quinta-feira, março 06, 2008

Palavras dos outros XIX (ou a falta de vergonha no futebol português)

Foto: APAF


Um exemplo da presumível influência que o Benfica também exercia na arbitragem é o que aconteceu antes da meia-final da Taça de Portugal, quando Rodrigues falou com Pinto de Sousa dizendo-lhe que Luís Filipe Vieira ficou “doido” quando soube que o árbitro não podia ser Paulo Paraty. Rodrigues sugere a Sousa que, como forma de acalmar Vieira, nomeie para esse jogo o árbitro assistente Devesa Neto. Rodrigues acaba a sugerir o árbitro João Ferreira, supostamente depois de ter conversado com Vieira, e é ele quem apita a partida que o Benfica vence por 3-1, tendo como adversário o Belenenses. Devesa Neto acabou por não ser chamado.

In "Apito Dourado toda a história" de Eugénio Queirós em parceria com o jornal Record

2 comentários:

ogirdoR disse...

O que aqui transcrevo faz parte das escutas do apito dourado na época 2003/2004 e dá conta da admiração que Luís Filipe Vieira tem por Paulo Paraty a ponto de ficar “doido” por a comissão de arbitragem não o nomear para um jogo do Benfica.

No jogo do título de 2004/2005 – Benfica 1 Sporting 0 – Luís Filipe Vieira, presumo eu, deve ter ficado feliz e não “doido” pela nomeação do árbitro portuense. Curiosamente esse jogo ficou decidido num lance, digamos, discutível – embora eu até perceba o árbitro por ter beneficiado quem atacava num lance que deixa dúvidas já que é isso que as leis mandam.

Já não percebo a sua nomeação para este último clássico a não ser que seja uma provocação ao Sporting pelos antecedentes. Vítor Pereira – um ilustre sócio cinquentenário do Sporting - anda a brincar com o futebol só pode. Devia ter defendido Paulo Paraty, devia ter defendido o futebol, devia ter defendido a independência. Não o fez e perdeu a pouca credibilidade que tinha depois de ter inventado uma regra nova para o futebol português logo no início da época. E foi o que se viu…

quinta-feira, 06 março, 2008
Anónimo disse...

O que aqui se disse é pura mentira. Jamais a Morgado deixaria de actuar sobre o LFV se ele estivesse envolvido no apito dourado. Lá por ela ser do Benfica e o marido Saldanha também e apesar de estarem quase quase a ganhar um camarote e uma lápide comemorativa junto à cabine dos árbitros, para que estes vejam sempre de que lado está a Justiça, o LFV nunca seria capaz de fazer comentários e pedir átrbitros e bandeirinhas.
O Benfica é o clube mais honesto que há e nunca ganhou nada com ajudas. É mentira.

quinta-feira, 06 março, 2008