terça-feira, maio 22, 2012

Entrevista a Daniel Fortes Vieira ( Abel )

Abel como é conhecido no meio futebolístico, nasceu a 30 de Novembro de 1963, na Ilha de S. Vicente em Cabo Verde.
1987/88 - Ac. Viseu, 2ª divisão
1988/89 - Ac. Viseu, 1ª divisão, 30 jogos, 6 golos
1989/90 - Ac. Viseu, 2ª divisão, 25 jogos, 7 golos
1990/91 - Boavista ( lesionado), Maia, 6 jogos
1991/92 - Un. Leiria, 2ª honra, 33 jogos, 6 golos
1992/93 - Un. Leiria, 2ª honra, 25 jogos, 2 golos
1993/94 - Un. Leiria, 2ª honra, 31 jogos, 6 golos
1994/95 - Un. Leiria, 1ª divisão, 16 jogos, 5 golos
1995/96 - Un. Leiria, 1ª divisão, 3 jogos, 0 golos
1996/97 - Vila Real, 2ª divisãoB, 20 jogos, 7 golos

Como e onde começou a jogar á bola?
Comecei a jogar aqui em cabo verde, na ilha de São Vicente, aos 16 anos no Clube Desportivo Amarante.

Como e quando se deu a vinda para Portugal?
Foi no ano de 1987, o falecido Carlos Alhinho que na época anterior tinha treinado o Académico, fez-me o convide para ir para o Viseu.

Já era internacional Cabo-verdiano antes de vir para o Academico?
Sim, quando fui para o Académico já era internacional Cabo-verdiano. Comecei a ir para a selecção principal aos 17 anos.

Que recordações tem da sua passagem por Viseu?

As melhores, costumo dizer que é a minha segunda terra. Fui muito feliz em Viseu não só a nível desportivo, mas também pelas amizades que criei aí. Na altura tinhamos uma grande equipa.

Ainda tem amigos em Viseu?
Tenho sim, a familia Lage, a Dra. Maria José que desde o inicio que cheguei a Viseu me apoiaram. Claro também os colegas da equipa, o Leal, Cruz ,João Luis, Rui Fininho, e os Lages é claro.

Como era jogar naquela equipa que em 87-88 subiu de divisão?
Era uma maravilha. Na verdade tínhamos bons jogadores e um bom treinador. Também a massa associativa do Académico apoiava-nos muito.O campo do Fontelo estava sempre cheio na altura.

Como era Alhinho como treinador e como homem?
Como treinador, não era por ser da minha terra, mas foi um dos melhores com quem trabalhei. Como homem então era espectacular e muito amigo dos jogadores.

Alhinho foi acusado de trazer os "amigos" Cabo-verdianos… mas resultou em pleno.
Foi o único erro na altura, que cometeu. Pois veio jogadores que não se conseguiram adaptar

Vocês davam-se todos bem?
Sim, eu nunca tive problemas com nenhum deles.

Alexandre alhinho/Kappa/Nikita/Delgado, já actuavam em Portugal?
Na altura só o Alexandre Alhinho é que actuava em Portugal. Eu o Kappa, o Nikita e Delgado fomos juntos para Portugal.

Dizia-se que o Alhinho em casa só queria alinhar com o equipamento branco… ele era muito supersticioso?
È verdade era muito. Ganhando uma vez ele nunca queria mudar de equipamento.

Por esta altura havia muitos Academistas em Cabo Verde…
Por mais incrível que pareça, ainda há. Perguntam sempre quando é que o Académico vai voltar a ribalta.

Qual era a sensação de ver sempre o estádio do Fontelo cheio?
Era incrível. Lembro que no aquecimento eu ia sempre para o lado oposto da bancada e ficava a ver aquela moldura humana. Dizia para mim mesmo, hoje tenho que jogar bem.

Na época 87-88 o Académico ganhou todos os jogos em casa, no jogo da subida o golo apareceu mesmo ao cair do pano. Ainda se lembra?
Sim lembro-me que ganhamos todos os jogos em casa. Também fomos a equipa que marcou mais golos nos campeonatos. Penso que foi leal que marcou o golo.

A época seguinte na 1ª divisão não correu nada bem, o que mudou de uma ano para o outro?
Penso que o Académico, não reforçou bem, na altura. e com as mas escolhas que referi. Pois jogando na 2º não é o mesmo que a 1º divisão.

No fim da época 89/90, esteve a um passo do Sporting, Leal assinou mesmo pelo Sporting, o que falhou no seu caso?
No meu caso tive problemas na altura, por ter assinado um acordo com o Boavista, pois os dirigentes na altura, complicaram-me a vida. 
 

Mas assinou um pré-acordo com o Sporting, depois de ter renovado pelo Académico? Existe um recorte de jornal da época que fala nisso...

Eu era novo e enganaram-me, sim já tinha um pre acordo com o Sporting e o presidente do Académico na altura sabia. Mas ele levou-me a assinar outro com o Boavista. Dizendo na altura que o presidente do Sporting, não estava a cumprir, que era melhor assinar pelo Boavista, e eu caí.

Acabou por ir parar ao Boavista de Valentim Loureiro, mas não há registos que tenha feito jogos por aquele emblema. Foi emprestado ao Maia?

Pois não tinha experiência na altura, sim por cumulo de azar, no primeiro ano lesionei e fiquei quase ano todo sem jogar. Depois de estar o campeonato a acabar, fui fazer ums jogos, penso que 6 a Maia , fazendo parte de recuperação jogando.

Mais tarde em 94/95 e 95/96, ainda voltou a jogar na 1ª divisão pelo Leiria, mas aí já estava com 31 anos, o que não impediu de ainda fazer 16 jogos e marcar 5 golos.
Sim passei também bons tempos em Leiria. Joguei cinco épocas, 3 na Divisão de Honra onde subimos de divisão e mais duas épocas na 1º divisão.

Finda a sua carreira, decidiu voltar a Cabo Verde por opção pessoal, ou foi porque não surgiu oportunidade para continuar em Portugal?
Foi opção, pessoal. A minha mulher na altura tinha acabado o curso e queria vir para Cabo Verde, por isso decidimos vir.

Teve convites para ficar ligado ao futebol?
Tive convites, mas não queria ficar ligado ao futebol, por dentro.

Sei que entretanto fundou um clube na Ilha de S. Vicente em Cabo Verde.

Sim juntamente, com alguns amigos: Batuque Futebol Clube

Quando regressa para vir ver um jogo do nosso Académico?
Penso que para a próxima época.

Através do Facebook, tem agora oportunidade de comunicar com ex colegas… Tem aproveitado?
Sim e nem imaginas a alegria. Tenho encontrado alguns.

E com os adeptos? Ainda se lembram de si? Confesso que não me esquecerei da sua forma de jogar!
Não sei. Pois já foi muitos anos. Mas os que iam ao Fontelo, penso que não esqueceram.

Conhece o Blog da Magia do Futebol? Acha importante para quem está longe da cidade e do clube a existência do nosso blog?
Claro isso é importante, para ficarmos a saber sobre o nosso Academico.

Sábado o nosso clube tem um jogo importante para as nossas aspirações de subida de divisão. Quer deixar alguma mensagem aos jogadores, técnicos e adeptos do nosso clube? 

Muita força, e espírito de sacrifício. Que trabalhem de inicio ao fim, e que depois recebam a recompensa que é a vitória.Abraço a todos!

Uma ultima pergunta, de onde vem a "alcunha" Abel?
Foi aqui em Cabo Verde. Sinceramente não sei.Começaram a chamar-me desde miúdo e ficou.

A Magia do futebol, agradece ao Abel, por gentilmente se ter disponibilizado para dar esta entrevista, desde Cabo Verde acedeu a responder ás nossas questões e mostrou estar bem vivo na sua memória, os tempos passados no nosso clube. Bem Haja!

8 comentários:

Pedro disse...

Muito boa entrevista. Quem passa por Viseu, quer voltar e apaixona-se pelo clube. Grande Abel!.
Abraços
Pedro Simões

quinta-feira, 19 maio, 2011
Anónimo disse...

Mais uma excelente iniciativa d' A MAGIA DO FUTEBOL. Confesso que fiquei arrepiado ao ler esta grande entrevista.

Sábado é um dia grande para o Académico de Viseu. Estarei na bancada do magnífico Estádio do Fontelo a torcer pela vitória do meu Clube e pela subida de divisão. Já há muitos anos que não sentia a Cidade a (re)aproximar-se desta maneira do Académico. É preciso saber aproveitar a onda e multiplicá-la. Agradeço ao Abel a disponibilidade em conceder a entrevista e desejo-lhe tudo de bom. É notório o carinho que ainda tem pela Cidade e pelo Clube.

FORÇA EQUIPA!
RUMO À II DIVISÃO!

-FD

sexta-feira, 20 maio, 2011
Jorge Paulo disse...

Foi sem duvida um dos grandes jogadores que passou pelo CAF. Nunca o vi jogar mal. Para ele parecia fácil.

sexta-feira, 20 maio, 2011
Anónimo disse...

Foi numa Assembleia Geral, muito concorrida (centenas de sócios)realizada no demolido Auditório da Feira de São Mateus e com o treinador em maus lençóis que foi exigido à direcção e cumprido que a equipa do CAF vestisse de negro. Um sócio leu bem alto os estatutos do clube e claro a legalidade foi reposta.
Os sócios também queriam o despedimento do treinador mas a direcção não tinha dinheiro para rescindir o contrato e pagar. O Carlos Alhinho recusava demitir-se, apesar dos maus resultados e erros seus evidentes.
RP

sexta-feira, 20 maio, 2011
jose costa disse...

grande homem grande profissional, muito simples, tudo de bom abel, desejo-lhe todas as felecidades do mundo

sexta-feira, 20 maio, 2011
Anónimo disse...

Ainda me lembro dessa altura, era um chavalito,O Abel o Chico e o Delgado eram quase como família, frequentavam muitas vezes a minha casa. Numa casa Humilde com muitas dificuldades todos eram (e ainda são) bem recebidos. São recordações que se guardam para toda a vida, Grande Homem e Grande Jogador, talvez dos melhores que o Caf teve. Parabéns pela entrevista Abel, cá te esperamos para uma visita. Grande abraço amigo.

RUI LAGE

sexta-feira, 20 maio, 2011
Paulo disse...

Sem dúvida...se não o melhor, integrará claramente a galeria dos melhores que já nos representaram. Tinha um grande talento. Só um reparo....quem marcou o golo que deu a subida foi o Quim.

sábado, 21 maio, 2011
Anónimo disse...

Abel, bom profissional e bom homem!

Infelizmente foi enganado e acabou prejudicado quando tinha uma carreira à sua frente. Há culpados e sabemos quem foram, mas o Abel sempre se recusou a atirá-los para os tribunais.
Grande jogador e Homem.
Tudo de bom, Abel... Lembras-te do "minhocas"?
Grande abraço

Lumago

terça-feira, 22 maio, 2012