quarta-feira, dezembro 09, 2015

Ac. Viseu FC 1-1 Gil Vicente FC



Estádio do Fontelo, 9 de dezembro de 2015

20ª Jornada da Liga 2

Árbitro: Manuel Oliveira (Porto)

Ac. Viseu: Ricardo Janota; Tiago Costa, Bura, Tiago Gonçalves (c) e Kiko; Capela e Alex Porto (João Ricardo, 60); Gradíssimo, Clayton (Yuri, 71) e Carlos Eduardo; Fábio Martins (Bruno Carvalho, 80). Treinador: Ricardo Chéu.

Gil Vicente: Serginho; Pedro Lemos, Pek’s (Vítor Gonçalves, 75), Sandro e Bruno Silva; Djamal e Alphonse (Simmy, 70), Vagner e Avto; Paulinho e Goba (João Pedro, 58). Treinador: Nandinho

Golos: Fábio Martins 18 (1-0), Paulinho 84 (1-1)


O Académico empatou a um golo na receção ao Gil Vicente, não conseguindo, mais uma vez, vencer no Fontelo. Por outro lado, pontuou frente a uma formação de Barcelos apetrechada de boas individualidades, e que na 2ª parte mostrou todo o seu valor.
Vamos por partes.
Na primeira, o Académico foi senhor do jogo. Marcou por Fábio Martins de cabeça, após cruzamento milimétrico de Kiko. Os viseenses podiam ter feito mais um ou outro golo, pois tiveram oportunidades para isso, valendo a dinâmica de Carlos Eduardo e dos laterais sempre ofensivos. O Gil Vicente, neste período, não criou perigo junto da baliza do nosso guardião Janota.
A segunda metade foi bem diferente. Os forasteiros apareceram transfigurados, e chegaram à baliza academista com maior frequência e perigo. O Académico, ia tentando aguentar a vantagem, com o mister Ricardo Chéu, a tentar refrescar o meio-campo com a entrada de João Ricardo. O Gil faz a primeira ameaça por Paulinho, num belo remate a bater no travessão de Janota. Já com Yuri e Bruno Carvalho em campo, os comandados de Nandinho iriam chegar à igualdade, através dum pontapé de canto superiormente marcado.  Paulinho de cabeça fazia o 1-1.
Até final, os academistas não conseguiram chegar com perigo efetivo à baliza de Serginho, com exceção para um lance em que Bruno Carvalho podia ter feito melhor. Do outro lado, Avto, um dos mais inconformados de Barcelos, quase marcava, em mais uma bela incursão no corredor direito do ataque gilista.
Um empate que se tem de aceitar, face ao desenrolar da partida. Académico superior na primeira metade, o Gil Vicente melhor nos segundos 45min.

No domingo, mais um importante teste, frente ao comandante das equipas que podem subir de divisão, o Feirense.
Força Académico, sempre contigo!
João Monteiro


3 comentários:

João Costa disse...

Esta equipa parece talhada para vencer fora de casa e desta vez foram os outros a querer mais que nós.

Entrou-se bem no jogo, sempre a mandar no campo. Decidia-se e executava-se praticamente tudo bem e acabámos por assumir a liderança do marcador com naturalidade.
Excelente cruzamento de Kiko ao qual Fábio Martins correspondeu com uma bela cabeçada que só parou no fundo das redes dos Gilistas.

A partir daqui fomos gerindo o jogo à nossa maneira e chegámos ao intervalo com uma justa vantagem.

Na segunda parte tudo mudou. Os de Barcelos vieram com vontade de dar a volta ao rumo dos acontecimentos e foram criando oportunidades. No entanto, e contra a corrente do jogo, foi a nós que pertenceu a melhor oportunidade.
Fábio Martins desperdiçou a hipótese de bisar e sentenciar o jogo e, a partir daí, foi sempre a descer. O Gil Vicente acreditou sempre até ao fim, e mesmo sem jogar um futebol propriamente vistoso, foi conseguindo levar a água ao seu moinho.

Foi já perto do fim do encontro que os Gilistas alcançaram o empate e colocaram alguma justiça no marcador.
Canto batido na direita da nossa defensiva ao qual apareceu J.P. ao primeiro poste para fazer o 1-1.

Até ao fim pouco ou nada de relevante aconteceu.

O empate acaba por castigar uma má segunda parte do Académico e é um prémio que acaba por ser merecido para o Gil Vicente, que tudo fez para lograr este resultado.

quarta-feira, 09 dezembro, 2015
Anónimo disse...

Vamos cumprindo a nossa primeira meta da manutenção.
O Académico hoje não se pode queixar de árbitros, mas apenas de si mesmo. Desde o principio do campeonato que é visível que esta equipa não sabe atacar, não sabe ter caudal ofensivo demolidor e portanto raramente poderá ganhar um jogo em casa e quando o fizer há-de ser por margem estreita.
Por isso não podemos exigir muito mais do que um campeonato repousado, longe da descida, mas também longe da subida. Para aspirar a subir é preciso outro espírito e outro método nos jogos caseiros, que deverão ser para ganhar na quase totalidade e depois, "pescar" ponto aqui, ponto ali e compôr a classificação. Este Académico está talhado para ganhar e pontuar fora de casa, para conceder alguma margem de domínio aos seus opositores e depois dar o golpe e conquistar vitórias. Em casa... não sabendo atacar, sempre que apanha equipas defensivas (e no Fontelo são quase todas!!!), muito dificilmente terá espaços para surpreender e raramente assumirá o jogo para impôr vitórias.
A menos que haja mexidas no mercado de inverno, teremos uma época calma, com pontos suficientes para não descermos, mas claramente insuficientes para subirmos.

quarta-feira, 09 dezembro, 2015
Anónimo disse...

Domingo há tira-teimas. O Académico tem mais pontos fora do que em casa e com o Feirense o jogo é para ganhar, claramente!
Força Académico!

quarta-feira, 09 dezembro, 2015