quarta-feira, fevereiro 26, 2014

O "roubo", o mau tom e a falta de respeito

Para falarmos do que queremos temos que, forçosamente, regressar ao dia 22 de janeiro de 2014, altura em que recebemos, no Fontelo, o Sporting da Covilhã. Numa decisão polémica, e incompreensível, Duarte Gomes voltou atrás na sua decisão de marcar grande penalidade e “inventou” um livre indireto. Não podemos escamotear, pelo menos eu não o faço, que nesse lance fomos objectivamente beneficiados.

Logo o vídeo correu o país, de lés a lés, e até a nota de Duarte Gomes nesse jogo, teve honras de primeira página num jornal desportivo, creio que no Record. Deram a esse jogo uma importância inusitada, uma importância que a Segunda Liga não costuma ter para os jornais, sempre muito concentrados nos problemas ridículos dos três estarolas do nosso futebol, a que muitos gostam de chamar grandes. Não queremos, com isto, achar que os adeptos dos serranos não tenham tido motivos para reclamar. Tiveram. Assim como os academistas tiveram razão de queixa quando, o mesmo Duarte Gomes, não expulsou o serrano Massaia. Mas não me custa admitir que o erro final foi o mais gravoso.

Posto isto estava mais do que visto, que um dia tínhamos que pagar a factura. Pagámo-la no último sábado, quando nos anularam um golo limpo, e não nos foi concedida uma grande penalidade. Esse vídeo, vá lá saber-se porquê não correu o país. Já repararam, por exemplo, que no lance da possível grande penalidade o árbitro aponta primeiro para a grande penalidade, e só depois apita e marca pontapé de canto. Porque é que esse vídeo não corre o país? Não interessa?

Alguém dizer que nos devíamos calar, só porque já fomos beneficiados, só pode ser brincadeira. Temos o mesmo direito à indignação que os adeptos do Sporting da Covilhã, por exemplo.

No domingo, no Fontelo, estiveram 3031 espectadores. A melhor casa da época em toda a Segunda Liga! E quantas referências a esse facto nos jornais desportivos que consultamos? Nenhuma!

Num país em que são poucas as pessoas que vão “à bola”, não dar relevo a este facto parece-nos de mau tom. Para além de ser o jogo da Segunda Liga com mais espectadores na presente época, dizer também que “só” 95 jogos da primeira liga tiveram mais espectadores. Recordamos que já foram realizados 300 jogos da primeira liga na presente época. E não me venham com essa de que tivemos esses espectadores porque o adversário era o clube “com mais adeptos em Portugal”. As estatísticas desmentem a falácia que tentaram criar com a introdução das equipas B, a de levar mais adeptos aos jogos da Segunda Liga.

Por último quero que vejam a falta de respeito de que fomos alvo no jornal Record. Os jogadores do Benfica tiveram um destaque que os do Académico não tiveram. Até aí tudo bem, tem sido essa a lógica (ou a falta dela) do jornal em causa. Mas reparem que não tivemos direito ao pequeno rectângulo que usam para descrever a exibição dos oponentes da equipa B dos estarolas, como por exemplo os jogadores do Moreirense tiveram. É este o respeito pelos "pequenos"?

E o que dizer do jornal “A Bola”? Vejam o último parágrafo! Primeiro foi o golo anulado e só depois é que foi o penalty. Não terá sido ao contrário?


José Carlos Ferreira, sócio 325 do Académico de Viseu Futebol Clube
recorte do jornal Record
Recorte do jornal Record onde se vê que os jogadores do Moreirense tiveram um "destaque" que os do Académico não tiveram
Recorte do jornal A Bola

6 comentários:

--FD disse...

E claro, no jogo Académico de Viseu - Sporting Covilhã o jogador poderia ter falhado o penalty. O Académico de Viseu é que foi objectivamente prejudicado no jogo contra o Benfica visto que lhe foi subtraindo um golo marcado de forma limpa. Só se pode anular um golo se se tiver a certeza da decisão - a jogada não tinha sido interrompida antes. E tal como toda a gente viu, o nosso jogador estava em linha com o defesa do Benfica. Até a linha da pequena área ajudava a ajuizar... Foi uma falha imperdoável e com prejuízo para o Académico.

quarta-feira, 26 fevereiro, 2014
Anónimo disse...

Beneficiado??? E durante o jogo não houve 2 expulsões por marcar a jogadores do covilhã...o jogo antes desse lance tem mais minutos...

quarta-feira, 26 fevereiro, 2014
josé péreira frança disse...

Peço desculpas aos leitores Eu só quero fazer uma pergunta, muitas vezes é dito que o academico de Viseu começa a incomodar muita gente. Acho que é difícil de entender.???

quarta-feira, 26 fevereiro, 2014
ribeiro disse...

ola amigos fomos claramente prejudicados no jogo do benfica. relativamente ao jogo da covilha, ate o dito penalty, lembrou-me perfeitamente 2 jogadores do sporting da covilha, tinham que ser expulsos, e fui anulado um golo limpo ao claudio que fazia o 2-0

quarta-feira, 26 fevereiro, 2014
Paulo Teixeira disse...

Façam aquilo que eu já fiz, entupam o mail da TVI 24 programa mais futebol com o video deste roubo, pois foram estes senhores desta estação de televisão de Queluz que deram em primeira mão o tal lance do jogo com o Covilhã.

Paulo Teixeira sócio 752

quarta-feira, 26 fevereiro, 2014
--FD disse...

Já tinha escrito o comentário mas não apareceu. Ou a submissão não correu bem ou então perdeu-se algures pelo caminho. Se entretanto aparecer outro comentário da minha autoria com um conteúdo parecido ao do presente comentário peço que apaguem.

Honestamente acho que o grande motivo para o jogo Académico de Viseu - Sporting da Covilhã ter aquele destaque (para além da situação caricata, é claro) foi ter sido apitado por Duarte Gomes. Se o árbitro Luís Ferreira que apitou o Académico de Viseu - Benfica estivesse na alta roda do futebol português (apitou esta época apenas cinco jogos da Liga Zon Sagres e nenhum contra os três estarolas) provavelmente ter-se-ia dado destaque aos casos do jogo do Sábado passado. Infelizmente a comunicação social - após o jogo contra o Covilhã - encheu a boca a falar do penalty transformado em livre indirecto dentro da área e passou a imagem que o Académico tinha sido beneficiado. O Académico foi beneficiado naquele lance em particular mas com um golo invalidado e com uma expulsão perdoada penso ter sido prejudicado de uma forma global nesse jogo. O facto de o árbitro Duarte Gomes ter grandes casos de más arbitragens contra equipas denominadas grandes fez com que se explorasse demasiado o episódio - nota do relatório presente na primeira página de jornais desportivos, grande exposição no maisfutebol (online e programa televisivo), etc. O jogo de Sábado foi transmitido em directo pela Sporttv e ao contrário do jogo contra o Covilhã foi filmado com várias câmaras e de vários ângulos. O interesse em mostrar as imagens numa escala semelhante é que não foi nenhum. No fundo esta situação ajuda a resumir a podridão do futebol português: apenas interessam os três grandes e as outras equipas limitam-se a existir para que estes não joguem somente entre si.

Já se sabe que o jogo Académico de Viseu - Benfica foi o mais visto entre todos os desafios da Segunda Liga até ao momento e esse facto deixa-me muito orgulhoso. Como curiosidade, o segundo jogo mais visto foi o Portimonense - Chaves do dia 11 de Dezembro. A grande diferença é que quando se realizou esse mesmo jogo a equipa de Portimão estava no primeiro lugar da competição e... no âmbito das comemorações do dia da cidade de Portimão a entrada foi livre! Tal informação pode ser consultada aqui: http://www.sulinformacao.pt/2013/12/dia-da-cidade-de-portimao-tem-novo-figurino-que-da-voz-as-novas-geracoes/

Infelizmente é mesmo pena que ninguém tenha o mínimo interesse em falar destes pontos positivos. Numa altura de chuvas, com um jogo a ser transmitido pela Sporttv e a realizar-se a um sábado de manhã é notável levar mais de 3000 pessoas a um Estádio num escalão secundário.

Penso que temos motivos de nos orgulhar da nossa equipa e espero que no próximo domingo seja dada uma resposta positiva dentro de campo.

Força Académico de Viseu!
Contra tudo e contra todos!

quinta-feira, 27 fevereiro, 2014