sábado, outubro 08, 2016

SC Freamunde 1-1 Ac.Viseu FC

Complexo Desportivo de Freamunde, 8 de outubro de 2016
9ª Jornada da Ledman LigaPro
Árbitro: Bruno Esteves (Setúbal)

Freamunde: Rui Nereu; Rodolfo, Eridson, Luís Pedro (c) e Rui Rainho; Paulo Grilo e Pape Balla (Mochine, 28); Miguel Pedro, Iván Perez (Maxi Laso, 76) e Leandro Chaparro (Leandro Pimenta, 63); Diogo Ramos. Treinador: Carlos Brito.

Ac. Viseu: Diogo Freire; Tomé (c), Bura, Park e Ricardo Ferreira; Capela, Pana e Saná; Yuri (Tiago Borges, 72), Luisinho (Carlos Eduardo,82) e Zé Paulo (Zé Pedro, 68). Treinador: André David (por castigo deste era Octávio Moreira que estava no banco).

Expulsão: Capela 75

Golos: Zé Paulo 18 (0-1), Luís Pedro 30 (1-1)
Recorte de A Bola

No dia de estreia de Diogo Freire, no que a jogos da Segunda Liga diz respeito, o Académico chegou ao 18º jogo fora de portas sem vitórias (4 treinadores - Ricardo Chéu, Bruno Ribeiro, Jorge Casquilha e André David), acabando por trazer para Viseu um ponto.

Começou melhor o Académico com registo para duas grandes oportunidades de golo, uma para Saná e outra por Zé Paulo, prenúncio do que viria a acontecer ao minuto 18 com o avançado brasileiro a aproveitar uma falha da defesa da casa para bater Rui Nereu.

O Freamunde reagiu bem, sobretudo depois da entrada de Mochine Hassan, e conseguiu alcançar o empate, ao minuto 30, com o capitão dos capões, Luís Pedro, a conseguir o golo perante alguma apatia academista. Antes do intervalo a equipa da casa ainda atirou uma bola ao poste academista mas o resultado não se alterou.

Voltou a ser o Académico a entrar melhor na segunda parte e logo no segundo minuto da etapa complementar Zé Paulo queixa-se de ter sido travado na área adversária, mas o árbitro nada assinalou.

Antes do lance que marcou a partida, a expulsão de Capela, o Académico teve duas ou três boas oportunidades de marcar - uma dela com Rui Nereu a ajudar - mas não conseguiu desfazer o empate.

A 15 minutos do final da partida Capela viu o segundo cartão amarelo da partida - o árbitro teve no aspeto disciplinar uma gritante dualidade de critérios - e a partir daí o nosso clube, que não tinha no banco nenhum "6" ou "8", não mais conseguiu importunar a defesa contrária, se bem que também não tenha mostrado grandes dificuldades em segurar o empate.

Com este resultado o Académico mantém a 20ª posição, agora com 7 pontos, estando a um ponto dos lugares de play off e 3 dos lugares que garantem a manutenção.

O Académico no próximo fim de semana deslocar-se-á a Torres Vedras, para defrontar o Torrense, em jogo a contar para a Taça de Portugal. Jogará novamente na Ledman LigaPro no terreno do Santa Clara no dia 19.

Nota: Crónica tendo por base o que ouvimos no relato da Estação Diária.
Recorte de A Bola

Notas aos jogadores: 3,5 –Zé Paulo; 2,5 – Diogo Freire, Tomé, Bura, Park, Ricardo Ferreira, Capela, Pana, Saná, Yuri, Luisinho; 1,5 – Zé Pedro, Carlos Eduardo e Tiago Borges.

12 comentários:

Hélder Albuquerque disse...

Foi um jogo fraquinho , hoje, em Freamunde.

O Académico tem uma atitude competitiva muito fraca, e só por isso é que não saiu de Freamunde com uma vitória com 2 ou 3 golos de diferença, porque eles são muito fracos.

A arbitragem de hoje foi esquisita. A expulsão do Capela é injusta e despropositada. Ele, e outros jogadores, como o Zé Pedro, tentaram atrasar a reposição da bola por parte do GR do Freamunde e..... 2º amarelo para o Capela. Mesmo assim, mesmo com 10, o CAF poderia ter ganho o jogo, se não tivesse passado os últimos 15 minutos do jogo preocupado em manter o empate.

Reafirmo: plantel de qualidade como o que temos esta época, merece orientação de outro nível!

Não auguro um desfecho muito positivo para esta época, se nada for alterado...

sábado, 08 outubro, 2016
Paulo Teixeira disse...

Não ganhámos porque o nosso treinador tem medo de perder, está tudo dito.

Paulo Teixeira

domingo, 09 outubro, 2016
pmarq disse...

A ricardo chéu, que tinha um plantel incomparavelmente pior, foi pedida a subida e foi despedido porque estava a meio da tabela, a este, que na minha opinião tem o melhor plantel desde que estamos na 2a liga, foi pedido o quê? Explique-nos sr albino!

Os adeptos estão cada vez mais desanimados e há cada vez menos gente no fontelo, porque será?

domingo, 09 outubro, 2016
Lino Esteves disse...

A equipa joga sem chama, despachou o Tiago Costa ficando apenas com o Tomé para a posição de defesa direito, não conta com o João Ricardo que faz a posição de trinco, onde está a jogar o Capela que nunca poderá ser um médio defensivo mas sim ofensivo, este treinador é um inventor.

domingo, 09 outubro, 2016
Unknown disse...

O Académico não ganhou porque nos últimos 20 minutos quando a nossa atitude era claramente de tentar ganhar o jogo, tal ficou liquidado com a expulsão absurda de Capela. Notava-se, nessa fase, que o Académico estava melhor fisicamente e que poderia chegar À Vitória, pois Borges trouxe muita velocidade ao ataque Academista.

Ou seja, hoje o empate é um resultado que é positivo e poderiam ser claramente os 3 pontos, agora todos estamos muito ansiosos e nervosos, não por este jogo, mas pelo poucos pontos amealhados nos anteriores.

Vamos APOIAR para somar 6 vitórias nos próximos 10 jogos e deste modo regressar ao meio da tabela!

Sempre Académico!

Carlos Silva

domingo, 09 outubro, 2016
José Ferreira disse...

Sobre o treinador: Não sou adepto de “chicotadas psicológicas”, mas estranho que ainda se mantenha o André David como treinador, porque não é habitual o presidente manter um treinador tanto tempo com estes resultados.´

Sobre o resultado: É um bom resultado

Outros pontos:

Como é possível o Hélder Albuquerque dizer que esta equipa do Freamunde é fraca? Baseia-se em quê para dizer isso?

Paulo Teixeira diz que o treinador teve medo de perder este jogo e por isso é que não venceu. Pode-me explicar esse seu ponto de vista?

segunda-feira, 10 outubro, 2016
Hélder Albuquerque disse...

Baseio-me no que vi... estive no estádio a ver o jogo, como nas últimas épocas e foi o freamunde mais fraco que vi. Aliás, os adeptos locais disseram o mesmo. Ouvi-os inclusivamente a dizer que é para descer.
O José Ferreira lembra-se de os ver tão mal classificados?

E o Paulo Teixeira tem razão no que diz. O académico devia ter ido para cima deles, porque estavam de rastos, e o treinador foi ultra conservador, limitando-se a fazer trocas por trocas.

Estando o Freamunde como está, era um jogo pasta ganhar de caras...

segunda-feira, 10 outubro, 2016
José Ferreira disse...


Rui Nereu- 51 jogos na Segunda Liga. Até na Liga dos Campeões já jogou!

Rodolfo – 53 jogos na Segunda Liga. Depois de alguns anos no CNS na época passada fez uma grande época no Olhanense, teve vários clubes interessados optou pelo Freamunde.

Eridson – Todos os conhecemos, dispensa apresentações.

Luís Pedro – 226 jogos e 6 golos. Um histórico da equipa, jogou sempre na Segunda Liga desde que subiu a senior.

Rui Rainho – 91 jogos e 4 golos na Segunda Liga. Um dos melhores defesas esquerdo da Liga, foi sempre titular pelos clubes por onde passou (exceto na época 12/13 quando representava o Chaves no CNS).

Paulo Grilo – 113 jogos e 1 golo na Segunda Liga. Já jogou na I Liga ao serviço de Académica e Penafiel.

Pape Balla – Um “desconhecido”.

Iván Perez – Já jogou na I Divisão da Argentina. Mesmo não sendo um indiscutível na época passada fez 30 jogos e marcou 3 golos na Segunda Ligaao serviço do Freamunde.

Miguel Pedro – 112 jogos e 12 golos na Segunda Liga, 184 jogos e 9 golos na I Liga (Académica, Feirense e V. Setúbal).

Chaparro – 38 jogos -7 golos na Segunda Liga, 15 jogos na I divisão (Estoril) para onde se havia transferido depois de dar nas vistas no Beira Mar.

Diogo Ramos – Formado no FC Porto. Várias épocas a jogar em Iªs Divisões estrangeiras (Roménia e Chipre). 108 jogos e 28 golos na Segunda Liga.

É este grupo de jogadores que o Senhor considera fracos. A estes juntem-se os lesionados Stephane Madeira, Fausto Lourenço e Yero (entre outros) e temos um clube que não vai de maneira nenhuma descer de divisão.

Não estive no Estádio, moro a 400 km, ouvi o relato e pelo que lá disseram o Académico esteve quase sempre por cima, não sei sinceramente o que mais queriam. A não ser que quisessem mesmo com 10 colocar em campo o Sandro Lima.

“Estando o Freamunde como está, era um jogo pasta ganhar de caras...”,o Académico está pior!

segunda-feira, 10 outubro, 2016
Hélder Albuquerque disse...

Ok, caro amigo. Desde quando é que um bom plantel faz uma boa equipa? Além disso, é apenas a minha opinião... mas realço que ouvi resta opinião da boca dos adeptos do freamunde...

O académico não esteve quase sempre por cima, não senhor... quase não rematou à baliza e o golo foi um lance de sorte.

Não queria o Sandro Lima, mas queria um sinal de que queriam ganhar e não o vi...

Noutras épocas, um ponto em freamunde era óptimo...nesta, não!

Saliento, porém, que é a minha opinião...

segunda-feira, 10 outubro, 2016
José Ferreira disse...

Se mesmo depois de lhe ter dito o que disse sobre o Freamunde continua a achar que são fracos,nada mais posso dizer.

Então mentiram no relato. Já agora A Bola diz que o Académico entrou a todo o gás, que o Freamunde equilibrou e que a expulsão de Capela deixou o Académico vulnerável.

segunda-feira, 10 outubro, 2016
Hélder Albuquerque disse...

Ah... ouviu o relato e leu a crónica de 5 ou 6 linhas do A Bola... É bem melhor do que ver ao vivo.
O Académico não ficou vulnerável... mesmo contra 10, o freamunde não chegava à área do CAF. Só que nós também não queriamos passar do meio-campo. Este treinador faz tudo "by the book" e não tem destreza para aproveitar e explorar as fragilidades dos adversários.

Mas eu não quero saber do freamunde... quero é saber do CAF e quero que ganhe ou, pelo menos, que jogue para ganhar!

Um abraço.

segunda-feira, 10 outubro, 2016
José Ferreira disse...

Veja o comentário do Carlos Silva neste post, ele viu o jogo e diz mais ou menos o que li e ouvi no relato. São "3 contra 1".
Termino aqui a "discussão" sobre este tema.

terça-feira, 11 outubro, 2016