sexta-feira, outubro 03, 2008

Coincidências...

Depois de ler a noticia da extinção do futebol sénior do Maia, no jornal Record de hoje lembrei-me de uma história, que nunca irei esquecer e que se passou aqui á uns anos em Espinho. O Académico esteve por alguns minutos na 1ª divisão, até que um defesa do Maia, decidiu inventar mais uma farsa no futebol português, e ao marcar um autogolo, retirou a alegria a todos os Academistas e viseenses.

Agora leiam a coincidência deste relato:

" A 27 de Maio de 2001, o FC Maia, orientado por Mário Reis, viveu um dos dias mais dramáticos da sua história, só agora suplantado com o anunciado fim do futebol sénior, ao falhar a subida à Liga. O FC Maia, na ultima jornada da II Liga, chegou ao triunfo (3-2) no campo do Sporting de Espinho com um golo de Fumo, aos 91 minutos, mas não chegou a comemorar a subida, pois, já com o jogo finalizado, o Vitória de Setúbal também chegou ao triunfo, com um golo de Meyong, aos 90'+2."

Com ferros se mata, com ferros se morre...

10 comentários:

João Nunes disse...

Por muitos jogos de futebol que veja, por muitos anos que viva, nunca me vou esquecer daquela desilusão.
O estádio Comendador Manuel Violas cheio de Academistas e Viseenses, Espinho a abarrotar de gente de Viseu, e no fim ninguém acreditava... Um simples e comum mortal, mal intencionado, tinha arrebentado com o sonho de uma época inteira.

Não se conhece nenhum castigo para esse jogador cujo não me recordo bem mas seria algo parecido com "mauro". Uns dias antes já tinha feito estragos em Viseu, este jogador alto, negro, defesacentral de grande porte atlético, e um grande cobarde com "c" pequeno.

Histórias no nosso Académico...

sexta-feira, 03 outubro, 2008
Anónimo disse...

Esse jogador tinha jurado vingança contra o Académico e serviu-a bem fria, com toda a impunidade.
Lembro-me desse jogo em Espinho e eu estava lá! Fui dos que comentei o erro do Académico apostar no ovo ainda no cu da galinha. Podia ter resolvido o assunto com o Maia em Viseu mas perdeu a oportunidade, depois podia ter resolvido em Espinho e nada!
Na jornada anterior, em Viseu, foi esse jogador que armou uma confusão diabólica no campo e depois nos balneários. Aí jurou vingança, eu ouvi! Ninguém me contou, eu vi e ouvi!
Em Espinho, já no fim, com os jogadores e academistas à espera para festejarem, esse tipo marcou um golo na própria baliza e acabou com o sonho! Mas o Académico também teve culpas porque não foi capaz nem se aplicou para resolver a questão. O técnico da altura era assim mesmo, fez o mesmo à Académica e fez outras...
Mais tarde, o próprio árbitro desse encontro do Maia veio dizer aos jornais que não entendia o que se passara porque o jogador nem estava pressionado...
O inquérito não deu em nada, mesmo com os testemunhos que prestámos. Tudo estava bem orquestrado.

Finalmente foi servida a vingança academista! Senhores da Maia, directores da altura, façam o favor de se servirem e de convidarem esse antigo jogador!
Mas atenção, a justiça ainda não está feita porque o Académico viu encerrado todo o clube, camadas jovens, tudo e estes cavalheiros só os séniores!
E ainda acusam a Federação de má fé!
O Académico está cá! Está vivo! O Maia, vamos ver...
E se eu puder fazer alguma coisa, podem ter a certeza que farei, sem mágoas nem tréguas, para vos deitar mais umas pazadas de terra no túmulo!
LUMAGO

sábado, 04 outubro, 2008
JRA disse...

Que a terra seja pesada como chumbo...

Não conhecia estas histórias, que adorava conhecer tal como um jogo na Terra do Jaime Pacheco (não me lmebro agora do nome) em que a GNR tinha armas apontadas aos adeptos e tudo :)

Mas na altura tudo correu bem e subimos de divisão

sábado, 04 outubro, 2008
ogirdoR disse...

Desculpem mas não consigo ver alegria nenhuma por ver acabar um clube. De certo que os verdadeiros adeptos do Maia não merecem.

A terra do Jaime Pacheco é Lordelo.

sábado, 04 outubro, 2008
JRA disse...

Exacto é Lordelo, ia colocar exactamente o post porque entretanto lembrei-me, o Sr. Lumago certamente se lembrará do dia em que lá subimos de divisão e vai-nos brindar com essa história...

Aqui ninguém fica contente com a desistência de um clube, mas é ingrato ver o académico acabar e ver que alguns clubes permanecem vivos à custa de batotas e trafulhices e alguns à custa das desgraças do académico...

Lembrem-se que o único árbitro até hoje julgado nos tribunais em Portugal prejudicou gravemente o académico num jogo, e eu pergunto: Alguma vez o académico foi recompensado por ter sido prejudicado???? Nunca!!!!!

E quais foram as consequências? Resposta: O Leça passeou-se graciosamente pela 1ª divisão à nossa custa, tal como esse jogo em Espinho em que o Torreense subiu à nossa custa com a ajuda do Maia...e conclusão da história, o Leça acabou por eclipsar-se também... Não será justo esse fim para esse clube?? Parece-me que sim...

Quem estiver no futebol por bem é bem vindo, os outros não fazem falta...É certo que os adeptos do Maia não têm culpa que o jogador tivesse marcado o tal auto-golo há uns anos atrás, mas alguém tem de se responsabilizar por tais actos, que não podem ficar impunes...

Haverá com certeza 1001 casos destes, mas o que é certo é que só conheço casos em que o académico saiu prejudicado e à custa disso o académico acabou e os outros continuam aí...

sábado, 04 outubro, 2008
Anónimo disse...

ALGUÉM SE LEMBRA DE UM DITO ARBITRO...JOAQUIM GONÇALVES?...CUIDADO COM AS PEDRAS ATIRADAS PARA O AR...JÁ ALGUÉM SE INTERROGOU DAS ASNEIRAS COMETIDAS NA GESTÃO DOS CLUBES?...A JUSTIÇA É FEITA PELOS HOMENS E POR ISSO INJUSTA MUITAS VEZES...ESPERO QUE O NOSSO "NOVO" CLUB TENHA APRENDIDO COM O QUE ACONTECEU AO SEU ANTECESSOR...FAÇO-ME ENTENDER?
VIVA O ACADÉMICO DE VISEU FC

sábado, 04 outubro, 2008
Anónimo disse...

Não era Elisio??

sábado, 04 outubro, 2008
JRA disse...

O nome do central é Elisio e depois jogou no vitória de setubal... Comentário tirado de um blogue:

"Acho que se estão a esquecer de outro 4º lugar dramático do José Rachão. Em 90/91 no A.Viseu, penso que era ele o treinador.

Na última jornada, o A.Viseu tinha que ganhar em Espinho e o Torreense na Maia. O A.Viseu ganhou em Espinho e na Maia, ao minuto 90, o jogo estava empatado.

Estive na Maia a ver o jogo. Em Espinho, já se fazia a festa, quando o Torreense marcou para aí aos 93m, num auto-golo do central Elísio (jogou depois no V.Setúbal). Subiu o Torreense com essa vitória.

Grande equipa essa, não sei se se lembram de alguns desses jogadores: Rosário, Baltasar, Flóris, Andrade, Bruno, Evandro e o grande treinador Manuel Cajuda (jogava ainda o agora treinador do Torreense, Margaça).

Tenho quase a certeza que o Rachão era o treinador do Viseu nesse ano"

e o blogue era: http://terceiroanel.weblog.com.pt/arquivo/2005/02/02/jose_rachao_no_vitoria_setubal.html

Lamentável e revoltante

sábado, 04 outubro, 2008
Anónimo disse...

A questão, Ogirdor é que o tal clube não acabou! O Académico, sim! Foi agora deitado fora e isso dá-me imenso gozo.
Sabe porquê? Porque ninguém entre essa gente foi capaz de abrir a boca para condenar o acto desonesto do seu atleta, nem um simples pedido de desculpas! Mais, esse trafulha que cometeu esse acto que não aquecia nem arrefecia ao Maia, nunca foi castigado pelo clube, nada!
Estou bem feliz pelo que agora aconteceu.
Que a terra lhe seja bem pesada!
LUMAGO

sábado, 04 outubro, 2008
JRA disse...

Pesquisando sobre a tal história de mindelo encontrei este site, onde além do referido jogo podemos encontrar o hino do académico...

http://equipas-do-passado-1850.blogspot.com/2006/07/34-acadmico-de-viseu-1978-79.html

e outro comentário deste blogue:
"mas depois, com novo golo duvidoso, o Ac.Viseu marcou.O jogo terminou em polémica, pois o Lordelo também tinha hipótese de subir, caso ganhasse, e o público não aceitou bem a derrota. Houve invasão de campo, o jogo esteve interrompido, mas o Ac.Viseu acabou por conseguir o que queria"

o blogue:
http://juventudesportclube.blogspot.com/2006/07/desafio-aceite.html

Estórias da História do CAF

sábado, 04 outubro, 2008