segunda-feira, junho 06, 2016

Notícia de interesse academista


Jorge Casquilha deixou o comando técnico do Ac. Viseu depois de ter garantido a permanência na LigaPro. O treinador, de 47 anos, que assumiu a equipa já bem perto do final do campeonato e conseguiu o grande objetivo da temporada, ainda esteve a negociar a sua continuidade com a direção liderada por António Albino, após o fecho das competições, mas não chegou a acordo para prolongar o seu vínculo. Entretanto, acabou por ser substituído por André David, técnico que já foi apresentado no Fontelo.

"Fui convidado pelo presidente, a seguir ao jantar de encerramento da temporada, para falarmos sobre uma proposta para a minha continuidade no clube. Ficou decidido que iríamos reunir-nos durante essa semana para discutirmos a renovação, mas essa reunião nunca chegou a existir", contou Jorge Casquilha a Record, partindo, logo de seguida, para um sentido desabafo. "Tentaram denegrir a minha imagem e eu não gostei disso", admitiu, referindo-se às mensagens que passaram para o domínio público, segundo as quais o treinador ter-se-ia oferecido a outros clubes, o que serviu de justificação para o facto de não lhe terem renovado o contrato.

Perante esse cenário, Casquilha admite que tentou confrontar António Albino com a reunião que havia ficado acordada, mas o líder do clube continuou a "adiá-la constantemente". Foi, pois, "com surpresa" que viu as negociações com André David evoluírem.



"Mudar de treinador é um direito que assiste ao clube, como é um direito meu não querer continuar na situação a que estive sujeito nos últimos dois meses", prosseguiu Jorge Casquilha, dando assim a entender que ficou longe de chegar a um acordo com a direção viseense para se manter no comando técnico da equipa na próxima temporada.

O treinador, que já orientou clubes como o Moreirense, Leixões e U. Leiria, foi ainda mais longe e mostrou-se desagradado com a forma como os dirigentes do clube o trataram: "O futebol para mim é simples, mas existem pessoas que gostam de o complicar."

Autor: Tiago Jorge Pereira in Record (foto incluída)

5 comentários:

Anónimo disse...

Boa tarde,
Seria bom o srº Albino dizer alguma coisa sobre esta situação. O bom nome do Acadêmico tem de ser defendido, já não é o primeiro que se queixa.

segunda-feira, 06 junho, 2016
Viriatus disse...

Isto de vir denegrir e fazer acusações depois de não lhe renovarem o contrato, não lhe fica bem.
Se tinha algo a dizer devia tê-lo feito logo após o termino do campeonato, agora devia ter ficado calado.
A ser verdade, que ficou combinado uma reunião, o Sr. Albino não teve comportamento de um "digno beirão", ao não ter honrado a palavra.
Vamos ver como a época vai ser preparada, para que os erros do passado não se repitam, a menos que o Presidente queira descer de divisão....

segunda-feira, 06 junho, 2016
Miguel Valente disse...

Nos últimos anos estas coisas têm sido correntes: o diz que disse, o acordo que já não é, a questão dos ordenados. Já chega. É preciso um gabinete profissional de comunicação e sobretudo que quem represente o Académico, o faça com a lisura que está instituição centenária merece e os sócios exigem.

segunda-feira, 06 junho, 2016
Anónimo disse...

Profissionalismo no Académico é coisa que não existe...É só vergonhas, ninguém explica nada, enfim digno de um clube dos regionais.

terça-feira, 07 junho, 2016
Anónimo disse...

Chegará um dia em que nenhum treinador vai querer ouvir sequer falar do Académico.
Estas situações vão-se repetindo e não há razão nenhuma para elas. Se o clube não quer contar com o treinador A, pura e simplesmente diz-lhe isso, mais nada!
A ser verdade o que aqui se diz e casos anteriores parecem confirmá-lo, o nosso Académico deixou de ter palavra, a palavra sagrada que devia ser bastante e que serviu muito bem durante muitos anos.
A deriva de contratar e descontratar treinadores, descartando-os como quem muda de camisa, não dará bom resultado, seguramente.
O senhor Albino, a grande alma deste nosso Académico, deverá questionar-se sobre quanto foi gasto em contratos anulados a dois ou mais treinadores por época e se não seria melhor gastar algo mais numa contratação de treinador eficiente e capaz de cumprir os objectivos realistas que lhe coloquem.
Definir objectivos e cumpri-los! Não ´despedir porque não atinge objectivos que pelo vistos nem os treinadores conhecem!

terça-feira, 07 junho, 2016