Jogador do mês: Alex Porto

NOME COMPLETO
Alexandre Pinheiro Porto Aquino
NOME
Alex Porto
DATA DE NASCIMENTO
21/05/1986
NATURALIDADE
Brasil
POSIÇÃO
Médio
ESTREIA
Ac. Viseu 4-1 Portimonense (27/07/2014)
JOGOS
12
ÉPOCAS
14/15

Foto de Vitor Parente retirada do site zerozero.pt

Depois de Luisinho ter vencido as eleições para jogador do mês em julho e agosto, é vez de Alex Porto. O médio brasileiro – uma das boas contratações efetuadas pelo Académico – alcançou, no mês que agora termina, 19.5 pontos. Na segunda posição ficou Tomé com 18,5 pontos, ficando na terceira posição Dalbert com 17,5 pontos.
Os seus pontos foram assim alcançados: com o Trofense nota 4; com o Atlético nota 3; com o Braga B nota 3; com a Oliveirense nota 3; com o Belenenses nota 3,5 e finalmente com o Famalicão nota 3 e a eleição como melhor academista em campo.

Alex Porto jogador do mês – setembro de 2014!
Ler Texto Completo

Análise Individual: Alex Porto28 o escolhido!

Alex Porto – 3 – O melhor academista. Dos poucos que encarou o jogo com seriedade e a garra que nos habituou. Não fez um desafio de encher o olho, mas foi superior em comparação aos colegas de equipa.
(Foto retirado do site oficial do Académico de Viseu)

Ricardo Ribeiro – 2.5 – Aparentemente, sem culpas nos dois golos sofridos.

Tomé – 2 – O capitão academista no desafio de ontem teve uns furos abaixo do que nos tem habituado.

Eridson – 2 – O 1º golo sofrido é obtido pelo jogador que Eridson estava a fazer cobertura.

Vinícius – 2 – Difícil missão de marcar o veterano João Paulo. Apesar de ter vencido alguns duelos aéreos, não teve um jogo feliz.

Dalbert – 2.5 – O melhor da defesa academista no jogo de ontem. O Académico quase marcou com uma das suas arrancadas pelo flanco esquerdo.

Renan – 2 – Estreia apagada de Renan. Lento de processos, talvez por falta de ritmo(?).

Ricardo Ferreira – 1 – Jogo negativo. Bastante lento nas abordagens aos lances, não se percebeu bem a sua função em campo.

Tiago Almeida – 2.5 – Tentou ser o municiador do ataque nas ausências das estrelas da companhia, e foi o principal desequilibrador.

Paulo Roberto – 2 – Fez uma boa assistência para o golo do companheiro de ataque. Contudo teve uma perdida clamorosa que não se pode falhar a este nível. Por vezes, e apesar de lutador, parece inconsequente na abordagem aos lances.

Sandro Lima – 2 – Fez o golo da equipa academista e pouco mais.

João Coimbra – 2 – No pouco tempo em campo ainda tentou levar a equipa para a frente, mas sem o sucesso desejado.

Luisinho – 2 – Foi dos seus pés que ainda se viu alguma alegria no ataque academista, mas chegou tarde.

Tiago Borges – 1 – Entrou com o Académico a perder, e já não foi possível ajudar.
Ler Texto Completo

Ac. Viseu FC 1-2 FC Famalicão

Estádio do Fontelo, 28 de setembro de 2014
2ª Eliminatória da Taça de Portugal
Árbitro: Manuel Oliveira (Porto)

Ac. Viseu: Ricardo Ribeiro; Tomé (c), Eridson, Vinícius e Dalbert; Renan, Alex Porto, Ricardo Ferreira (João Coimbra, 56) e Tiago Almeida (Tiago Borges, 75); Paulo Roberto e Sandro Lima (Luisinho, 56). Treinador: Alex Costa.

Famalicão: Murta; Joel Monteiro, Luiz Alberto, Vilaça e João Pedro; Ibraima (Éder Diego, 87), Vítor Lima e Mércio; Feliz, Diogo Torres (Diogo Medeiros, 68) e João Paulo (Correia, 75). Treinador: Daniel Ramos


Golos: Sandro Lima 17 (1-0), Mércio 55 (1-1), Diogo Medeiros 72 (1-2)
Foto: academicodeviseu.pt

O Académico tinha hoje uma excelente oportunidade, de passar á próxima eliminatória, da prova rainha, do futebol português, a Taça de Portugal, que dá prestigio, e pode ser benéfica em termos financeiros.

Uma duvida que fica, ainda antes do inicio do jogo, olhando para o onze academista: o treinador Academista queria passar esta eliminatória?


Pareceu-nos que não, desprezou os adeptos, e arriscou demais, quando deixou, Luisinho, Tiago Borges, Coimbra e Alphonse no banco.


Não teve, ao não quis ter a noção, que seria demais deixar 4 titulares de fora, quando tem ao seu dispor, apenas 3 substituições.


Quanto ao jogo, muito pouco a dizer, mal disputado, desgarrado, onde apenas e só a equipa de branco, a de Famalicão, demonstrou que queria ganhar o jogo .


O Académico até chegou ao intervalo a ganhar, quando num cruzamento para a área, Paulo Roberto amortece de peito para Sandro Lima, que remata á saida do guarda redes e faz o primeiro golo da partida. 


Minutos depois é Paulo Roberto, que isolado na área, não teve arte nem engenho para desfeitear Murta, que fez uma grande defesa. Podia ter sido o lance capital do jogo, mas quem não marca acaba por sofrer.


No inicio da 2ª parte só deu Famalicão, o meio campo academista, não existia, e permitia que os jogadores chegassem á área adversária com bastante facilidade.


O treinador academista demorou 10m a perceber, aquilo que todos no Fontelo, já tinham adivinhado, o golo famalicense.


Nesta altura em desespero lança Luisinho e Coimbra, para os lugares de Ricardo Ferreira, e Sandro Lima, mas já era tarde, muito tarde, no futebol é raro acontecerem milagres!


Com o segundo golo famalicense, o descrédito caiu sobre os jogadores academistas, Luisinho e João Coimbra, não surtiram os efeitos pretendidos, porque a pressão era muita, e nada saia bem.


O meio campo academista continuava miserável, com Renan, a ter uma estreia muito aquém do esperado, uma vez que vem de uma longa paragem e ainda sem ritmo para jogos desta natureza.


Houve taça, vitória justa do Famalicão, que deu uma verdadeira lição de entreajuda aos profissionais academistas.


Esta derrota, só teve um responsável, aquele que não estudou bem a lição, e menosprezou, a ambição dos adeptos do seu clube.


Não é demais pedir aos profissionais do nosso clube, que na próxima oportunidade, honrem o "manto sagrado" que hoje, envergonharam. 


João Nunes, sócio nº 100 
Ler Texto Completo

Apresentação do adversário: FC Famalicão

Nome: Futebol Clube Famalicão
Ano de fundação: 1931
Associação: Braga
Estádio: Municipal 22 de Junho
Equipamento: Camisola branca, calções azuis, meias brancas


48/49 – Encontraram-se pela primeira vez na Segunda Divisão (2ª fase). No Campo do Freião, em Famalicão, o nosso clube foi goleado por esclarecedores 7-1. Pelo nosso clube marcou Zeca. Ramiro e Sampaio, com dois golos cada, destacaram-se nos famalicenses. Apesar da pesada derrota o jornal A Bola dizia que “o Académico de Viseu agradou plenamente”.
Na segunda volta, a 30 de Janeiro de 1949, foi a vez do Académico despachar o Famalicão por 5-2 com golos de Moita, Zeca (2) e Pipa. Sampaio voltou a marcar pelo Famalicão. O jornal A Bola destacava a boa exibição academista na segunda parte.

53/54 – Novo encontro, outra vez na segunda divisão. A 1 de novembro de 1953 o Académico venceu no Fontelo, por 5-1, com dois golos de Pipa, e um de Pino, Raul Silva e Póvoas. Pelo Famalicão marcou Diamantino. “O Académico foi a melhor turma no terreno” dizia A Bola.
Na segunda volta, em Famalicão a 28 de janeiro de 1954, as duas equipas empataram. Para o Académico marcou Ângelo, mas Aníbal acabaria por empatar para o Famalicão.

66/67 – Passaram 12 anos, 7 meses e 27 dias até haver novo encontro entre os dois clubes e de novo na Segunda Divisão. Na 2ª jornada, no Fontelo, Octávio adiantou os famalicenses mas Óscar, de penalty, e João Pereira viraram o jogo para o CAF.
Na segunda volta o Famalicão retribuiu o resultado vencendo também por 2-1 Osvaldo e Octávio marcaram para os azuis e Óscar apenas reduziu já no minuto 88, através de uma grande penalidade que rezam as crónicas não foi bem assinalada.

67/68 – Outra vez na segunda divisão. Na primeira volta, no Fontelo, vitória academista pela margem mínima com o golo apontado por… novamente Óscar. Foi na 11ª jornada – “vitória má, mas triunfo justo” adiantava o Record.
Na 24ª jornada, na segunda volta, em Famalicão – no Estádio dos Bargos – empate a um. Marcou primeiro o nosso clube por Rodrigo, mas Fita empataria o jogo para a equipa da casa. “O empate foi o resultado mais certo” (Record).

68/69 (II) – Nova época, outra vez na II Divisão. Na 5ª jornada o melhor clube do mundo bateu no Fontelo o seu adversário por 2-0 com golos de Basto e Osvaldo Silva (treinador/jogador). “Bom vencedor e óptima réplica do vencido” dizia o Desportivo das Beiras – a foto em baixo é desse jogo.

Na segunda volta o Famalicão venceu por 3-1. Miranda ao minuto 4 adiantou os da casa mas Rodrigo empataria ainda na primeira parte. Na última meia hora Leonardo bisou e os famalicenses venceram. “Escassa vantagem para tanto domínio” (A Bola).
Pelo meio houve jogo da Taça em que o Académico foi eliminado pelo Famalicão como mostramos aqui.
69/70 – Outra vez na Segunda Divisão. Na primeira volta empate em Famalicão, a dois golos, Quim e Luís Pereira chegaram ao 2-0 mas Morais Alves, e Basto, empataram a partida. “Os locais tiveram o jogo na mão” (Record).
Novo empate, agora no Fontelo, na segunda volta. Nery fez o golo academista mas ao minuto 88 Miranda empatou, ficando o Académico a lamentar a grande penalidade entretanto falhada.

78/79 – Nesta época encontraram-se na I Divisão. Ao 14º jogo o Académico ficou pela primeira vez em branco com os famalicenses. Na 10ª jornada, no Fontelo, o Famalicão venceu com um golo solitário de Rufino.
Na segunda volta os famalicenses golearam por 3-0, com dois golos de Lula e outro de Jacques. Segundo o Record o resultado era “escasso” e adiantavam ainda uma evidência – “Famalicenses sem culpa dos problemas alheios".

83/84 – Novo encontro no sítio do costume, a II Divisão. Na primeira volta, em Famalicão, as equipas empataram a um golo, Ladeira adiantou a equipa da casa mas Henrique empatou. “Visitantes mais expeditos” (Bola).
Na segunda volta a equipa nortenha veio vencer a Viseu com o golo a ser apontado por Albino logo no minuto 8. De referir que na jornada anterior Fernando Valente, o treinador, tinha sido despedido, Peres e Manoel (jogadores) foram os treinadores.

87/88 – Encontraram-se na fase de apuramento de campeão da II Divisão. No Fontelo o Académico venceu por 2-1 com golos de Abel e Rui Madeira, tendo Vicente respondido pelos famalicenses. “Viseenses superiores” dizia o Notícias de Viseu.
Na segunda volta o Académico foi goleado por 5-0. A curiosidade é que o CAF foi informado no próprio dia que iria haver jogo e até chegou atrasado… Quem se lembra?

95/96 – Encontraram-se pela primeira no atual formato da Segunda Liga. Em Famalicão, na 16ª jornada, Welder no último minuto da partida marcou o golo da equipa da casa.
Na segunda volta o resultado foi igual, mas desta vez com o Académico a vencer. Marcou Gerson. Foi a 5 de maio de 1996. Mais de 18 anos depois vem aí novo encontro.

Plantel:

Guarda Redes:

Murta (1) – Português, 35 anos, ex AD Oliveirense, primeira época no clube. Guarda-redes de grande valia, já jogou na I Divisão ao serviço do Gil Vicente. É a segunda vez que defronta o Académico. Na primeira vez, em 08/09, ao serviço do Vizela, eliminou o nosso clube, para a Taça de Portugal, quando a sua equipa venceu (1-2).

Emanuel Novo (24) – Português, 22 anos. Formado no Varzim e no Rio Ave, está na sua primeira época no Famalicão proveniente do Balasar (regionais). Nunca defrontou o Académico.

Júlio (12) – Português de 20 anos. Terminou a sua formação nos famalicenses e é lá que evoluiu há 3 anos.

Defesas:

Joel Monteiro (23) – Defesa direito, 23 anos, português, ex Salgueiros, primeira época no Famalicão. Nunca defrontou o Académico.

Daniel (14) – Defesa direito/esquerdo, 26 anos, ex Ribeirão, primeira época no Famalicão. Formado no FC Porto tem feito carreira entre III Divisão e CNS. Nunca defrontou o Académico.

João Pedro (3) – Defesa esquerdo, português, 34 anos, ex Penafiel. Jogador de basta experiência, formado no FC Porto, natural de Famalicão, já jogou na I Divisão ao serviço de Estoril e Gil Vicente. Ao serviço do Penafiel, na época passada, defrontou o Académico – fez os 90 minutos na vitória na Taça da Liga (1-0) e os 90 da 38ª jornada (3-0). Não teve o prazer de pisar a relva do Fontelo.

Jorge Miguel (15) – Defesa esquerdo, português de 23 anos, quinta época no clube. Formado no Famalicão esteve ausente do clube na época 12/13 quando actuou no Lousada. Nunca defrontou o Académico.

Luiz Alberto (22) – Defesa central, brasileiro de 31 anos, primeira época no clube, ex Trofense. Está em Portugal desde 05/06 onde tem construído uma carreira da qual se pode orgulhar (Estoril, Belenenses, Chaves, Trofense). Defrontou o Académico na época passada ao serviço do Trofense – jogou os últimos 6 minutos na derrota academista na Trofa (1-0) e jogou os 90 minutos na segunda volta em outra vitória Trofense.

Palheiras (8) – Defesa central/médio defensivo, português, 30 anos, quinta época no clube. Natural de Barcelos transformou-se nas últimas épocas numa das grandes referências famalicenses. Nunca defrontou o Académico.

Silvério (4) – Defesa central, português, 18 anos, primeira época no clube. Vem dos juniores do Rio Ave.

Vilaça (6) – Defesa central/defesa esquerdo/médio esquerdo, português de 29 anos, segunda época no Famalicão. Antes do Famalicão apenas tinha jogado no Tirsense. Nunca jogou com o Académico.

Médios:

Ibraima (26) – médio defensivo, 26 anos, guineense, primeira época no Famalicão, ex Académico de Viseu. Dispensa apresentações. Vai defrontar pela primeira vez o nosso clube.

João Pedro (2) – médio defensivo, 20 anos, segunda época no clube. Formado no FC Famalicão.

Éder Diego (10) – médio centro/ médio ofensivo, brasileiro de 29 anos, segunda época no clube. Chegou a Portugal para jogar no Sp. de Braga (formação) mas é em clubes de menor expressão que se vai impondo. Nunca defrontou o nosso clube.

Mércio (7) – médio centro, brasileiro, 34 anos, segunda época no clube. Chegou a Portugal em 01/02. Fez um interregno no futebol português entre 2010 e 2013 jogando no Chipre. Nunca defrontou o Académico.

Vítor Lima (19) – médio centro, português de 33 anos, ex Iraklis, primeira época no clube. Outro jogador que dispensa apresentações pois jogou no Académico em 04/05. Desde que saiu do Académico andou sempre pelo estrangeiro. Nunca pisou o relvado do Fontelo como adversário.

Mauro Alonso (20) – médio centro, brasileiro de 26 anos, ex Lyubimets, primeira época no clube. Pela primeira vez no nosso futebol.

Avançados:

Diogo Torres (27) – Médio ofensivo/extremo direito, português de 27 anos, ex Tirsense, primeira época no clube. Já jogou no nosso distrito ao serviço de Tondela e Cinfães. Pelos cinfanenses defrontou o Académico em 12/13 – venceu em Cinfães (1-0, 90 minutos) e perdeu em Viseu (3-0, titular, 76 minutos).

Feliz (30) – Extremo português de 25 anos, primeira época no clube, ex Ribeirão. Formado no Guimarães já fez um jogo na I Divisão ao serviço do Rio Ave. Nunca defrontou o Académico.

Moreira (21) – extremo esquerdo/médio ofensivo, português de 22 anos, ex Castelense, primeira época no clube. Tem andado pela distrital pelo que nunca jogou com o Académico.

Chico (9) – Ponta de lança português de 32 anos, terceira época no clube. Formado no clube, natural da cidade. Já andou pelo futebol romeno. Nunca defrontou o Académico.

Correia – Ponta de lança português, 25 anos, primeira época no clube, ex AD Oliveirense. Nunca defrontou o Académico.

João Paulo (29) – ponta de lança português com 34 anos, primeira época no clube, ex Aves. Pode estar na fase descendente da carreira mas é jogador de classe e com muita experiência. Já marcou na I Divisão (Beira Mar, Paços de Ferreira, União de Leiria e Leixões). A primeira vez que se encontrou com o Académico já foi há mais de 14 anos – em 99/00 empatou em casa ao serviço do Feirense (0-0, 90 minutos; na época passada perdeu no Fontelo ao serviço do Aves (3-0, 90 minutos) e venceu na segunda volta (4-2, 90 minutos).

Diogo Medeiros (11) – avançado brasileiro de 21 anos, ex Santa Clara, primeira época no clube. Quando estava no Santa Clara não foi utilizado nos jogos com o nosso clube.

Jogadores que actuaram nos dois clubesAlexandre, Amadeu, Arsénio, Bacari, Baltasar, Bertinho, Braga, Chicabala, Gomes, Hugo, Ibraima, Jacinto, João Carneiro, Jorginho, Lourenço, Marito, N´Habola, Paulo, Paulo Fernando, Renato, Rodrigo, Rui Carlos, Rui Gama, Sílvio, Tellechea, Tiago, Vítor Lima, Alexandre, Zé Nando.
Ler Texto Completo

Recordar: Ac. Viseu 1-2 Famalicão

45 Anos, 11 meses e 22 dias depois, no próximo dia 28 de setembro de 2014, Académico de Viseu e Famalicão voltam-se a encontrar para a Taça de Portugal, espera-se que agora com um desfecho diferente para o nosso clube.
Na altura, em 68/69, o Académico de Viseu perdeu no Fontelo – com o jornal A Bola a dizer que "a sorte nada quis com os visienses" – algo que nunca tinha acontecido nos 5 jogos anteriores entre as duas formações, no Fontelo, uma vez que o Académico havia ganho todos esses jogos.
Neste jogo destaque para as estreias de Norberto (o seu único jogo pelo Académico, sendo certo que nada sabemos sobre ele) e também para o autor do golo, o ex junior Armando (de quem também sabemos muito pouco). Aí fica a ficha do jogo. De referir que 15 dias antes o Académico havia recebido o Famalicão, em jogo para o campeonato, e aí venceu por 2-0.

Estádio do Fontelo, 20 de Outubro de 1968
Taça de Portugal
Árbitro: Armando Paraty (Porto)

Ac. Viseu: Pais; Norberto (Beto, int), Aleixo, Piscas e Vítor; Rodrigo e Abraão; Pedro Jacques (Armando, int), Osvaldo Silva, Basto e Paixim. Treinador: Osvaldo Silva.

Famalicão: Arnaldo; Vítor, Filipe, Inácio e Iria; Ventura e Ferreirinha; Vasco, Franquelim, Osvaldo e Leonardo.


Golos: Osvaldo 4 (0-1), Leonardo 44 (0-2), Armando 81 (1-2)
Ler Texto Completo

Análise Individual: Coimbra 23 o escolhido

João Coimbra – 4 – O melhor jogo de João Coimbra de Académico ao peito. Jogou e fez jogar. Assumiu o jogo academista, num jogo ideal para brilhar. Marcou o 2º golo academista e é considerado pela equipa da Magia do Futebol como o melhor em campo neste desafio.
(fotografia Jorge Paulo)

Ricardo Ribeiro – 3 – Estreia positiva de um dos últimos reforços do defeso. Sereno entre os postes e permitam-me, decisivo, pois perto do final da partida fez uma defesa de encher o olho.

Tiago Costa – 3 – Fez, com Luisinho, uma ala direita temível. Saiu tocado.

Pedro Santos – 3.5 – Taticamente superior. Esteve, contudo, no penalty do Belenenses colocando mão à bola. Foi o capitão academista.

Eridson – 3.5 – Mais um jogo de qualidade. Muito certinho no eixo central da defesa. Foi dele o cabeceamento de onde viria a surgir o 3ºgolo academista.

Dalbert – 3 – A crescer de jogo para jogo. Bem a defender.

Alphonse – 4 – Sublime na posição 6. Mais um jogo de grande categoria.

Alex Porto – 3.5 – Uma das belíssimas surpresas do Académico deste ano. Bom no desarme. Pega na batuta e brilha com passes longos teleguiados. Ontem não foi exceção.

Luisinho – 4 – Desta vez a escolha recaiu em J.Coimbra, mas Luisinho não ficou atrás. Fez um jogo soberbo, deixando o lateral esq. do Belenenses sem razões para se recordar deste desafio. Marcou o 1º golo e assistiu no 2º. Mais um jogo brilhante.

Tiago Almeida – 3 – Fez o 3º golo academista. Esteve ativo no flanco esquerdo, sobretudo no 1ºtempo.

Tiago Borges – 3.5 – Um dos mágicos desta temporada. De costas para a baliza é exímio a segurar a bola. Serviu os colegas sempre que possível. Mais um grande jogo.

Tomé – 2.5 – Entrou bem na partida. 25min de nível elevado pelo flanco direito.

Paulo Roberto – 1 – Esforçado. Pouco tempo em campo.

Ricardo Ferreira – 1 – Pareceu-nos lento de processos, não foi eficaz a fechar o flanco esquerdo.
Ler Texto Completo

Ac. Viseu FC 3 - 1 CF Belenenses

Estádio do Fontelo, 24 de setembro de 2014
1ª mão da Segunda Fase da Taça da Liga
Árbitro: Artur Soares Dias (Porto)

Ac. Viseu: Ricardo Ribeiro; Tiago Costa (Tomé, 69), Pedro Santos (c), Eridson e Dalbert; Alphonse, Alex Porto e João Coimbra; Luisinho, Tiago Almeida (Ricardo Ferreira, 72), Tiago Borges (Paulo Roberto, 82) e Luisinho. Treinador: Alex Costa.

Belenenses: Ventura; Nélson (André Teixeira, 10), Palmeira, João Meira e Daniel Martins; Pelé e Bruno China (c); Abel Camará, Tiago Silva (Fábio Sturgeon, 58) e Fredy; Mailó (Deyverson, 58). Treinador: Lito Vidigal.

Golos: Luisinho 38 gp (1-0), João Coimbra 56 (2-0), Freddy 63 gp (2-1), Tiago Almeida 65 (3-1)

O Académico de Viseu teve um arranque de jogo de elevado nível e a primeira parte foi, quase, de sentido único, tirando dois ataques belenenses mas em que o perigo foi relativo.
O Académico com uma ala direita diabólica, excelentes as combinações entre Tiago Costa e Luisinho e entre este e Tiago Borges, colocou a cabeça em água à defesa lisbonense. Daniel Martins, o defesa esquerdo, terá por certo dificuldades em esquecer este jogo. Ainda antes do golo inicial do Académico, apontado de grande penalidade por Luisinho, já o mágico academista tinha desperdiçado uma boa chance para facturar. A juntar a isto sublinhe-se a grande dinâmica imposta pelo meio campo academista onde João Coimbra - que jogo! - esteve em grande destaque.

Na segunda parte o Belenenses entrou decidido a mudar o jogo, com os seus jogadores mais rápidos sobre a bola e com Freddy, sobretudo ele a levar alguns calafrios à baliza academista. 
Mas o Académico chegaria ao segundo golo. Num verdadeiro hino ao contra ataque- vejam o resumo e digam-me se tenho ou não razão - João Coimbra, de cabeça, marcaria ao segundo poste, respondendo de maneira perfeita a um cruzamento de Tiago Borges da direita, isto depois de mais um bom trabalho de Luisinho.
No entanto o "pesadelo de Oliveira de Azeméis" chegou a pairar no Fontelo quando Freddy, de penalty, reduziu para os azuis de Belém. Só que o Belenenses nem tempo teve de saborear o golo, já que no imediato Tiago Almeida - formado no clube da Cruz de Cristo - desviou para a baliza de Ventura uma bola cabeceada ao poste por Eridson. Estava feito o resultado final.
Até ao fim o Académico geriu bem o resultado - desta vez ninguém tem nada a apontar ao treinador. Destaque ainda para uma grande defesa de Ricardo Ribeiro a evitar o 3-2.

Bom resultado, bom jogo, mas a eliminatória está a apenas no intervalo. E domingo há jogo com o Famalicão e convém não "entrar de salto alto"!

José Carlos Ferreira, sócio 325 do Académico de Viseu Futebol Clube
Ler Texto Completo

Ac. Viseu FC vs CF Belenenses


Ler Texto Completo

Apresentação do adversário. CF Belenenses

Nome: Clube de Futebol “Os Belenenses”
Ano de fundação: 1919
Associação: Lisboa
Estádio: Restelo
Equipamento: camisola azul, calções brancos, meias azuis


Jogos entre si: A última vez que se encontraram foi já há mais de vinte e dois anos. No total o Académico venceu um jogo, empatou dois e perdeu oito, marcou seis golos e sofreu dezanove. Em Belém o máximo que conseguiu foi um empate, conta cinco derrotas, um golo marcado e doze sofridos. No Fontelo venceu um, empatou outro e perdeu três, marcou cinco golos e sofreu 7.

78/79: foi precisamente contra o Belenenses que o Académico fez o primeiro jogo de sempre, no Fontelo, a contar para a primeira divisão. O Belenenses venceu por claros 1-3. Chico Santos marcou para o Académico, naquele que foi o primeiro golo de sempre na principal divisão do nosso futebol.
Na segunda volta, com o Académico em “plano inclinado para a descida", como dizia o Record, o Belenenses goleou o Académico por claros, e esclarecedores, 4-0 (Cepeda, Sambinha, Vasques e Lincoln).

80/81: Duas épocas depois novo reencontro, novamente na I Divisão. Na primeira volta, à 3ª jornada, o Académico empatou sem golos no terreno do Belenenses. Foi o único empate que o nosso clube conseguiu naquele reduto.
Na segunda volta, desta feita no Fontelo, o máximo que o Académico conseguiu foi reduzir a desvantagem, por Baltasar, à entrada do último quarto de hora da partida, mas insuficiente para fazer face aos golos de Peribaldo e Cepeda.

81/82: Novamente na principal divisão do nosso futebol. Como hábito, encontraram-se de novo no início do campeonato (3ª jornada). No Estádio do Restelo, na primeira volta, os golos de Moisés e Djão derrotaram o melhor clube do mundo.
Ainda antes do jogo da segunda volta, Belenenses e Académico encontraram-se em jogo a contar para a Taça de Portugal. O jogo foi disputado em Lisboa e um golo de Luís Horta, ao minuto 77, eliminou-nos.
Na segunda volta do campeonato, em Viseu, a única vitória que obtivemos sobre o clube da “cruz de cristo” – vitória por 2-0 com golos de Inaldo e Chico Santos.

88/89: Na última vez que o Académico esteve na principal liga do nosso futebol encontrou, de novo e como sempre, o Belenenses. Para não variar encontraram-se no início do campeonato (4ª jornada) e em Viseu houve empate – marcou primeiro Leal (13) para o Académico, mas Paulo Monteiro (78) empataria o jogo devido, sobretudo, há grande perda física dos jogadores academistas.
Na segunda volta, sem grandes dificuldades, o Belenenses despachou-nos por 3-0 (José Mário, Chiquinho Conde e Juanico) – “Quem melhor que este Académico para um Belenenses tão anémico” perguntava João Cartaxana no Record.


91/92: Nesta época encontraram-se pela primeira e única vez na Segunda Liga do nosso futebol. Na primeira volta, em Lisboa na quarta jornada, Alain ao minuto 90 fez aquilo que mais nenhum jogador academista fez até hoje – marcar ao Belenenses no Restelo – mas tal feito foi insuficiente para responder aos golos de Sadkov (7, gp) e Mauro (15). “Duas equipas que se querem candidatas à subida de divisão não podiam apresentar um futebol tão depauperado de objectividade”, escrevia Eurico Monchique no Record.
Na segunda volta, a 23 de fevereiro de 1992, ou seja, a data do último encontro entre os dois clubes, e já com Carlos Alhinho no banco academista (substituiu Carlos Simões), o Académico perdeu por 0-1 com um golo de Mauro, ele que já nos tinha marcado na primeira volta.

Plantel


Guarda Redes:

Matt Jones (1) - É americano e tem 28 anos. Está na terceira época consecutiva ao serviço do Belenenses. Nunca defrontou o Académico de Viseu.

Ventura (24) – Português de 26 anos. Jogador com formação no FC Porto onde se estreou na I Divisão. Tarda em afirmar-se depois de ter sido dado com uma grande promessa do futebol nacional. Primeira época no Belenenses, nunca jogou contra o Académico.

Filipe Mendes (76) – Português de 29 anos. Está há três épocas no Belenenses e pouco ou nada tem jogado. Nunca defrontou o nosso clube.

Defesas:

Nélson (22) – Defesa direito, internacional português, tem 31 anos. Depois de muitos anos fora do país - onde jogou em clubes como Bétis, Osassuna, Palermo e Almeria – está de regresso ao nosso futebol depois de já ter jogado no Boavista e no Benfica entre outros. Nunca defrontou o Académico.

André Teixeira (2) – Defesa direito, português de 21 anos. Segunda época no clube, depois de ter feito a sua formação no FC Porto, ou parte dela. Nunca defrontou o Académico.

Kaká – Defesa esquerdo português com 22 nos. Formado no Vizela e V. Guimarães, está na segunda época no Belenenses, onde quase que não tem sido opção. Nunca defrontou o Académico.

Filipe Ferreira (20) – Defesa esquerdo, é português e tem 23 anos. É filho do antigo internacional português José Carlos. Tem vindo a ganhar grande protagonismo nos últimos tempos de Belenenses. Formado CAC e no Atlético, nunca defrontou o Académico.

Gonçalo Brandão (28) – Internacional A pelo nosso país, 27 anos, é defesa central. Esteve várias épocas em Itália (Siena, Parma e Cesena). Depois de também ter actuado no futebol romeno, esta é a segunda época consecutiva no clube (5 no total). Formado no Belenenses, nunca defrontou o Académico.

Daniel Martins (55) – Defesa esquerdo, português, 21 anos. Formado no Torreense e no Benfica, esteve emprestado no Beira Mar e faz agora a segunda época no Belenenses. Já defrontou o Académico – foi na época passada, pelo Beira Mar, ganhou em Aveiro (1-0) mas não alinhou na segunda volta.

Serginho - Defesa central, 20 anos, português. Teve uma sensacional transferência do Bragança para o Benfica, mas é no Belenenses que prossegue a carreira. Não sabe o que é pisar o relvado do Fontelo.

João Meira (6) – Defesa central, 27 anos, português. Terceira época no clube, depois de ser transferido do Atlético. Titularíssimo, nunca defrontou o Académico.

João Afonso (13) – Português, 32 anos, defesa central. Terceira época no clube onde chegou proveniente do Mafra. Quando jogava no Mafra, em 09/10, era treinado por Filipe Moreira e defrontou o Académico em Mafra (0-0) e também pisou o relvado do Fontelo (2-2).

Palmeira (47) – Defesa central/direito, português, 24 anos. Primeira época no clube, depois de na época passada ter jogado no Tondela. Já actuou na I Divisão ao serviço do Braga. Ao serviço do Tondela perdeu na época passada no Fontelo (2-1) e empatou no João Cardoso (0-0).

Médios:

Pelé (5) – Português, 22 anos, médio defensivo. Deu nas vistas no Mundial de Sub-20 o que lhe valeu a transferência do Belenenses para o Milan. Depois de ter jogado no Olhanense, chega emprestado pelos italianos. Nunca defrontou o Académico.

Bruno China (16) – Português, médio centro, 32 anos. Segunda época no Belenenses, depois de muitos anos no seu clube de formação (Leixões), com passagens por Espanha (Mallorca) e ainda por Rio Ave e Académica. Nunca defrontou o Académico.

Miguel Rosa (7) – Médio ofensivo/extremo esquerdo, português, 25 anos. Formado no Benfica, onde nunca se impôs, é o craque da equipa. Quarta época no clube, segunda consecutiva, não sabe o que é competir contra o Académico.

Tiago Silva (10) – Médio ofensivo, 21 anos, português. Formado no clube da “cruz de Cristo” e no Benfica, vai para a terceira época no clube onde se tenta impor. Nunca defrontou o Académico.

Rodrigo Dantas (35) – Brasileiro, médio ofensivo, 24 anos. Chegou ao Belenenses esta época, mas já tinha jogado do Estoril em 11/12. Nunca se impôs no futebol brasileiro (embora tenha sido campeão carioca em 2010 e 2013), mas vem com vontade mostrar que tem qualidade. Nunca jogou com o Académico.

Avançados:

Adilson (15) – Extremo, 26 anos, português. Vem do União da Madeira (empréstimo do Belenenses) – e por isso mesmo já defrontou o Académico. Entrou ao minuto 64 na vitória unionista na Madeira (1-0) e jogou os 90 minutos na derrota em Viseu por igual resultado. Jogou também em clubes de “menor expressão”” como é o caso do Povoense, Cartaxo e Futebol Benfica.

Fábio Nunes (92) – Extremo, 22 anos, português. Depois de se formar em clubes como Portimonense e FC Porto, saiu para o Parma e teve passagens pelo Blackburn (Inglaterra) e Latina (Itália). Assim sendo nunca defrontou o Académico.

Freddy (11) – Extremo, 24 anos, internacional angolano. Sétima época no clube que o formou, a terceira consecutiva depois de uma passagem pelo Recreativo de Libolo. Um dos meninos bonitos da “torcida”. Nunca defrontou o Académico.

Fábio Sturgeon (17) – Extremo/avançado, 20 anos, português. Uma das grandes esperanças do futebol belenenses e, porque não, do futebol nacional. Terceira época no clube a nível senior. Nunca defrontou o Académico.

Tiago Caeiro (9) – Ponta de lança, português, 30 anos. Terceira época consecutiva no Belenenses. É um velho conhecido do Académico. Se não vejamos: em 02/03, ao serviço do Vilafranquense, jogou os últimos 17 minutos no empate a um golo no Fontelo (golo academista apontado por Canita); Na época seguinte foi titular substituído na derrota da sua equipa em Viseu por 1-0 (golo de Rui Miguel) e jogou os últimos 13 minutos em Vila Franca de Xira em que a sua equipa perdeu por 1-2 (Bruno Madeira e Paulo Listra).

Mailo (25) – Ponta de lança, 22 anos, cabo-verdiano. Primeira época no Belenense depois de ser transferido do Leixões. Por isso mesmo já defrontou o Académico enquanto jogador do Leixões – na época passada jogou os 90 minutos na vitória leixonense no Fontelo em jogo a contar para a Taça da Liga; fez os 90 minutos no empate a zero em Matosinhos e também fez os 90 minutos na derrota  no Fontelo (2-0), desta vez para o campeonato.

Abel Camará (30) – Ponta de lança, português, 24 anos. Tem uma relação de amor/ódio com os seus adeptos. Quarta época no Belenenses, mas não de forma contínua. Na época passada actuava no Petrolul da Roménia. Nunca defrontou o Académico.

Deyverson (66) – Ponta de lança brasileiro de 23 anos. Segunda época no Belenenses. Teve um arranque de época de bom nível. Chegou a Portugal pela porta do Benfica – equipa B.


Jogadores que actuaram em ambos os clubes: Amaral, Arnaldo Silva, Cafú, Eridson, Fernando Ferreira, Gerson, Joel, José Pereira, Júlio, Leal, Marçal, Margarido, Mauro, Paulo Roberto, Ramalho, Rui Borges, Simões, Tellechea e Tiago Almeida
Ler Texto Completo

UD Oliveirense 3 - 3 Ac. Viseu FC

Estádio Carlos Osório, 21 de setembro de 2014
8ª Jornada da Liga 2
Árbitro: Marco Ferreira (Madeira)

Oliveirense: João Pinho; Carela (Pedro Moreira, 57), Ângelo, Sérgio e Bruno Simão; Godinho (c) (Renan 57), Zé Pedro e Rui Lima; Carlitos, Ivan Santos (Mário Mendonça, 66) e Rafa. Treinador: Artur Marques.

Ac. Viseu: Ivo Gonçalves; Tomé, Pedro Santos (c), Eridson e Dalbert; Alphonse, Alex Porto e João Coimbra (João Ricardo, 77); Luisinho (Marcel, 74), Tiago Almeida e Tiago Borges (Sandro Lima, 63). Treinador: Alex Costa.

Golos: Luisinho 11 (0-1), Sérgio 31 pb (0-2), Tiago Almeida 54 (0-3), Carlitos 67 (1-3), Sérgio 73 (2-3), Pedro Moreira 81 (3-3)

A Oliveirense recuperou este domingo de uma desvantagem de três golos e empatou 3-3 na receção ao Académico de Viseu, num emocionante encontro da oitava jornada da 2.ª Liga.

A equipa de Oliveira de Azeméis assumiu o comando desde o início, apresentando-se mais ativa no ataque, mas a ineficácia na finalização acabou por ser decisiva nos primeiros minutos.

O Académico de Viseu aproveitou da melhor forma os erros defensivos do adversário, mostrando-se mais certeiro nos lances de perigo.

Na primeira vez que chegou com perigo à baliza de João Pinho, a formação de Viseu marcou. Em contra-ataque, Luisinho aproveitou da melhor forma a situação, aos 11 minutos.

Com pouco mais da meia hora de jogo, os visitantes, com alguma sorte à mistura, voltaram a marcar, quando, após um cruzamento de Tiago Almeida para a área, Sérgio tentou cortar, mas desviou a bola para a sua própria baliza.

No segundo tempo, a Oliveirense não desistiu e manteve o ritmo, sempre na procura do golo, mas a falta de eficácia voltou a trair o grupo liderado por Artur Silva Marques.

Aos 54 minutos, Tiago Almeida voltou a aproveitar uma falha defensiva e aumentou ainda mais a vantagem dos forasteiros.

O encontro parecia resolvido, mas a Oliveirense acelerou e, no espaço de 14 minutos, levou a cabo a recuperação, marcando três golos através de canto. 

Carlitos, aos 68, Sérgio, aos 74, e Pedro Moreira, aos 81, apontaram os golos que premiaram a persistência dos locais, que passaram a contar 14 pontos, contra 10 dos viseenses.

Jogo no Estádio Carlos Osório, em Oliveira de Azeméis.

In Record online

Notas aos jogadores (atribuídas pelo Record e aceites por nós para a eleição de jogador do mês/jogador do ano): Ivo Gonçalves (3), Tomé (3), Pedro Santos (3), Eridson (3), Dalbert (3), Alphonse (3), Alex Porto (3), João Coimbra (3), Luisinho (3), Tiago Almeida (3), Tiago Borges (3), Sandro Lima (2), Marcel (2), João Ricardo (1).

Ler Texto Completo

Ac. Viseu FC 1-1 SC Braga B

Estádio do Fontelo, 17 de setembro de 2014
7ª Jornada da Liga 2
Árbitro: Rui Oliveira (Porto)

Ac. Viseu: Ivo Gonçalves; Tomé, João Ricardo, Eridson e Dalbert; Alphonse, Alex Porto (Clayton, 58) e João Coimbra (Tiago Costa, 82); Luisinho, Tiago Borges (Paulo Roberto, 82) e Sandro Lima. Treinador: Alex Porto.

Sp. Braga B: José Costa, Oto´o, Hugo Basto e Núrio; Rekos, Chidi e Nuno Valente (Nikiema, 90+1); Fábio Martins, Erivaldo (Joca, 84) e Agdon (Rambé, 62). Treinador: Fernando Pereira.

Expulsão: Paulo Roberto 90+1

Golos: Agdon 14 (0-1), Gonçalo 44 pb (1-1)

Académico de Viseu e Sporting de Braga B empataram  1-1, num encontro da sétima jornada da Segunda Liga de futebol, disputado no Fontelo, em Viseu, em que os golos apareceram na primeira parte. O jogo começou animado, com Erivaldo a levar perigo à baliza viseense, logo aos dois minutos. Respondeu o Académico e, na jogada seguinte, Sandro Lima cabeceou junto ao poste. Melhor nos minutos iniciais, o Sporting de Braga B criava perigo sempre que conseguia colocar bolas em profundidade, a aproveitar a velocidade dos seus extremos. E, foi assim que chegou ao golo. Aos 14 minutos, Erivaldo conseguiu fugir à defesa viseense e servir Agdon, que se limitou a empurrar para o fundo da baliza.


O Académico tentou responder ao golo dos "arsenalistas", mas os forasteiros, em contra ataque, com Erivaldo sempre muito veloz, continuaram a levar o perigo à defesa viseense. Nos minutos finais da primeira parte, os comandados de Alex Costa dominavam e o empate esteve perto, primeiro por Sandro Lima e depois por Tiago Borges, por duas vezes, com José Costa a responder bem na baliza do Braga B. Os viseenses acabaram por chegar à igualdade aos 44 minutos, com um cruzamento/remate de Dalbert a enganar o guarda-redes José Costa. No segundo tempo, manteve-se a tendência, com um Académico de Viseu mais pressionante e sempre mais perto do golo, mas com o Sporting de Braga B sempre muito perigoso no contra ataque.


Os dois técnicos mexeram nas respetivas equipas, ao colocarem gente mais fresca na frente, mas o resultado não se alterou. Para os viseenses foi o quarto jogo consecutivo sem perder, enquanto Sporting de Braga B voltou aos pontos, depois de duas derrotas caseiras.


In Record

Notas aos jogadores (atribuídas pelo Record e por nós aceite para a eleição de jogador do mês/ano): Ivo Gonçalves (3), Tomé (4), João Ricardo (3), Eridson (3), Dalbert (3), Alphonse (3), Alex Porto (3), João Coimbra (3), Luisinho (3), Tiago Borges (3), Sandro Lima (3), Clayton (2), Tiago Costa (2), Paulo Roberto (0,5 – Record atribiuiu nota zero para nós a nota mínima é 0,5).
Ler Texto Completo

Ac. Viseu FC vs SC Braga B


Ler Texto Completo

Alphonse destrona Luisinho

NOME
P
C
MC
JM
Alphonse
28
1

Ivo Gonçalves
27


Tiago Gonçalves
26,5


Luisinho
26
2
2
Tiago Borges
26
1

Pedro Santos
25,5


Alex Porto
23,5


Tiago Costa
22


Sandro Lima
21


Dalbert
17,5
10º
1

João Coimbra
15,5
11º


Marcel
12,5
12º


Paulo Roberto
12,5
13º


Tomé
12
14º


João Carneiro
9,5
15º


Filipe Nascimento
9
16º


Tiago Almeida
7
17º


João Ricardo
5
18º


Clayton
4
19º


Eridson
4



Vinícius
4
21º


Ricardo Ferreira
1
22º


´
Bastou uma jornada de fora para Luisinho perder a liderança, acabou mesmo por descer para a quarta posição. Alphonse assume a liderança na corrida a jogador do ano sendo premiado, deste modo, o seu excelente começo de época.


P – Pontuação; C – Classificação; MC – Melhor em campo; JM – Jogador do mês
Ler Texto Completo