sábado, maio 10, 2014

CD Aves 4-2 Ac. Viseu FC

Estádio do Desportivo das Aves, 10 de maio de 2014
42ª Jornada da Liga 2 Cabovisão
Árbitro: Paulo Baptista (Portalegre)

Aves: Quim (Rui Faria, 90), Leandro, Romaric, João Paulo, Jorge Ribeiro, Tito, Luís Manuel (Vasco Matos, 81), Vasco Rocha, Pedro Pereira, Andrew e Fábio Martins (Zé Valente, 73). Treinador: Fernando Valente. 

Ac. Viseu: Hélder Godinho; Tiago Costa, Cláudio, Paulo Monteiro e Ricardo Ferreira (Zé Rui, 73); Capela e João Alves (Leonel, 55); Bruno Loureiro, João Martins e Luisinho (Bruno Grou, 78); Cafú. Treinador: Ricardo Chéu. 

Expulsão: Paulo Monteiro 66

Golos: Jorge Ribeiro 25 (1-0), Romaric 43 (2-0), Cafú 47 (2-1), Andrew 51 (3-1), Zé Valente 78 (4-1), Cafú 84 (4-2)
Foto de Rogério Ferreira retirada do site zerozero.pt

 O Desportivo das Aves garantiu um lugar na "liguilha" de acesso à I Liga, ao vencer em casa o Académico de Viseu (4-2) e acabar em terceiro do segundo escalão entre os elegíveis para subir. Os golos de Jorge Ribeiro e Romaric, na primeira parte, e de Andrew e Zé Valente, na segunda, carimbaram o acesso da formação avense ao confronto com o Paços de Ferreira, 15.º da I Liga, que colocará o vencedor no campeonato principal de 2014/15. O Académico de Viseu entrou melhor na partida, mas essa tendência não durou muito tempo, tendo a equipa da casa assumido o comando e dominado ao longo de grande parte da primeira metade. O primeiro lance de perigo aconteceu aos três minutos, para o lado do Académico de Viseu, com Luisinho a atirar para a baliza com perigo, valendo a atenção de Quim. Mas, logo de seguida, os avenses organizaram-se defensivamente, aceleraram a nível ofensivo e, aos 10 minutos, já controlavam a partida, criando a primeira ocasião de perigo num remate de Jorge Ribeiro, que atirou por cima. Seguiu-se uma grande pressão levada a cabo pela equipa do Desportivo das Aves, que apenas pecou na finalização. Depois de muitas ameaças, o Aves conseguiu chegar ao golo, aos 25 minutos. Na marcação de um livre direto, Jorge Ribeiro inaugurou o marcador. O segundo tento dos locais aconteceu a poucos minutos do intervalo, e depois de um canto apontado por Pedro Pereira. Romaric, oportuno, rematou a contar. Depois do intervalo, o Académico de Viseu entrou mais pressionante e, logo aos 47 minutos, reduziu a desvantagem, por Cafu, em resposta a cruzamento de Luisinho. Mas, o Desportivo das Aves não estava disposto a deixar fugir a possibilidade de acesso à "liguilha" e não permitiu à equipa de Viseu subir mais no terreno. Andrew e Zé Valente, que tinha acabado de saltar do banco, ainda marcaram mais dois para os locais, confirmando a vitória do Desportivo das Aves, que, a partir do minuto 66, ficou a jogar com mais um, em virtude da expulsão de Paulo Monteiro. O Académico de Viseu ainda conseguiu marcar mais um golo, aos 84, novamente por intermédio de Cafú, mas o triunfo dos avenses já estava garantido

 In Record

Notas aos jogadores (Record): Hélder Godinho (2), Tiago Costa (2), Cláudio (3), Paulo Monteiro (2), Ricardo Ferreira (3), Capela (3), João Alves (3), Bruno Loureiro (3), João Martins (3), Luisinho (2), Cafú (4), Leonel (2), Zé Rui (1), Bruno Grou (1)

6 comentários:

Anónimo disse...

Campeonato Nacional da 2ª Liga
42ª Jornada, 10 de maio de 2014 – Estádio do Fontelo - Viseu
Desportivo das Aves - 4; Ac. Viseu – 2

Final de época penoso para o Académico com uma série de maus resultados, ao nível do que aconteceu na 1ª fase da época, com uma grande diferença, enquanto que nos primeiros jogos o Académico, claramente se notava que não estava em condições de discutir o jogo, pois a equipa estava em construção e tinha falta de opções, nesta parte final, a equipa estava consolidada, teve no entanto uma série de contra-tempos, lesões, castigos, que enfraqueceram muito a equipa, para além do cansaço, associado a um período da época em que o Académico praticou um futebol de sonho, mas que acabou por levar alguns jogadores à exaustão.
No último jogo no Fontelo, o Académico, por exemplo, perdeu, é verdade, não jogou bem na 1ª parte, é também verdade, mas na 2ª parte jogou bem, em largos períodos e fez o suficiente para merecer ganhar o jogo, mas, aconteceu futebol e o Académico perdeu. Já tinha sucedido parecido com o Trofense.
Hoje, na Vila das Aves, o Académico entrou bem, criou a 1ª situação de perigo, mas depois, o Aves, com o Estádio cheio, muito motivado acabou por assumir o comando do jogo, é verdade que sem conseguir criar grandes situações de perigo, no entanto por volta de meio da 1ª parte, Paulo Monteiro, faz falta, no entender de Paulo Batista, em zona proibida, e Bruno Ribeiro remata para a baliza fazendo o 1º golo, sem que Hélder Godinho nada conseguisse fazer. O Académico até ao intervalo não conseguiu grande reacção e perto do intervalo em lance de bola parada, canto, novamente o Aves a fazer o 2-0, com Hélder Godinho a não fazer tudo para evitar o golo, a menos que tenha sofrido falta. !ª parte nada conseguida por parte do Académico tirando a parte inicial, ou seja um má 1ª parte a comprometer praticamente eo resultado do jogo.

Na 2ª parte o Académico entrou novamente bem, e por Cafú, num grande jogada faz o 2-1 e fez tremer a equipa dos Aves e os seus adeptos nas bancadas que ficaram em silêncio. O Académico jogava com critério, mas numa perda de bola de João Alves, em zona proibida, o Aves de forma muito rápida faz o 3-1, ou seja esta equipa basei o seu futebol em um grande-guarda redes, Quim, uma boa defesa e saídas rápidas par ao contra-ataque.

O 3-1 praticamente acabou com o jogo e de seguida as coisas ficaram piores quando Paulo Monteiro faz falta, novamente em zona frontal e leva o 2ª amarelo, sendo expulso. Do livre nasce o 4-1 e com isso o Aves assegura o 3º lugar. Daí atá final, mesmo com 10, o Académico ainda teve algumas boas jogadas e numa delas Zé Rui faz o 4-2, tendo antes Bruno Grou isolado perante Quim desperdiçado uma clara ocasião de golo.

Em resumo, final de época muito penoso, para o Académico, mais em termos de resultados do que propriamente das exibições que foram más, em algumas partes do jogos, mas não na sua totalidade.
Hoje, houve demasiados erros individuais e com isso a equipa ressentiu-se muito e acabou por perder um jogo, que com outra sorte no jogo, e sem esses tais erros, poderia perfeitamente discutir de outra forma,


Pena este final de época pois deixa uma imagem que não merecia ser aquela que queríamos e merecíamos associada à nossa equipa, que a dada altura chegou a praticar o melhor futebol da 2ª liga, um futebol fantástico, muito rápido, com imensas oportunidades de golo, e com uma solidez defensiva impressionante.

(continua)

Carlos Silva

domingo, 11 maio, 2014
Anónimo disse...

(continuação 1)

Vamos em frente e vamos preparar bem a próxima época, pois esta serviu de aprendizagem para todos, e há coisas boas que queremos repetir e outras que não correram bem mas que deixaram grandes ensinamentos para a próxima época.
Quim, guarda-redes do Aves foi substituído a poucos minutos do fim e foi muito saudado por todos, dando a entender que estaria abandonar o futebol como jogador profissional. Se assim foi a minha homenagem a um grande jogador do futebol português, sempre com uma excelente atitude e uma grande correcão para com colegas e adversários. Quim, um exemplo para os mais jovens e para todos.
Foi Guarda-redes de Portugal durante um largo período de tempo e manteve sempre a mesma humildade, quer nessa fase, quer agora no Desportivo das Aves.

Como balanço muito resumido à época do Académico, o saldo final global tem de se considerar positivo, para um regresso a este patamar década e meia depois. Há no entanto períodos distintos da longa época, que se podem dividir do seguinte modo:
1ª fase: 3 primeiras jornadas, Académico em construção, com uma tremenda falta de opções, com um inépcia total na frente de ataque e com uma razoável solidez defensiva.
2ª fase: da 4ª à 10ª jornada, parte dos problemas anteriores mantiveram-se, no entanto em termos defensivos a equipa melhorou, mas lá na frente as coisas não aconteciam e as vitórias não apareciam. À 10º jornada, 6 pontos, e apenas uma vitória. Houve jogos em que o Académico, até foi superior ao adversário em jogo jogado, em Aveiro, por exemplo, na 2ª parte, e em casa com o Cheves, mas a verdade é que as derrotas se sucediam por 1-0.
3ª fase: 11ª à 20ª jornada, o Académico entrou numa nova fase, em que já conseguia ganhar os seus jogos em casa, mas fora era de uma total inoperância e a derrota com o Trofense foi difícil de digerir, pois o Trofense era a nulidade absoluta e conseguiu vencer, com muita sorte e anti-jogo o Académico, mas a verdade é que não se podia perder aquele jogo.
4ª fase: dois jogos em que tudo nos sai mal, apesar de boas exibições, Moreirense, em casa e Braga B, fora, e 2 derrotas que tudo precipitaram.

5ª Fase: entrada de Ricardo Chéu, com um início de sonho, logo no jogo com o Marítmo B, um golo aos 18 segundos e uma vitória em casa. Daí em diante foram uma sucessão de excelentes resultados e de boas e excelentes exibições, com muitas vitórias e com apenas uma não vitória no 2ª jogo, em Tondela, onde o Académico tudo fez para ganhar e onde mereceu claramente ganhar.
Nesta fase o Académico ganhava em casa, como já vinha a acontecer, mas passou a ganhar fora e com regularidade, algo que não acontecia há 20 anos!
6ª fase: o jogo com o Benfica B, em casa, o Académico embalava para o lugar que poderia dar acesso ao play-off, a equipa respirava confiança, os Adeptos voltaram em grande número ao Fontelo, e nesse jogo, o Académico faz uma tremenda exibição perante um Benfica de grande qualidade, marca primeiro no jogo, e quando tudo parecia bem encaminhado, sofre um golo, que normalmente não acontece e vai par ao intervalo empatado. Na “ª parte o Benfica volta a marcar, e daí até final o Académico jogando, muito, muito mesmo cria várias situações de golo e tem no final uma arbitragem que condiciona o resultado final, não marcando um penalti a nosso favor e anulando um golo limpo, limpinho, já nos descontos.
Perdemos esse jogo e de algum modo o embalo para um dos lugares de subida ou do play-off.


(continua 1)

Carlos Silva

domingo, 11 maio, 2014
Anónimo disse...

(continuação 2)

7ªfase: a equipa reagiu bem a esse resultado negativo e voltou a vencer em casa, mas depois perde novamente no com o Porto B, fora fazendo uma grande exibição na 2ª parte, mas mais uma vez, perdendo por 3-2. Faz ainda mais alguns jogos bons, em casa, mas fora as coisas começam a complicar-se e…
8ª fase: a derrota com o Atlético, último classificado da altura, numa fase em que a equipa ia super desfalcada, mas como era o jogo com o último, ainda se poderia esperar que fosse possível vencer, não foi e daí em diante tudo começou a corre mal, com a derrota seguinte, em casa com o Trofense e assi por diante.
A equipa começou a sentir o cansaço, e os resultados fora de casa voltaram a ser maus, e em casa, as exibições deixaram de ter o brilho daquele série inicial de Chéu no Académico.

Vamos jogar novamente a 2ª Liga, para aproxima época, voltamos a participar na Taça da Liga, poderemos ambicionar ir mais longe nessa competição e na Taça de Portugal, onde se tivermos sorte no sorteio podemos apanhar um grande no Fontelo e aí conseguir 15 mil pessoas no Fontelo!
Vamos encarar desde a 1ª jornada o Campeonato com a ambição de ganhar jogo a jogo como tem de ser, mas pensando sempre que não somos em nada, nada mesmo inferiores seja a quem for, e provámos isso, nesta primeira época. Temos instalações ao nível dos melhores, assistências ao nível dos primeiros, plantel e qualidade de jogo que em nada ficar a dever à maioria das equipas, por isso há que encarar cada jogo, com toda a determinação e vontade de o vencer.

Aos Sócios e Adeptos pede-se que cumpram o seu papel que é o de APOIAR sempre, estar sempre presente e divulgar junto de amigos e familiares o Académico de modo a que mais e mais venham ao Fontelo.
À Direção, o papel mais ingrato, não me canso de o referir, cabe o papel de assegurar a sustentabilidade do Clube, a promoção por todos os meios possíveis do Clube e o lançamento atempadamente de uma campanha, ou várias de angariação de sócios, Bilhete família, etc., pois essas campanhas acabam por resultar e levar mais pessoas ao Estádio.

Hoje, por exemplo, na vila das Aves, bilhete único, para sócios e não sócios, 2 Euros e o Estádio estava com uma excelente casa, segundo a liga quase 3 mil pessoas, 6 vezes mais do que na última jornada do Aves, em casa.

Força Académico!

Carlos Silva

domingo, 11 maio, 2014
Paulo Teixeira disse...

E pronto chega ao fim mais um campeonato e para o Académico chega mais uma derrota, vamos ficar ou em 11º ou 12º uma classificação que de certa forma não condiz com aquilo que a equipa fez nesta segunda metade da campeonato mas uma coisa é certa pusemo-nos a jeito nestas ultimas 6 jornadas para descer na classificação, no fundo foi uma época positiva pois nunca ouvi a direcção falar em subida e por isso temos de aceitar esta classificação como positiva, gostava que o Académico tivesse ganho mais vezes quem não gostava, lembrem-se das épocas que o nosso clube desceu para os escalões inferiores, hoje podemos jogar com tranquilidade a ultima jornada sem a corda ao pescoço de outras épocas, lembrem-se que esta equipa á 16ª jornada bateu no fundo deste campeonato deixando todos os academistas á beira de um ataque de nervos, mas sem duvida que a seguir fizemos coisas bonitas, recordo os 3-0 aplicados ao Portimonense e ao Aves, recordo também a nossa primeira vitória fora em Chaves e logo em Chaves uma das melhores equipas deste campeonato, recordo um jogo fantástico onde estivemos magníficos frente ao Sporting no Fontelo, confesso que a seguir a este jogo comecei a sonhar alto mas era quase impossível alcançar um lugar de promoção porque aquela primeira volta foi má demais para ser verdade, e recordo também um jogo da Taça em Marvila frente ao Oriental onde nos qualificamos através da marca de grandes penalidades, saí dali completamente rouco quase afónico mas foi por uma boa causa, e depois também recordo os maus momentos, a primeira derrota no Fontelo na segunda jornada frente ao Braga deixou-me irritadissimo, aquela derrota na Trofa que atirou-nos para o ultimo lugar deixou-me em desespero, mas conseguimos sair do buraco e agora direcção pode começar a planificar a próxima época com calma e sobretudo com os pés bem assentes na terra, pessoalmente gostava que ficasse quase o plantel todo, mas sei que vai ser difícil, aquela boa fase da equipa entre Janeiro e Fevereiro deixou muito boa gente de boca aberta para alguns valores da equipa e sei que vai ser difícil segurar alguns mas penso que era prioritário segurar Ricardo Janota, Tiago Costa, Tomé, Tiago Rosa, Paulo Monteiro, Marco Lança, Tiago Gonçalves, Cláudio, Leonel, Capela, Bruno Loureiro, João Martins, João Alves, Luisinho e Cafu, quanto ás aquisições era bom contratar qualidade em detrimento da quantidade.
Ao que parece a mudança da segunda liga para a próxima época está quase posta de parte, assim ao contrario das duas zonas norte e sul vamos ter um campeonato com 24 equipas onde sobem os dois primeiros e descem os três últimos, pessoalmente a acontecer deixa-me bastante satisfeito pois vou poder assistir pelo menos a três jogos do Académico na zona de Lisboa
Agora vamos assistir ás movimentações que aí vêm e vão ser muitas disso tenho certeza, e apelo á massa associativa deste clube que continue com o seu nome ligado a este grande clube e claro para os que ainda não são sócios está na hora de o serem!

Paulo Teixeira sócio 752.


domingo, 11 maio, 2014
Anónimo disse...

Deixemo-nos de tretas. Para uma época como a nossa, com a direcção a tardar em substituir um técnico que não resultava, ficarmos na metade de cima da classificação é muito bom! O primeiro grande objectivo foi alcançado: Não descer de divisão! O segundo objectivo possível, lutar pela subida, esteve sempre comprometido pelo atraso na substituição do FM.
Resta dizer que foi um campeonato digno, que com a entrada de Chéu praticámos o melhor futebol da competição e que para o ano cá estamos, com ganas de fazer mais e melhor. Espero que a direcção cuide muito bem da Feira de S. Mateus, onde é preciso marcar presença em grande, inscrevendo sócios, mostrando imagens, oferecendo convites para os primeiros jogos, chamar as famílias Beiroas ao nosso Fontelo. Oferecer convites familiares, dois adultos e duas crianças a quem for ao nosso pavilhão e comprar uma camisola, um cachecol, um porta-chaves, sei lá...

domingo, 11 maio, 2014
Anónimo disse...


Ricardo Chéu já fez saber que se quizerem a sua continuidade teremos que ter uma equipa para lutar pela subida de divisão. para esse objectivo precisaremos de 10-12 bons reforços, com experiência nas competições profissionais e uma estrutura directiva muito mais activa e dinãmica. A meu ver deveríamos utilizar a boa iniciativa que o SLB teve e enviar propostas para sócios para todos os visienses, e não só, com campanhas apelativas para aumentar a massa humana unindo cada vez mais a cidade ao clube.

segunda-feira, 12 maio, 2014