sábado, janeiro 16, 2016

Ac. Viseu FC 0-1 Portimonense SC

Estádio do Fontelo, 16 de janeiro de 2016
25ª Jornada da Segunda Liga
Árbitro: Artur Soares Dias (Porto)

Ac. Viseu: Ricardo Janota; Tomé, Tiago Gonçalves (c), Mathaus (Bura, 14) e Tiago Costa; Romeu Ribeiro, Capela (Gradíssimo, 69) e Clayton; Carlos Eduardo, Tiago Borges (Yuri, 61) e Fábio Martins. Treinador: Ricardo Chéu.

Portimonense: Ricardo Ferreira; Ricardo Pessoa (c), Lucas, Jadson e Lumor; Marcel, André Carvalhas e Ewerton; Theo Ryuki (Ferreira, 75), Fidélis (Zambujo, 78) e Pires (Ferreira, 85). Treinador: José Augusto.

Expulsões: André Carvalhas 66, Fábio Martins 80

Golo: Ferreira 88 (0-1)



O Académico recebeu hoje o Portimonense em casa, e desperdiçou a oportunidade de deixar para trás os resultados decepcionantes.

Este virar de volta do calendário, está a ser péssimo para a equipa Academista. Na primeira jornada o Académico venceu o Farense, e logo a seguir foi ganhar a Portimão. Nesta segunda volta, 2 jogos disputados, 2 derrotas.

Em Agosto de 2015, após a derrota em casa perante o Oriental, escrevíamos o seguinte : “O Académico parece uma equipa talhada para ganhar alguns pontos fora de casa, dando a iniciativa de jogo ao adversário, mais complicado vai ser quando tiver de tomar a iniciativa e jogar em ataque continuado.”

Daí para cá nada mudou, o Académico tem 4 vitorias em casa, 4 empates, e com o jogo de hoje 5 derrotas.  Fora tem quase o mesmo registo, 4 vitorias, 4 empates, e 4 derrotas.

Numa liga competitiva com a Segunda liga portuguesa o factor casa é muito importante, mas o Académico tem-se dado mal com os ares do Fontelo, onde já desperdiçou 23 pontos.

Falando do jogo propriamente dito, assistimos a um mau jogo de futebol com poucas oportunidades de golo, e sem grandes motivos de interesse.

Ricardo Chéu, foi forçado a fazer a primeira alteração do encontro, logo aos 14 minutos de jogo, quando Mathaus saiu lesionado para dar o lugar a Bura.

Sem criar grande perigo, foi a equipa academista que andou mais perto da área adversária,  com muita cerimónias na hora de rematar á baliza.

A primeira parte acabaria como começou com uma igualdade a zero, mas com 3 jogadores academistas “amarelados”, Tiago Borges, Bura e Romeu Ribeiro.

A segunda parte foi um pouco mais animada, muito por acção do Portimonense que veio com uma atitude mais ofensiva.

Aos 60 minutos de jogo, Ricardo Chéu troca Tiago Borges por Yuri, e de certa forma o ataque do académico melhorou um pouco.

Aos 66 minutos de jogo, expulsão para André Carvalhas, por acumulação de amarelos
O treinador academista ainda tenta puxar a equipa mais para a frente Gradíssimo para os lugar de Capela.

A grande oportunidade de golo do Académico surge numa jogada em que Carlos Eduardo, faz tudo bem, passa por 3 adversários, e já isolado na área, apenas com o guarda redes pela frente remata ao lado.

Aos 80 minutos, novo revés na estratégia academista, Fábio Martins, recebe ordem de expulsão, por acumulação de cartões amarelos.

Quem não “mata”, “morre”, e foi isso que aconteceu aos 87 minutos de jogo quando André Ferreira, respondeu da melhor forma a um cruzamento do lado direito do ataque do Portimonense.

Talvez não tenha sido um resultado justo, mas foi com certeza a vitória da melhor equipa, e daquela que mais vontade teve de vencer.

Curioso, ou talvez não, é o apagão que a equipa viseense sofre sempre nos primeiros meses do ano, a tão intrigante apatia e falta de disponibilidade por parte de alguns dos atletas academistas.

No próximo jogo em Braga, não poderemos contar com Fábio Martins castigado, Forbes e Diogo Fonseca lesionados.

Estamos em plena reabertura de mercado, mas segundo a comunicação social, e alguns rumores que circulavam pelo Fontelo, em face da classificação academista, e claro das dificuldades financeiras, pode ficar tudo como está, ou seja, sem saídas nem entradas.


Tempos difíceis que se avizinham no Fontelo, mas, parafraseando, “se fosse fácil, não era para nós”.

João Nunes 

12 comentários:

Anónimo disse...

Cada jogo que se (não) joga e cada vez fico mais convencido que não é com o Chéu que vamos subir. Ok que a equipa não é ótima, porque é de longe pior que a do Portimonense, Chaves, Feirense... mas devíamos estar obrigatoriamente na primeira metade da tabela.

sábado, 16 janeiro, 2016
josé pereira disse...

Estou muito cansado do academico Viseu, o seu presidente, ele não tem nenhuma ambição, nunca o vemos, não ouvimos que os tempos muito raros, é um reflexo da situação actual. o penso que nos próximos anos, o Tondela CD será certamente o clube mais importante da região, os patrocinadores vao se juntar ao tondela.O académico de viseu sera muito pequeno, sem interesses. O pobre Ricardo Cheu com pequenos meios,faz o que ele pode. .
Decidiu abandonar o academico Viseu,nao me faz sonhar,que pena.
Os poucos torcedores no estádio, eu entendo por que !!!!!
Obrigado Sr. Presidente,...

sábado, 16 janeiro, 2016
Paulo Teixeira disse...

Vitória justa e certa da melhor equipa, quando é assim não custa nada apesar de ter sido já perto do fim.
Infelizmente já previa isto, sou por natureza uma pessoa optimista mas hoje pesando numa balança o Académico e o Portimonense ela descai claramente para o lado dos algarvios, mas mesmo assim continuei com uma restea de esperança que íamos conseguir pelo menos um pontito mas não, hoje não era o nosso dia.
Tempos muito difíceis se avizinham disso não tenho duvidas o mercado está aí mas não deve ser para nós se não houver entradas que não haja saídas e lá nos temos de virar com o que temos quem não tem dinheiro não pode nem deve entrar nestas andanças, para ir buscar 4 ou 5 jogadores para terminar em 11º ou 12º e daqui por 2 meses começar a andar com ordenados em atraso prefiro ver o Académico a ir parar ao CNS.
No próximo jogo pode ser que os deuses do futebol estejam do nosso lado, o adversário é forte mas nada comparado com as grandes equipas deste campeonato, com uma pontinha de sorte e algum futebol porque o temos, nem tudo pode ser mau nesta equipa, pode ser que sejamos felizes, eu vou continuar a acreditar na equipa, no treinador, na direcção e nos poucos adeptos academistas que semana após semana sofrem e acreditam neles.

Paulo Teixeira sócio 433

sábado, 16 janeiro, 2016
Anónimo disse...

Ja se questionaram sobre qual o numero de salarios em atraso que a equipa tem!? A reflectir...

domingo, 17 janeiro, 2016
Anónimo disse...

O dinheiro adiantado da Meo deve ter ajudado bastante. E não somos de longe os únicos com salários em atraso. Quase todas as equipas da 2ª Liga têm.

domingo, 17 janeiro, 2016
José Carlos Ferreira disse...

Essa ideia que se os outros devem, nós também podemos estaar a dever a mim não agrada. Se não temos dinheiro para andar aqui... Mas já agora pergunto, é de propósito? Ou seja deixam-se perder por não serem pagos a tempo e horas?

domingo, 17 janeiro, 2016
Tomás disse...

Existe uma falta notória de opções atacantes [com qualidade] desde o início da época. Veio o Forbes no último dia de agosto, mas em má forma e demorou a ganhar ritmo competitivo. De resto, Fábio Martins e Diogo Fonseca, como se costuma dizer, os dois juntos não fazem um ponta de lança.
Os maus resultados caseiros resultam em parte da falta de contundência na frente. Fora de casa a equipa não se expõe tanto e vai conseguindo alguns bons resultados.
Por algum motivo o melhor marcador é um ex-júnior do Lusitano, que joga nas alas [outro dos sectores carenciados]. Nesta divisão com equipas bastante equilibradas, a eficácia na frente faz a diferença. E esta carência provoca o cenário que se tem visto com frequência no Fontelo: Jogo sem profundidade ofensiva capaz de superar defesas fechadas, contra-ataques adversários, e resultados como os de ontem.

domingo, 17 janeiro, 2016
Anónimo disse...

Ninguém disse isso, agora um jogador que vai com certezas de que vai receber no final do mês, vai muito mais inspirado, mais seguro do que um que só pensa nisso, nas consequências que pode ter para ele e para a família e que depois essa má moral reflete-se no campo.

domingo, 17 janeiro, 2016
Anónimo disse...

Aquilo que ontem me preocupou mais foi ver uma equipa muito nervosa, muito pouco consistente, a perder muitas bolas e muito, muito displicente. E claro que também me preocupou muito ver uma massa adepta a gastar mais energias a chamar o treinador, director desportivo e jogadores de nomes do que a apoiar a equipa para a frente. Mas isso, infelizmente, tem sido o normal.

Acredito que vamos melhorar e dar a volta por cima mas para o bem do Académico temos de repensar muita coisa. A começar por nós, adeptos.

domingo, 17 janeiro, 2016
José Carlos Ferreira disse...

"Por algum motivo o melhor marcador é um ex-júnior do Lusitano". O melhor marcador é o Forbes

domingo, 17 janeiro, 2016
Anónimo disse...

Gostava de saber em que se baseiam os que desde o inicio da época dizem que temos um dos piores planteis da 2ª Liga?

Ainda este Sábado, não vi um único jogador do Portimonense que se destaca.se. Apenas vi um bloco sólido.

Já do nosso lado, os únicos lances de perigo, resultaram da inspiração de um outro jogador, ou de uma outra arrancada.

O que eu vi, foi uma equipa, contra um grupo de jogadores. E isso vê-se nos pormenores: a forma como no regresso dos balneários os jogadores do Portimonense fizeram trabalho de aquecimento em grupo, a forma como mantinham sempre as linhas juntas, sem destaques, mas também sem falhas.
Do nosso lado, vi um Tiago Borges, que mal correu durante o jogo, um Janota que demora imenso nas reposições de bola e o relaxe é tanto que chega a fazer reposições para os avançados contrários, um Fábio Martins, que jogo após jogo, leva cartões amarelos, completamente desnecessários, porque resultam de agressões fortuitas e não da pressão que devia fazer sobre os defesas, e que ainda neste jogo nos deixou com 10 no momento em que podíamos cavalgar para a vitória, jogadores que falham passes a 1 metro de distancia, centrais que quando tem a bola nos pés passam a vida a levantar os braços porque não vislumbram linhas de passe, lances na grande área onde se exige que se remata a baliza em vez de andar a picar a bola ou fazer fintas desnecessárias.

E é isto que a mim me custa, porque em quase todos os jogos, assisti a atitudes de displicência na nossa equipa. E isso, está muito mais relacionado com a falta de cultura competitiva, que não se está, desde o inicio da época a conseguir transmitir e impor a esta equipa.

E esta falta de cultura competitiva, em muito contribui, para que quem visse um jogo do Académico em Agosto e outro agora em Janeiro, não note qualquer evolução no jogo da equipa.

Em Braga teremos de jogar na máxima rotação e com a máxima concentração. São vitais os 3 pontos, para não nos enlamearmos nos que vão lutar para não descer. São precisas vitórias. Temos de conseguir uma sequência de 3 ou mais vitórias (desde a 2ª jornada que não ganhamos um jogo consecutivo) para de uma vez por todas dar-mos o salto.

Miguel



segunda-feira, 18 janeiro, 2016
Anónimo disse...

Há Que Por Termo a esta « Palhaçada »!

Presidente esta na altura certa de Agir.

Como esta a situação ,vamos direitinhos para os Campeonatos Amadores.

E Preciso atitude Rigida do Presidente e Diretores .

( No Meu ponto de vista ,penso que o R Cheu perdeu o controlo da Equipe ( Balneario etc......). Aliou-se a uns distanciou-se de outros. Isso não e nada Bom .........( Uma Equipe e um Todo . E a Soma De todos a dar tudo o que tem .........em Prol do Grupo .Clube AC Viseu ).

Existem ( Infelizmemnte) jogadores com pouca Qualidade . E um Facto . Mas Pior do que isso e a Grande Falta de Atitude. ( De muitos deles ........Entao no Sabado foi muito notório).
Entao há que dispensa-los.
O AC Viseu so deve querer qualidade e aqueles que suam a camisola. ( Lutar ate a ultima Gota de Suor etc........).

Precisamos Urgentemente de 4 Bons Jogadores. Mais Valias. ( 2 pra o Meio Campo e 2 Avançados ou Alas como queiram chamar .......). O N/ Ataque não faz mal a Ninguem!

Vamos Acordar . Chega Do mais do mesmo .......Os adeptos estão tristes e decepcionados !

segunda-feira, 18 janeiro, 2016