi muito menos interessante:
  • À primeira vista Abel não tem visto as entrevistas do seu treinador. Paulo Bento diz que não perdeu o campeonato na luz Abel diz que sim para gáudio de alguns. Tem razão Abel em dizer que o Sporting perdeu o campeonato na Luz? O Sporting não ganhou o campeonato porque lhe faltou um ponto por isso é correcto dizer que o Sporting perdeu o campeonato na Luz. Assim como seria correcto dizer que o Sporting perdeu o campeonato em qualquer dos jogos que não ganhou.
  • "Só um milagre daria o título ao Sporting na última jornada" foram palavras de Abel. Pelos vistos Miguel Veloso e João Moutinho acreditavam nesse milagre e é por isso que eles são amados pelos adeptos. Percebeste Abel?
Ler Texto Completo

O Académico e a cidade de Viseu

De tempos em tempos ouvimos dirigentes do Académico queixarem-se que a cidade de Viseu não apoia o seu clube mais representativo. E têm razão. Mas, por vezes, eu pergunto-me: e que faz o clube para se aproximar da cidade? Instala-se quase sempre um clima de silêncio que ninguém, ou quase ninguém, percebe. As eleições estão aí e a única coisa que sabemos é que temos um candidato assumido mas projectos... o nosso leitor Lumago deixou-nos um comentário e aqui fica para reflexão e para quem de direito tomar conhecimento.

“Francamente, não vejo nenhum projecto, mas apenas intenções. Querer que o Académico chegue à divisão seguinte, que gaste o que ganhe, que faça mais sócios.Agora, em termos de projecto, o que é que é proposto? Como vai ser gerido? Quem comandará o futebol? Quem será o treinador? Qual a política em relação ao plantel? Quem fica? Quem parte? Quem vem? Em termos de angariação de sócios, como é que se vai fazer? Vai-se apostar decididamente nos sócios-empresas, tentando assegurar a receita em troca de cedência de camarotes, vai-se apostar no sócio-família que dará acesso a 4 pessoas (os dois pais e dois filhos), vai-se adoptar o passe anual para sócios e para famílias, etc.,. E qual vai ser a política para os jovens, para a miudagem? Entrada com um bilhete simbólico de 1 €, para cativar presenças? E porque não um sorteio entre os bilhetes da miudagem que levasse a que dois dos miúdos ganhassem uma semana acompanhando a equipa no treino do Académico (se pudessem), incluindo a presença nos balneários no dia do jogo seguinte?E porque não a oferta de convites em colaboração activa com o comércio, com o Continente, com o Feira Nova, com o Dia, com o Lidl, sei lá, com os Centros Comerciais? Isso seria quase "obrigar" as pessoas a ouvir falar do Académico e ir ver os jogos.E as escolas? Levar os jogadores às escolas, dar uns toques, distribuir uns convites a convidar os pais dos putos a ir à bola por um preço simbólico.Em resumo, criar hábitos! Regressar aos "velhos tempos" em que a cidade de Viseu se deslocava para o Fontelo aos domingos à tarde.”
Ler Texto Completo

Benfica 1 SPORTING 1 (Juniores)


Daniel Casaleiro, André Magalhães, Nuno Ferreira, Miguel Vítor, Rúben Lima, Romeu Tibiro, João Ferreira (Kaz Patafta 56), Miguel Rosa (Carlos Correia 75), André Carvalhas, Sami (João Alberto 90+2), Yu Dabao.



Rui Patrício; João Gonçalves (Tiago Pedrosa 87), Tiago Pinto, Daniel Carriço, Marco Lança, João Martins (Yannick Pupo 87), Adrien Silva, André Pires, Marco Matias, Ricardo Nogueira e Alinson Almeida (Vivaldo Arrais 72)
Golos: Nuno Ferreira 42 p.b. (0-1), Sami 90+1 (1-1)

Com este empate o Sporting fica a distantes quatro pontos do líder FC Porto – que venceu o Boavista fora de portas por 0-1 -, agora que faltam apenas duas jornadas para o fim do campeonato. O Sporting é terceiro.
Ler Texto Completo

SPORTING 4 Guimarães 2 (Juvenis)




Pedro Miranda, Cedric Soares, Pedro Mendes, Diogo Amado, Bruno Simões, André Sousa (Filipe Paiva 58), André Martins, André Gonçalo (Joshua 74), Diogo Rosado, Diogo Viana, Wilson Eduardo (Vasco Oliveira 70)

Pizarro, Ricardo, Hugo, Carlos, Gonçalo, Henrique Dinis, Hélio (D. Lamelas 27), Cristiano, Nuno Dias (J. Gaspar 66), Lucas, Fausto (Rafael 71)
Golos: Wilson Eduardo 20 (1-0), Fausto 34 (1-1), Wilson Eduardo 60 (2-1), Diogo Viana 69 (3-1), Vasco Oliveira 74 (4-1), Lucas (80+4)

À passagem da 4ª jornada o Sporting lidera com os mesmos pontos que o Benfica (7) que goleou o Boavista por 7-0.
Ler Texto Completo