quinta-feira, março 06, 2008

Bolton 1 - 1 Sporting

O Sporting conseguiu um excelente resultado hoje no Reebok Stadium, frente ao Bolton.
O Sporting entrou em campo, a jogar da forma que nos habituou a ver no campeonato português. Uma equipa sem alma, com pouca vontade de jogar á bola, e onde apenas dois ou três jogadores se destacavam.
Foi sem surpresa que a equipa do Bolton chegou ao golo, aos 27 minutos, quando Gavin McCann, aproveitou a desatenção da defesa do Sporting que foi lenta a afastar o perigo, e aproveitou uma série de ressaltos para inaugurar o marcador.
O Sporting não aproveitava a lentidão do Bolton, e não fez uma única jogada de perigo na 1ª parte do encontro.
Ao intervalo, Paulo Bento decide dar uma sapatada no futebol Leonino, tirando Abel que fez um péssimo jogo, e lançou Romagnoli, descendo Pereirinha para lateral direito.
Acertou o treinador leonino, porque a partir daqui, o jogo foi encarado de forma diferente pelos jogadores do Sporting. O Sporting imprimiu alguma velocidade no jogo, o que deixou os jogadores ingleses completamente desorientados. Faltou algum atrevimento do treinador leonino, porque deixou Veloso arrastar-se até ao fim do jogo, mas diga-se em abono da verdade, que as opções do banco também não são muitas.
Aos 69 minutos, eis que surge talvez a melhor jogada de todo o desafio... Polga lança Tiui, e este faz uma triangulação perfeita com Vuckcevic, que se isola e fulmina a baliza adversária.

O novo "Sá Pinto" de alvalade, começa a destacar-se na admiração de todos os adeptos leoninos.
Faltou mais um pouco de pulmão, e um Veloso á antiga, para que o Sporting trouxesse para a segunda mão da eliminatória, um resultado ainda melhor que aquele que conseguiu.

A eliminatória está bem encaminhada, mas faltam 90m, e convém não esquecer que estamos a jogar contra uma equipa inglesa, que em três pontapés, por vezes consegue colocar bolas dentro da baliza adversária.

7 comentários:

ogirdoR disse...

Assim de repentem lembro-me de uma equipa turca de nome esquisito. Empatamos 1-1 lá e em casa encaixamos 3. Cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal nenhum. Mas empatar fora a golos é sempre um bom resultado nas competições europeias. Eles na segunda mão já vão ter o Diouf mas nós em princípio também teremos o Liedson. Chegar aos quartos de final de uma competição europeia numa época como esta seria muito bom.

sexta-feira, 07 março, 2008
tELEGRAPH disse...

Bolton stretched their Uefa Cup record to 18 matches with only one defeat last night, and were tantalisingly close to building on Gavin McCann's first-half goal. But a ruthless finish by Simon Vukcevic, a precocious 22-year-old from Montenegro, belatedly hauled Sporting Lisbon back into their round-of-16 tie.
Although Sporting will be favourites to progress in next Thursday's second leg at the Estadio Jose Alvalade, Bolton have repeatedly confounded expectations in Europe and performed with great verve against a side who twice ran Manchester United close before going out of the Champions League.
Manager Gary Megson was content to hear Bolton cast as underdogs, saying: "We must score to stay in, but we got two at Bayern Munich and we won at Red Star Belgrade, and showed here we're capable of causing problems to a good side."

His Lisbon counterpart, Paulo Bento, insisted it was not their style to play for a 0-0 draw, adding pointedly: "We're not used to playing teams like this one."

Depleted by the absence of El-Hadji Diouf and Kevin Nolan as well as by the back injury sustained by goalkeeper Jussi Jaaskelainen during the warm-up, Bolton were robustness personified. Their opponents favoured a slick, ground-level passing game befitting the sizeable Brazilian presence within Bento's squad.

Both sides rattled the goal frame and Matt Taylor fluffed a late opportunity after a corner. Bolton also complained that Sporting's goalkeeper, Rui Patricio, should have been sent off after only 14 minutes for handling outside his area, not to mention "clattering" Heidar Helguson, as Megson put it, in the process.

Patricio escaped punishment, so there was a sense of justice when Bolton scored in characteristic fashion after 25 minutes. Nicky Hunt's deep free-kick was headed into the danger zone by Kevin Davies. Taylor's shot was blocked and from 12 yards McCann stroked in the loose ball.

Bolton almost doubled their lead in the 52nd minute when Helguson headed against the crossbar. Goalkeeping understudy, Ali Al Habsi, was not unduly troubled until Leonardo Romagnoli clipped his bar with 22 minutes left, and in Sporting's next attack, Vukcevic took Rodrigo Tiui's pass before volleying brutally beyond Al Habsi from 18 yards.

sexta-feira, 07 março, 2008
BBC disse...

Bolton had taken a first-half lead through Gavin McCann, who sidefooted the ball home from 14 yards after Matt Taylor's initial effort was blocked.

Just after the break, Heidar Helguson saw his header crash off the bar and Bolton were soon made to pay.

With 12 minutes remaining Vukcevic, who had earlier hit the bar, smashed the ball home with a left-footed shot.

sexta-feira, 07 março, 2008
uefa disse...

Sporting empatou a um golo diante do Bolton Wanderers FC, em partida da primeira mão dos oitavos-de-final da Taça UEFA, disputada esta quinta-feira, em Inglaterra.

Golo de Vukčević precioso
Um golo de Simon Vukčević na segunda parte anulou a vantagem conseguida por Gavin McCann na etapa inicial e pode vir a ser decisivo no desfecho da eliminatória. Num encontro que teve duas bolas no ferro, uma para cada lado, e duas partes distintas, o Bolton apostou sempre nos lançamentos longos para a área contrária, mas a entrada de Leandro Romagnoli ao intervalo conferiu depois maior domínio do meio-campo aos “leões” que, assim, se colocaram em boa posição para o encontro da segunda mão na próxima semana, no Estádio José de Alvalade.

Jääskeläinen lesionado
Depois do capitão Kevin Nolan não ter conseguido recuperar a tempo de uma lesão nas costas, o treinador do Bolton, Gary Megson, viu-se obrigado a entregar a titularidade da baliza a Ali Al-Habsi, em virtude o habitual guarda-redes titular Jussi Jääskeläinen se ter lesionado durante o aquecimento. Com o avançado português Ricardo Vaz Té no banco de suplentes, a equipa inglesa tomou conta do encontro desde o apito do inicial do árbitro e ficou a reclamar eventual falta e expulsão de Rui Patrício logo aos 14 minutos, por jogar o esférico com as mãos fora da área.

McCann abre o activo
O Bolton apostou num estilo de jogo directo, com lançamentos longos para a área contrária, na sequência de mais um lance desses, aos 27 minutos, Gavin McCann, perante a dificuldade da defesa lusitana em afastar o perigo, aproveitou uma série de ressaltos e inaugurou o marcador. Logo a seguir, João Moutinho, que não treinara na véspera do jogo devido a indisposição gástrica, teve o empate nos pés, mas o pontapé do capitão leonino em jeito, após bom passe de Leandro Grimi, errou ligeiramente o alvo, enquanto Vukčević atirou de cabeça à figura do guardião de Omã.

Taylor perdulário
Perante as imensas dificuldades do último reduto do Sporting em travar os lances aéreos dentro da sua grande área, a formação da casa podia ter voltado a marcar a seis minutos do intervalo, altura em que um remate de primeira Matthew Taylor de fora da área, após mau alívio da defesa do Sporting, passou a rasar o poste da baliza de Patrício. O técnico dos “leões”, Paulo Bento, tentou contrariar o domínio evidenciado pelos britânicos na primeira parte ao fazer entrar o médio Romagnoli para o lugar de Abel no reatamento, passando Bruno Pereirinha para o lado direito da defesa.

Bolas na trave
Mas se a equipa de Alvalade surgiu algo transfigurada na etapa complementar, pelo menos depois de inoperância da etapa inicial, foram os “trotters” a criarem perigo aos 53 minutos. Iván Campo efectuou um lançamento de linha lateral para a área e Heidar Helguson atirou à barra. Após Grimi ter falhado por pouco o alvo, Romagnoli pegou na bola no lado esquerdo, flectiu para o meio do terreno e rematou à baliza, mas a bola bateu caprichosamente na trave à guarda de Al-Habsi.

Remate fulminante
A entrada do argentino desequilibrou o meio-campo a favor dos sportinguistas e possibilitou criar mais perigo junto da área da formação do Bolton que, um minuto depois do lance do médio, sofreu o tento do empate, aos 69 minutos, quando Vukčević tabelou com Rodrigo Tiuí à entrada da área e disparou forte com o pé esquerdo para o fundo das redes inglesas. Depois do merecido golo, que surgiu como corolário da pressão sportinguista, a equipa abrandou o ritmo, mas conseguiu aguentar a pressão final e segurar o empate.

sexta-feira, 07 março, 2008
Bancada Sul disse...

Bom resultado em Inglaterra, que abre boas perspectivas para a recepção aos ingleses, já na próxima semana em Alvalade. O jogo foi repartido por partes, se na primeira o Sporting consentiu o domínio do Bolton, já na segunda metade e com a entrada de Romagnoli no terreno, os leões começaram a dominar a partida e finalmente caíram em cima do adversário, criando boas ocasiões de golo, até que o já inevitável Simon Vukcevic, este jogador cada vez mais está nas "graças" dos adeptos sportinguistas, resolveu atirar uma bomba para dentro da baliza do guardião Al-Habsi, à passagem do minuto 69.

Paulo Bento conseguiu o que pretendia, ou seja alcançou o mínimo exigível, um empate de preferência com golos. O jogo é bem provável que tenha causado algumas mazelas nos jogadores leoninos, pois os ingleses são peritos em distribuir fruta, mas não é daquela do norte de Portugal... João Moutinho à semelhança do ultimo derby, já bem perto do final foi novamente vitima de um pontapé no estômago, já com a partida interrompida, passando impune à respectiva cartolina, o jogador do Bolton.

sexta-feira, 07 março, 2008
O Leão da Estrela disse...

Ao empatar a um golo no terreno do Bolton, o Sporting cumpriu o objectivo de sair de Inglaterra em vantagem na eliminatória, ficando com luz verde para os quartos-de-final da Taça UEFA, bastando para isso empatar sem golos ou ganhar no jogo de Alvalade.
Décimo-sétimo classificado na I Liga Inglesa, o Bolton revelou-se uma equipa perfeitamente ao alcance do Sporting (mesmo de um Sporting desfalcado de Liedson e com Vukcevic fora dos melhores dias), com o seu futebol atlético, feito à base do pontapé para a frente, procurando tirar partido da altura dos seus jogadores no jogo aéreo do velho futebol britânico. E deixa o adversário jogar.
Face a uma equipa marcada pelo facto de nesta época sofrer um grande número de golos na sequência de lances de bola parada, o conjunto inglês só ameaçava verdadeiramente a baliza de Rui Patrício quando dispunha da marcação de um livre, de um pontapé de canto ou de um lançamento lateral (neste último caso, através de longas reposições do veterano espanhol Ivan Campo). Foi, de resto, no aproveitamento de uma bola que não foi devidamente aliviada pela defesa leonina, na sequência de um livre aparentemente inofensivo, que os ingleses marcaram primeiro.
Estavam decorridos 25 minutos e a equipa do Sporting, sem agressividade, parecia perdida em campo, pois não dava mostras de conseguir agarrar o jogo, para impor o seu futebol, não obstante os visíveis cuidados defensivos dos ingleses quando a equipa leonina ganhava a posse da bola. Porém, o jogo sportinguista não tinha profundidade. Vukcevic e Tiuí pareciam não existir entre os altos centrais ingleses.
Após o intervalo, Rui Patrício ainda viu uma bola bater no poste, o que poderia ser fatal para a estratégia de Paulo Bento, mas, nessa altura, o jogo do Sporting já estava mais comprido, sobretudo por acção da entrada de Romagnoli, que deu outra mobilidade ao último terço da equipa. Foi, aliás, Romagnoli que, numa excelente jogada individual, em que retirou dois adversários do caminho, lançou um sério aviso ao rematar à barra. E no minuto seguinte, numa jogada simples, Tiuí, até então improdutivo, serviu Vukcevic com um toque de cabeça, à entrada da área, tendo o montenegrino – que parece ser dos poucos que quando chuta é para a baliza e com potência… –, disparado para o fundo da baliza de Al-Habsi. Estava feito o empate e o Sporting tinha o jogo e a eliminatória na mão.

sexta-feira, 07 março, 2008
Visconde disse...

Face ao que se passou o resultado acaba por ser justo, até pelas oportunidades de golo de ambas as equipas, mas fica a certeza que um pouco mais de Sporting bastaria para se superiorizar a este Bolton, uma equipa demasiado "inglesa" que usa e abusa do contacto fisico e do futebol directo.
Os leões têem tudo para seguir em frente na prova, bastando que façam uma exibição ao seu nível, pondo em campo a sua criatividade e maior capacidade técnica, tendo em atenção os lances de bola parada.

sexta-feira, 07 março, 2008