domingo, agosto 10, 2014

GD Chaves 1 x 1 Ac.Viseu FC

Pra lá do Marão, um empate - prometedor - na estreia do Beirão!
O Académico estreou-se com um empate entusiasmante no terreno dos “valentes transmontanos”, graças a um golo ao cair do pano, apontado por Tiago Borges, isto depois de estar bastante tempo a jogar com 10 jogadores, por expulsão de Dalbert.
Estádio Municipal Engenheiro Manuel Branco Teixeira, 9 de agosto de 2014
1ª Jornada da Segunda Liga
Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco)

Chaves: Paulo Ribeiro; João Gois, Paulo Monteiro, Miguel Ãngelo e João Vicente; Ricardo Chaves (João Mário, 71), Bruno Magalhães e Patrão (Hugo Santos, 60); Luís Pinto (João Vieira, 85), Arnold e Luís Barry. Treinador: Norton de Matos.

Ac. Viseu: Ivo Gonçalves; Tiago Costa (João Coimbra, 89), Tiago Gonçalves, Pedro Santos e Dalbert; Alphonse, João Carneiro e Alex Porto (Paulo Roberto, 89); Luisinho, Tiago Borges e Sandro Lima (Marcel, 77). Treinador: Alex Costa.

Expulsão: Dalbert 65


Golos: João Vieira 87 (1-0), Tiago Borges 90+2 (1-1)




O Académico iniciou o jogo desinibido, forte na pressão e no controlo da bola, mas com dificuldade para chegar com perigo à baliza de Paulo Ribeiro. O Chaves, equilibrou a partida e ficou mais perigoso depois dos 25min de jogo. Perto do intervalo teve mesmo uma oportunidade soberana, após falta de Tiago Costa sobre João Vicente na área de rigor. Luís Pinto na conversão do castigo máximo acertou na base do poste do guardião academista Ivo Gonçalves. 0-0 ao intervalo.

Com o inicio do segundo tempo, os viseenses voltaram a estar mais perto da área flaviense, e Tiago Borges com um remate fantástico, obrigou mesmo o guardião da casa a fazer a defesa da tarde. Contudo, veio um contratempo para os comandados por Alex, que até estavam por cima na partida, após a expulsão de Dalbert, por acumulação de amarelos. A segunda falta que dá origem à expulsão, na nossa opinião, não parece sequer existir. O técnico transmontano coloca na partida João Mário e João Vieira e colhe os seus frutos, já que o golo do Desportivo de Chaves nasce num cruzamento do extremo flaviense J.Mário para a conclusão oportuna do avançado de J.Vieira. Golo extremamente festejado nas compostas bancadas do Estádio Municipal Engº Manuel Branco Teixeira, e já bem perto do final da partida. O treinador academista responde de imediato, lançando J.Coimbra e P.Roberto (antes já tinha entrado Marcel). E foi já no tempo de compensação, que Tiago Borges se isola e com mestria faz o golo do empate para gáudio dos adeptos academistas presentes nas bancadas.

Empate a uma bola, que premeia uma boa partida de futebol proporcionada por ambas as equipas. Um ponto moralizador para os academistas frente a um candidato assumido à subida. O segundo desafio da Liga2 é já no próximo domingo frente ao Freamunde e será necessário que o 12ªjogador esteja presente em massa no Fontelo para apoiar os nossos viriatos. Aparece!

Força Académico de Viseu!

11 comentários:

Anónimo disse...

O Chaves parecia ter uma boa casa, vamos apoiar o clube no próximo jogo em casa, é fundamental! Força académico!!

domingo, 10 agosto, 2014
Joaquim Cinzento disse...

O nosso golo, aos 92 minutos, a jogar com menos um há cerca de meia hora, no terreno de um dos candidatos à subida, merece todos os sinónimos para o adjectivo «épico».
Espero que este campeonato possibilite a subida do nosso Académico à primeira, juntamente com o Chaves, o Tondela e o Covilhã. Não podendo ser todos, pelo menos algum deste lote a acompanhar-nos. Porquê? Por laços de fraternidade e porque a primeira liga está toda inclinada para o mar. Há que dar-lhe algum equilíbrio.
O campeonato vai ser muito longo, temos de aproveitar todos os jogos para pontuar. Parece-me que será semelhante ao da época transacta, e a não ser que alguma equipa ganhe ascendente (como o Belenenses há duas épocas), todos os pontinhos vão contar. As duas equipas que subiram no ano passado, Moreirense e Penafiel, tiveram quase tantos empates quanto vitórias.
Ganhar em casa e tentar nunca perder fora, almejando sempre o melhor. O primordial é a manutenção, mas devemos, desde o início, piscar os olhos aos três lugares cimeiros. E a nossa tarefa também é idêntica: apoiar sempre que possível no Fontelo, e se a proximidade geográfica o permitir, apoiar fora. Há academistas em todo lado, disso tenho a certeza. E o clube voltou a ganhar nome e a aparecer na memória dos adeptos de futebol portugueses. No ano passado, tive a oportunidade de ir ver o nosso Académico ao Estádio do Mar. Dois senhores mais velhos, adeptos do Leixões, falavam do «Viseu» e da pujança que o clube teve noutras décadas. Essa é a pujança que devemos ter agora. Podemos não ser a melhor equipa, mas não nos pode faltar o entusiasmo.
Espero, este ano, e por aqui, comemorar muitas vitórias, discutir as derrotas, e conhecer mais histórias e as gentes que fizeram do Académico de Viseu o clube que é. E o que poderá vir a ser.

Cumprimentos.

domingo, 10 agosto, 2014
Viriatus disse...

Sr. Joaquim Cinzento! (será do Tempo?)
Não vamos embandeirar em arco com o empate em Chaves. Com muita pena minha, a equipa deste ano, nada tem a ver com a da época passada. Vamos lutar pela permanência, pois o campeonato é desgastante e não temos, actualmente, plantel para toda a maratona da II liga. Falta nos dois centrais, pois o que veio do varzim e um do Penafiel, nem inscritos estão, e um ponta de lança à imagem do Cafú, então sim, podemos aspirar a mais alguma coisa. FORÇA ACADÉMICO! Apelo ao Sr. Presidente, pois a direção é composta somente por um elemento...o Presidente, para a contratação destes três elementos, mas têm de ser elementos que façam a diferença.

domingo, 10 agosto, 2014
Paulo Teixeira disse...

FANTÁSTICO, ÉPICO, sei lá mais o que dizer deste jogo, já tinha avisado que este Académico não grandes nomes mas tem uma alma e um coração do tamanho do mundo e foi exactamente o que aconteceu neste jogo.
Conseguimos um ponto saboroso frente a uma grande equipa que está em aceleração para a primeira liga, quanto a nós faltam 49 pontos para conseguirmos a manutenção, próxima jornada encher o Fontelo s.f.f o adversário está ao alcance do Académico mas precisamos de mostrar a nossa força tambem nas bancadas, repito aquilo que já disse á uns tempos atrás e decerto que os academistas que acompanharam a epoca da ultima subida do nosso clube á primeira se lembram das enchentes no Fontelo e muitas das vezes foi esse publico que empurrou a equipa para vitórias dramáticas, são só 90 minutos passados naquele que será sem duvida o estádio mais bonito de Portugal, que bem soube ver a etapa da volta a Portugal a passar pelo Fontelo e admirar o nosso templo visto de cima!
Portanto encarar um jogo de cada vez, este foi um Sábado bom esperamos que venha aí um grande Domingo.
Para terminar, no comentário referente ao jogo com o Covilhã referi os possiveis adversários do Académico na taça da liga e esqueci dois foram o Moreirense e o Penafiel os recem promovidos à primeira liga aqui fica o meu reparo.

Paulo Teixeira sócio 752 do melhor clube do mundo!

domingo, 10 agosto, 2014
Joaquim Cinzento disse...

Caro Sr. Viriatus,

Não me pareceu que tenha embandeirado em arco com o empate em Chaves. Com a maneira como o conseguimos (um momento kelvin-à-moda-beirã), isso sim. Não assisti ao jogo, apenas tive acesso à transmissão radiofónica, mas julgo que o empate foi justo.
Aliás, digo no primeiro comentário que o primordial é a manutenção. Contudo, se andarmos sempre nos lugares cimeiros (top10 seria o ideal), a motivação pode compensar as deficiências que o plantel ainda apresenta, sendo as principais aquelas que bem enumerou.

Espero que o meu apelido não condicione as condições climatológicas frente ao Freamunde, já na próxima jornada. Há um estádio do Fontelo para encher. Já agora, alguém sabe a lotação oficial do estádio? Já li e ouvi números díspares, normalmente entre os 8 e os 15 mil lugares. Para mim, no mínimo, o estádio deveria estar sempre cheio ao ponto de não se ouvir qualquer grito dos pavões. Frente ao Covilhã ouvia-se :)

Cumprimentos.

P.S. Agradeço-lhe a forma respeitosa, mas não precisa de me tratar por senhor. Um abraço academista.

domingo, 10 agosto, 2014
--FD disse...

Caro Academista Joaquim Cinzento,

segundo o site da Liga, o Estádio tem 8046 lugares e pelas minhas contas o número de cadeiras deve rondar as 5000 (sendo que apenas 500 se encontram na bancada coberta). Os números díspares têm a ver com o facto de as bancadas terem sofrido algumas alterações (é perfeitamente possível ver os "recortes" nas zonas mais baixas da bancada e antigamente o relvado estava numa zona mais funda) e, principalmente, por já não ser possível haver estádios com lugar de peão - assim, onde antes cabiam 22000 pessoas e, mais tarde, 15000 cabem agora cerca de 8000 (sentadas).

segunda-feira, 11 agosto, 2014
Joaquim Cinzento disse...

Caro FD,

Agradeço-lhe o esclarecimento.
Ir à fonte oficial é sempre a melhor medida.

Cumprimentos.

segunda-feira, 11 agosto, 2014
--FD disse...

Esqueci-me de referir que apesar de não termos um estádio grande, nem o mais confortável nem moderno (ainda assim superior a alguns estádios do escalão acima), o Fontelo é sem dúvida um palco cheio de mística e não trocava o nosso estádio velhinho e no centro da cidade por um recinto folclórico na periferia, tal como foi moda no Euro 2004. Não é uma obra perfeita, algumas intervenções mais do que se justificam nesta altura mas dá um prazer enorme assistir aos jogos no nosso campo. Só lamento não ter assistido às enchentes de outrora.

segunda-feira, 11 agosto, 2014
--FD disse...

Caro Viriatus,

concordo em pleno consigo quando diz que não se pode embandeirar em arco com o empate em Chaves. Contudo, não deixa de ser um excelente resultado. Na época passada quantas vezes conseguimos pontuar depois de começar o jogo a perder? Se a memória não me falha, e aproveito para pedir à MAGIA e aos leitores para me corrigirem, zero vezes! Conseguir trazer um ponto de Chaves com um golo sofrido nos instantes finais, a jogar em casa do mais sério e apetrechado candidato à subida e com menos um elemento em campo é, na minha modesta opinião, muito bom.

Em relação à diferença entre a equipa actual e a da época passada ainda não posso dar a minha opinião porque vou assistir ao primeiro jogo oficial no próximo domingo. Aquilo que eu posso dizer é que mesmo a equipa da época passada - que era, sem dúvida, muito boa - teve as suas fases completamente distintas. De um arranque paupérrimo (onde fizemos 10 pontos em 30 possíveis nas primeiras 10 jornadas) começámos uma fase de grande fulgor a partir de Janeiro - já com um novo treinador - mas também é verdade que a partir do jogo contra o Atlético em Lisboa (em que podíamos ter dado um bom salto classificativo) que e a equipa nunca mais foi a mesma e parece-me que se o campeonato tivesse mais jornadas, mais pontos iríamos perder a jogar daquela maneira. Quero com isto dizer que a motivação dos jogadores mas acima de tudo de todo o grupo de trabalho pode alcançar resultados que uma equipa recheada de valores individuais mas desprovida de sentido de grupo não consegue. Vamos dar o nosso apoio à equipa, estar atento a alguns ajustes sem entrar em loucuras, jogar jogo a jogo as três competições em que estamos a participar e no final fazer as contas.

Força Académico!

terça-feira, 12 agosto, 2014
Marco Gomes disse...

O nosso Fontelo precisa urgentemente de iluminação em condições para podermos ter jogos à noite e aproveitar os jogos às 4ªs feiras.
Depois precisava de cobertura para todo o estádio e de uma boa bancada central mas isso já era pensar muito alto...

terça-feira, 12 agosto, 2014
--FD disse...

Concordo com jogos à quarta-feira à noite visto que o Académico seria especialmente beneficiado durante a presente época já que o Fontelo vai receber uma quantidade absurda de jogos às quartas-feiras. Se o Clube continuar nos escalões profissionais a melhoria da iluminação terá de acontecer mais cedo ou mais tarde. O que fariam se um jogo da Taça de Portugal ou Taça da Liga fosse à noite e televisionado? Íamos jogar a outro estádio? A menos que os requisitos de iluminação dessas competição sejam menos apertados... Contudo, a verdade é que a Liga estabelece que a hora dos jogos é a meio da tarde e portanto, só com a concordância por parte do adversário é que se poderia jogar a outra hora.

Adicionar mais lugares cobertos é, para mim, outra prioridade. Não me parece sensato, para já, alterar a bancada central mas qual seria o custo de colocar uma pala em cada uma das bancadas laterais ao lado da bancada central (coberta)? Provavelmente seria menos oneroso do que cobrir a bancada superior central. Posso estar a ser injusto mas por vezes penso que essa é a razão pela qual o Académico não faz uma verdadeira campanha de sócios. Havendo na bancada coberta apenas cerca de 500 lugares (e com uma grande diferença de visibilidade entre as duas filas de cima e as três de baixo) que têm de ser distribuídos para os actuais sócios com lugar cativo e para o público em geral que compra o bilhete mais caro, onde se iriam sentar os novos sócios? A menos que houvesse apenas inscrições para lugares noutras zonas do estádio... Penso que o nosso Clube e a Câmara se deviam sentar e discutir o futuro do estádio. O Académico seria o principal beneficiado mas visto que o nosso bonito estádio é municipal não seria também benéfico para a cidade e para a região? Não nos podemos esquecer que o Fontelo costuma receber por ano um ou dois jogos das selecções jovens...

quarta-feira, 13 agosto, 2014