domingo, abril 09, 2017

SC Olhanense 1-2 Ac. Viseu FC

Estádio José Arcanjo, 9 de abril de 2017
35ª Jornada da Ledman LigaPro
Árbitro: Luís Máximo (Castelo Branco)

Ac. Viseu: Rodolfo; Joel, Bruno Miguel, Bura e Stéphane; Capela (Zé Pedro, 64), Bruno Loureiro e Paná (Rui Miguel, 55); Tiago Borges (Luisinho, 87), Moses e Zé Paulo. Treinador: Francisco Chaló.

Golos: Aldair 34 (1-0), Bura 80 (1-1), Zé Paulo 83 (1-2)

Vitória importantíssima, que nos permite ter uma «almofada» de quatro pontos sobre a zona de play off, num jogo pouco conseguido de parte a parte.

Só aos 20 minutos da partida aconteceu algo digno de (pouco) relevo quando um algarvio, de fora de área, atirou ligeiramente ao lado da baliza defendida por Rodolfo.

Pouco depois, aos 24 minutos, o Académico teve tudo para inaugurar o marcador – jogada de entendimento entre Paná, Stephane e Moses, bola para Bruno Loureiro que coloca em Tiago Borges, sobre a direita, mas o 10 academista não conseguiu marcar, se bem que se tenha que dar mérito ao nº1 da casa na maneira como defendeu o remate de TB10.

Ao minuto 34 o golo do Olhanense. Bola em Bruno Miguel com o central academista a evitar «bater na frente», viu-se depois que era o que devia ter feito, optando por colocar a bola em Paná que se deixa desarmar. A bola sobra para Aldair – o melhor jogador da Olhanense - que sobre a esquerda do seu ataque dispara em direção à baliza de Rodolfo e à saída deste remata cruzado para o golo inaugural.

O intervalo chegou com o resultado a castigar os erros academistas. O empate seria o  resultado mais justo, mas já sabemos como é a justiça em futebol.

Se a primeira parte foi enfadonha, a segunda não foi melhor. O jogo ia-se arrastando para o final – já apenas com Bruno Loureiro e Rui Miguel no meio campo – e o Académico mostrava-se ineficiente, enquanto o Olhanense estava aparentemente confortável na partida.

Até que surge Bura. Foi «à extremo», bola na esquerda do ataque, Bura vem para dentro e dispara para o lado contrário – golo do Académico!
Minutos depois surgem em jogo dois atletas que até então pouco de realmente importante haviam feito no jogo. Moses, na esquerda, cruza e Zé Paulo faz a «cambalhota» no jogo.

Até final registe para uma ENORME intervenção de Rodolfo a negar o empate caseiro e para Moses, já nos descontos, a fazer um movimento idêntico ao de Bura no primeiro golo, mas agora com a bola a bater no poste.

Em suma, uma vitória importante quando já ninguém parecia esperar, mas com uma «nota artística» muito baixa. Mas ganhámos e isso é que é importante!


Parabéns equipa!

3 comentários:

Paulo Teixeira disse...

Aguenta coração!!!!
Vitória importantíssima, 3 pontos que sabem tão bem e que começam a levar a equipa para um bom porto, jogámos mal? parece que sim mas lembram-se como este Olhanense levou a vitória do Fontelo? pois.
Penso que mais 3 vitorias e estamos safos não me parece que 50 pontos cheguem para a manutenção por isso mais vale prevenir que remediar!
Sábado temos tudo para ganhar ao difícil Penafiel acreditem!
FORÇA ACADÉMICO!

Paulo Teixeira.

domingo, 09 abril, 2017
Unknown disse...

Vitória magnífica no 2º jogo mais difícil da época, o mais difícil foi exatamente contra esta mesma Equipa, o Olhanense, no Fontelo, onde perdemos por 1-0. A razão de ser da extrema dificuldade destes jogos julgo que é de todos conhecida, o adversário joga sem nada a perder e isso torna a tarefa muito complicada.
Hoje era daqueles jogos que podia definir a nossa época e por essa razão senti que tinha de estar presente, pois uma vitória fora de casa dava um pontuação já mais condizente com o valor da nossa equipa.
Tarde de sol com muito vento, algo a que não estamos habituados no Fontelo, mas que nos campos do litoral é muito comum.
Académico tem alguma dificuldade nos minutos iniciais em lidar com o adversário e com a dificuldade acrescida do vento. Olhanense com um futebol de contenção e com rápidas saídas para o contra-ataque, onde criou algumas situações de perigo, obtendo golo numa delas. O Académico com um futebol mais elaborado, não conseguiu, contudo, uma 1ª parte ao seu nível.
Na 2ª parte tudo mudou e o Académico dominou por completo e mereceu ganhar o jogo, pecando, apenas, por tardia, a obtenção do 1º golo, mas sempre acreditei, assim como toda a equipa, os que estavam dentro e principalmente os que estavam fora com um apoio e uma crença que foi coroada com uma esplêndida vitória.
Como adepto a acompanhar o Académico há mais de 30 anos fiquei imensamente feliz com a vitória e com o reconhecimento da equipa pelo Apoio que veio da bancada, onde éramos poucos, é verdade, mas com uma fé igual à de todos os Academistas que longe estavam com o seu pensamento em Olhão. Para eles vai a minha dedicatória desta vitória.
Para o Sr. Cabido uma palavra de apreço pela forma elegante e muito correta como está no Futebol e no Académico.
No banco do Académico vi para além de excelentes profissionais, Academistas de coração que sempre incentivaram a equipa mesmo quando parecia que o tempo já escasseava. No banco estavam, por exemplo, apenas e só, Tiago e Tomé, dois dos nosso Capitães e dois dos jogadores com mais “alma” Academista, isto ara além de Elísio, sofreu mais hoje no banco do que naquele massacre de cruzamentos no jogo contra o Santa Clara.

Para Francisco Chaló os meus parabéns pela lucidez que teve no banco ao não mexer a todo o custo e a toda a pressa, pois a equipa estava a jogar bem na 2ª parte e o golo haveria de aparecer como apareceu.
Bura mais um excelente jogo e mais um excelente golo.

Parabéns Académico, excelente viagem de regresso.

Sempre Académico!

Carlos Silva

domingo, 09 abril, 2017
marco disse...

Magnífico comentário e vitória. Parabéns ao académico e aos academistas.

quarta-feira, 12 abril, 2017